Andorinha - Novos ônibus

Soltando a franga

Por Sylma Lima03 FEV 2018 - 10h44min

O tradicional desfile que elege a musa gay do carnaval de Corumbá este ano pecou na organização e cometeu gafes primárias. Uma delas foi o excesso de jurados , não sobrando lugar nas mesas para tanta gente. A lei da física é clara, “dois corpos não podem ocupar um espaço” . Mas, parece que os idealizadores do evento se esqueceram disso e outras ‘cositas mas’.

Imparcialidade vai bem

Para começar convidaram uma apresentadora que trabalha em outro veículo de comunicação (concorrente) que se ‘esqueceu’ de citar o nome do site Capital do Pantanal como patrocinador, aliás, este site que pagou pela mesa tambem divulgou matérias gratuitas (de evento pago) um mês antes até o dia da festa. Marketing gratuito. Quem trabalha de graça é relógio. Nós temos custos e alto, diga-se de passagem.

Finesse

Para entornar o caldo de vez, a jurada, belíssima primeira dama da Câmara de Corumbá, foi esquecida na hora de anunciar o nome da mesa julgadora, aliás, que mais parecia a torcida do flamengo. Tinha mais jurados que convidados. A jovem senhora, não se fez de rogada, “ se não fui chamada , logo, não sou jurada” , e deixou a mesa com toda classe e elegância da grande dama que é.

O remendo  é pior que o soneto

Tentaram remediar a situação chamando tempo depois, entretanto, mulher de opinião forte não voltou ao lugar improvisado, porque ela também não coube na mesa. Mas, o pior de tudo foi a resposta do organizador diante de tantas gafes, “vamos resolver  sem bafão” . Eu pergunto: E quem estava fazendo ‘bafão’? Diante de tanta ‘delicadeza’ esta jornalista que também foi preterida seguiu o exemplo da colega de infância e  abandonou o posto de jurada. Que não fez falta nenhuma porque se não me falha a memoria, foram seis candidatas e uns 30 jurados, dai para mais.

Diga com quem andas...

E para encerrar, recomendo, na minha humilde opinião, aos organizadores de eventos noturnos, cumprirem horário marcado no convite. 22h não é 1h da madrugada. E como se tratava de uma quinta-feira, muita gente teve eu levantar às 7h da manhã na sexta-feira. Nem todos são funcionários públicos.

Justificativa

O texto foi só para esclarecer o motivo do ‘buxixo’ sem constranger ninguém, afinal, educação não nos falta. No envelope das notas esta jornalista expos o motivo de deixar a mesa. Quando a gente assina um evento é o nome que dá credibilidade, por isso é necessário uma boa dose de responsabilidade e 'semancol'.  Obrigada! De nada!

Foto: Sylma Lima

Deixe seu comentário

Leia Também

Muy amigos

Toque de debandar

Nos trâmites judiciais

Menor de 18 na balada

Onde está Deus?

Fim do pacto

Barrados na estrada

Nos bastidores