Menu
domingo, 14 de julho de 2024
Andorinha - 76 anos - Junho 2024
Andorinha - 76 anos - Junho 2024
Geral

Governo zera imposto de importação do feijão

25 junho 2016 - 08h44Portal Brasil

Para reduzir preço do produto, mercado ficará aberto pelos próximos três meses. Expectativa é de que medida tenha reflexo rápido nos valores atuais

Depois de o presidente em exercício, Michel Temer, determinar que o governo zerasse o imposto de importação para o feijão, a medida se tornou concreta nesta quinta-feira (23). Cerca de 24 horas após a reunião que definiu a estratégia, a Câmara de Comércio Exterior (Camex) assinou a decisão.

A medida vale por três meses e incide sobre os feijão preto e carioquinha, os mais consumidos no País e cujos preços haviam disparado nos últimos meses. Uma quebra de safra em regiões importantes diminuiu a oferta do produto.

O ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira, preside o grupo executivo de gestão da Camex e assinou a decisão. A medida será publicada no Diário Oficialdesta sexta-feira (24).

Em junho, segundo o Índice de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15), o feijão carioca registrou alta de 16,38%. No acumulado do ano, o produto ficou 54,09% mais caro.

Vizinhos

“Como não há perspectiva do aumento da oferta do produto no mercado no curto prazo que seja proveniente da produção regional, decidimos que é necessário facilitar a importação por meio da redução da alíquota do Imposto de Importação”, explicou o ministro.

Até então, apenas os países integrantes do Mercosul estavam isentos do imposto. Agora, o mercado fica livre para o feijão de qualquer nação. O objetivo do governo, primeiro, é estimular a compra de locais mais próximos, como Argentina, Paraguai e Bolívia.

A expectativa é de que a demanda brasileira seja atendida por esses países mais próximos. Caso não seja suficiente, feijão vindo do México e da China devem chegar aos mercados nacionais.

Clima

“O feijão tem três safras, a segunda, que é a que está colhendo agora, sofreu frustração de 10% na previsão de colheita que tínhamos”, explicou ontem (22) o ministro da Agricultura, Blairo Maggi.

O ministro ainda ponderou que o mercado doméstico é controlado por poucos operadores e que essas medidas devem quebrar ou pelo menos diminuir a fora desse monopólio.

“Estamos fazendo essa ação junto a mercados e atacadistas para que eles possam buscar esse feijão e quebrar esse monopólio”, afirmou.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Aumento de Temperatura
Ecoa analisa recuo do fogo no Pantanal e alerta para risco de novos incêndios nos próximos dias
Madrugada
Morador de rua morre em noite com frio de -4ºC em bairro da Capital
Na Capital
MS abre Paralimpíadas Escolares com foco na inclusão e no poder do esporte em transformar vidas
Virtual
Iphan realiza oficina de divulgação do Prêmio Rodrigo no Mato Grosso do Sul
Operação Pantanal II
Forças Armadas montam base avançada para acolher 100 brigadistas no Pantanal de MT
Conscientização
Dia Mundial do TDAH: especialista fala sobre sintomas, diagnóstico e tratamento
Destaque
Senac MS recebe selo 'melhores empresas para se trabalhar' pela segunda vez
Aposta
Mega-Sena sorteia neste sábado prêmio acumulado em R$ 15 milhões
Meio Ambiente
Biólogos tentam salvar fauna ameaçada pelo fogo no Pantanal
Plantão
Bombeiros combatem incêndios em terrenos baldios de Corumbá e Ladário

Mais Lidas

Madrugada
Morador de rua morre em noite com frio de -4ºC em bairro da Capital
Tempo
Sábado amanhece nublado e com termômetros marcando mínima de 10°C em Corumbá
Corumbá tem máxima de 18°C
Publicado em Diário
TJMS reconhece legalidade na cobrança da Taxa do Lixo em Corumbá
Operação Pantanal II
Forças Armadas montam base avançada para acolher 100 brigadistas no Pantanal de MT