Menu
sexta, 14 de maio de 2021
Andorinha - Maio
Andorinha - Maio
Geral

Governo zera imposto de importação do feijão

25 junho 2016 - 08h44Portal Brasil

Para reduzir preço do produto, mercado ficará aberto pelos próximos três meses. Expectativa é de que medida tenha reflexo rápido nos valores atuais

Depois de o presidente em exercício, Michel Temer, determinar que o governo zerasse o imposto de importação para o feijão, a medida se tornou concreta nesta quinta-feira (23). Cerca de 24 horas após a reunião que definiu a estratégia, a Câmara de Comércio Exterior (Camex) assinou a decisão.

A medida vale por três meses e incide sobre os feijão preto e carioquinha, os mais consumidos no País e cujos preços haviam disparado nos últimos meses. Uma quebra de safra em regiões importantes diminuiu a oferta do produto.

O ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira, preside o grupo executivo de gestão da Camex e assinou a decisão. A medida será publicada no Diário Oficialdesta sexta-feira (24).

Em junho, segundo o Índice de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15), o feijão carioca registrou alta de 16,38%. No acumulado do ano, o produto ficou 54,09% mais caro.

Vizinhos

“Como não há perspectiva do aumento da oferta do produto no mercado no curto prazo que seja proveniente da produção regional, decidimos que é necessário facilitar a importação por meio da redução da alíquota do Imposto de Importação”, explicou o ministro.

Até então, apenas os países integrantes do Mercosul estavam isentos do imposto. Agora, o mercado fica livre para o feijão de qualquer nação. O objetivo do governo, primeiro, é estimular a compra de locais mais próximos, como Argentina, Paraguai e Bolívia.

A expectativa é de que a demanda brasileira seja atendida por esses países mais próximos. Caso não seja suficiente, feijão vindo do México e da China devem chegar aos mercados nacionais.

Clima

“O feijão tem três safras, a segunda, que é a que está colhendo agora, sofreu frustração de 10% na previsão de colheita que tínhamos”, explicou ontem (22) o ministro da Agricultura, Blairo Maggi.

O ministro ainda ponderou que o mercado doméstico é controlado por poucos operadores e que essas medidas devem quebrar ou pelo menos diminuir a fora desse monopólio.

“Estamos fazendo essa ação junto a mercados e atacadistas para que eles possam buscar esse feijão e quebrar esse monopólio”, afirmou.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Lote com 5,7 milhões de doses de vacinas começa a ser distribuído
POLÍTICA
Iunes aceita convite do Podemos
VOLUNTARIADO
Confeiteiros Solidários realizam Campanha do Agasalho para o Voluntários no Caminho
POLICIAL
PF prende quatro pessoas e apreende 180 kg de cocaína em MS
GERAL
Em Corumbá condutor tem veículo removido por transporte clandestino
GERAL
Detentas bolivianas em Corumbá recebem assistência de Consulado
ESPORTE
Curso de "Treinamento Esportivo no Contexto Escolar" vai ser realizado de 28 a 30 de maio
EDUCAÇÃO
Inep define cronograma do Censo Escolar da Educação Básica 2021
ESPORTE
Bia Cavassa visita Secretaria Nacional do Esporte e busca apoio para MS
GERAL
Bia Cavassa e vereadores visitam sede da Sudeco

Mais Lidas

POLICIAL
PF prende quatro pessoas e apreende 180 kg de cocaína em MS
POLICIAL
PM apreende droga, plantas de maconha e prende autor de tráfico
POLICIAL
PM evita suicídio de homem, e o prende após violência doméstica
POLÍTICA
Iunes aceita convite do Podemos