Matrículas - Sesi

O Poder Invisível

Por Artigos08 MAI 2017 - 09h01min

Houve um tempo na Grécia antiga que a democracia era exercida diretamente pelo povo. A ideia de democracia teve aí sua origem e desenvolveu-se na história humana. Agregado em grupos e por necessidade, o ser humano então passou a criar mecanismo de controle social, e foi com a criação do Estado moderno, que modos de participação popular surgiram no destino da nação e para o interesse do bem comum. Aristóteles já dizia que “O homem só ou é um bruto ou um deus”. Ou seja, a reunião em sociedade é da natureza humana e o instinto social inerente a convivência das pessoas.

A democracia se desenvolveu e criou raízes fundamentais em todo mundo. O povo, em tese, é onde se concentra o poder, e aqui delimita o destino da sociedade e isso, representado pelos representantes eleitos em eleições periódicas.

O interesse do bem comum, defesa do patrimônio público, zelo e probidade na administração pública, seriam, por conseguinte, os reais valores dos representantes do povo. O senso comum há muito tempo desconfia que existe algo de errado nesse quadro apresentado sobre democracia, povo, seus representantes e o interesse público.

A dúvida se torna mais latente diante das noticiais diárias de que políticos representantes do povo estão envolvidos em crimes de corrupção e desvio de dinheiro público para interesses pessoais. A democracia, a eleição e a ideia central do estatuto democrático estaria em crise, já que um vazio e desilusão se abatem no sentimento das pessoas.

Enganados pelos seus representantes, o povo fica descrente na representatividade popular, nos políticos e na forma apresentada pelo sistema democrático.

Neste panorama apresentado e diante das mazelas políticas decorrentes de eleições duvidosas e políticos eleitos com dinheiro sujo, irrigadas com dinheiro da corrupção, ressurge a ideia de Poder Invisível já descrito pelo cientista político Norberto Nobbio.

O Poder Invisível ou “Estado Duplo”, seria outras formas de poder existentes na sociedade que age de forma oculta, mas que seria o verdadeiro poder que dirige e orienta os destinos da nação. Os representantes do povo (políticos eleitos), na sua grande maioria, agiriam a mando deste Poder Invisível que é verdadeiramente quem manipula os sistemas jurídicos, e controle social nos vários setores da administração, pública por interesses isolados a grupos econômicos e ideológicos, bem distante do interesse do povo, da massa de pessoas na sociedade.

No caso do Brasil, é possível verificar situações em que o sistema representativo eleitoral tem fortes indícios de fraude ao regime democrático e engodo ao povo. Partidos e candidatos eleitos são acusados de usarem dinheiro oriundo de corrupção para financiar candidaturas, inclusive com o chamado “caixa 2”, que é dinheiro não declarado, e mesmo os recursos declarados – na verdade – seriam recursos ilegais.

Os eleitos são fantasmas de um Poder outro que não o instituído pelo Estado. Representam não o povo, mas este Poder Invisível, e neste se sustenta e defende seus interesses, como é o caso recente da empreiteira Odebrecht já de conhecimento de todos.

Ano que vem tem eleições e deve seguir o padrão anterior dos interesses obscuros de grupos econômicos, que persistem no interesse leviano de se apropriar dos cofres públicos. O Poder Invisível estará agindo nas sombras, disfarçados e ocultos, mas são os que mandam de verdade na democracia fragilizada.

 

Valmir Moura Fé

Delegado de Polícia

E-mail: [email protected]

Deixe seu comentário

Leia Também

Proclamação da República

Mesmo preso Puccinelli continua forte

Desafio ao MP ou teoria da inutilidade do vice

Perdão, Rio Paraguai

As oportunidades da Economia Criativa

Reflexão sobre a proposta “Escola Sem Partido”

Férias, tempo de descanso!