Governo - Doação de Sangue

Onde está Deus?

Por Sylma Lima02 AGO 2018 - 09h36min

Pastores podem cobrar para pregar?

Quanto mais gente levar a palavra do senhor aos necessitados, melhor. Jesus disse aos apóstolos em Marcos 16/15 “ ide e pregai em meu nome” . De tudo que li , estudei e ouvi dos pastores sobre a vida de Jesus não vi uma passagem bíblica em que ele cobrasse para anunciar as boas novas. E olha que ele curou cego, leprosos, abriu o mar vermelho, acalmou tempestades, ressuscitou Lazaro,  em fim, tudo isso foi feito em nome do seu pai (Deus). Jesus não usava roupas caras, Jesus dormia no chão, se alimentava de peixes , pão e eventualmente de vinho. Jesus não tinha vaidades, não era soberbo, não ostentava por ser filho de Deus. E nos seus ensinamentos deixa sempre claro que o amor e a caridade são as maiores riquezas do homem.

Mas, aí vêm uns pastores, que cobram para dar sermões. Alguns  conhecidos pelo teor humorísticos, onde a temática é sempre a vida cotidiana, e cobram por lugar, seja numa cadeira , arquibancada ou em pé. Fico pensando no filme: ‘ Indiana Jones e a última cruzada’, onde o  arqueólogo,  ‘Indiana Jones’ personagem de Harrisson Ford, tem acesso à um misterioso envelope que contém informações sobre a localização do lendário Santo Graal, o cálice que Jesus Cristo teria utilizado na Última Ceia. Quando seu pai, o professor Henry Jones (Sean Connery), é sequestrado pelos nazistas, o aventureiro embarcou numa missão perigosa para salvá-lo e impedir que a relíquia da sagrada ceia caísse  em mãos erradas. E no meio de centenas de cálices  preciosos ,  estaria o que Jesus teria usado na santa ceia com os seus discípulos. Quem assistiu lembra qual era a verdadeira relíquia cristã,  que salvou a vida do personagem. Um singelo cálice de madeira. Faz todo sentido, porque Jesus era carpinteiro, não é o que diz a Bíblia?

Ai, hoje me veio em mente esta pergunta: Pastores podem cobrar para pregar? A minha resposta vai ser sempre um sonoro  NÃO!! Jesus nunca cobrou para pregar às multidões, e assim deixou-nos a preciosa lição de que’ aquilo que recebemos de graça, devemos dar de graça também’.

Segundo as sagradas escrituras, o  apóstolo Paulo, apesar das constantes necessidades que envolvem a obra missionária, nunca exigiu que nenhuma igreja lhe enviasse ofertas, antes recebia de bom grado e com ações de graças ao alimento que lhe era enviado. A verdade é que nenhum dos apóstolos do Senhor, jamais ,estipularam uma quantia para pregar a palavra de Deus onde quer que fosse.

Claro que há passagens  enfatizando a necessidade do sustento do obreiro, afinal ele é um ser humano e tem despesas. “Digno é o obreiro do seu salário” (1Tm 5.18) e “o que é instruído na palavra, reparta seus bens com quem lhe instrui” (Gl 6.6) estão entre eles. Lendo essas passagens tenho a convicção que estou certa no meu viés de interpretação. Jamais diria que um pastor não é digno de receber salário. “O lavrador que trabalha deve ser o primeiro a colher os grãos” (2Tm 2.6). Na verdade, eu não fico indignada com os pastores assalariados. Estes sim, são dignos de receber tal honra, haja vista o trabalho que desempenham. A minha perplexidade é outra. Lembro-me bem, quando era menina ainda e assistia pela primeira vez a ‘paixão de cristo’. Em uma cena, Jesus entra num templo e fica indignado com a venda de indulgencias e quebra tudo, dizendo, “ não façais da casa de meu pai comercio” . Quando surge o cobrador de impostos e indaga: Esta dizendo que não é para pagar tributos? Tranquilamente Jesus, pega uma moeda e pergunta ao homem: O que vê aqui? Questiona. ‘O rosto de Cesar’, diz o cobrador, então ele responde uma das passagens mais lindas do novo testamento: “ A César o que é de César, a Deus o que é Deus” . E encerra brilhantemente a discussão.

Observando mais atentamente ao espetáculo proporcionado pelas ‘ constelações do mundo góspel’ atual,  chega a ser patética a fome pelo poder. E se nos atentarmos para as bizarrices e excentricidades destas ‘ estrelas’, que se multiplicam, com suas roupas de grife,  com seus super  ternos da Armani, seus sapatos de couro feito a mão, e alguns de jacaré, suas abotoaduras de ouro 18 quilates e sua enfadonha e repetitiva mensagem, percebemos claramente a inversão de valores, o insulto ao sagrado e suas escrituras milenares. Muitos chegam a cobrar fortunas para pregar em uma só noite! É com essa corja infeliz que eu vocifero minha repulsa e desafeto.

Os pregadores shows, ou ainda animadores de auditório, são os trabalhadores mais caros de nosso país. Qual é o profissional formado que ganha 15 mil reais em uma hora de trabalho? Pois é: As estrelas gospels, pregadores de megaeventos chegam a ganhar 15 mil reais por apenas uma hora de performance sobre um púlpito. Aliás, é por causa disso que vocês dificilmente me encontrarão em congressos de reteté, ovacionando um pacóvio que memorizou meia dúzia de chavões e já pensa que é pregador.  Saudades do meu falecido pai que sempre dizia, “ filha, quem tem preço não vale nada” !

Deixe seu comentário

Leia Também

Nos trâmites judiciais

Menor de 18 na balada

Onde está Deus?

Fim do pacto

Barrados na estrada

Nos bastidores

O político e a gestão pública