Menu
quinta, 06 de maio de 2021
Governo - O Estado que cresce - Maio
Geral

Taxistas são denunciados por cobrança abusiva

14 junho 2016 - 16h20Sylma Lima
É permitido ao taxista cobrar valor fechado em vez de ligar o taxímetro? Não, pois em municípios com mais de 50 mil habitantes, como Corumbá o taxímetro é obrigatório. É uma cena bastante comum. Ao pedir um táxi, o motorista pergunta qual é o destino e, ao receber a resposta, já informa o valor da corrida. Tal prática desperta a dúvida em muitas pessoas: será que estou sendo cobrado abusivamente ou, com o valor fechado, acabo pagando menos do que se o taxímetro estivesse rodando? Essa pergunta deve à inúmeras denúncias recebidas por essa redação de que alguns taxistas circulam pela cidade com taxímetro desligado e outros sem. Um denunciante, afirma que os preços mais abusivos são cobrados aos passageiros que desembarcam no terminal rodoviário, onde uma corrida com no máximo dois quilômetros chega a custar vinte reais. Segundo a lei federal que regulamenta a profissão de taxista (Lei n° 12.468/2011) determina que, nos municípios com mais de 50 mil habitantes, o uso do taxímetro é obrigatório. A cobrança é composta, em regra, pela soma do valor fixo inicial (a bandeirada), o valor correspondente à quilometragem percorrida e ao tempo parado no trânsito. Cada cidade pode determinar os horários em que será aplicada a “Bandeira 1” e a “Bandeira 2”. Na segunda, o valor inicial é mais elevado no horário noturno em dias úteis e durante todo o domingo ou feriado. Todos os valores são previamente determinados pela prefeitura do município em que o táxi está cadastrado. Valor fixo O consumidor tem direito a não aceitar a oferta do taxista de dar o valor do percurso antes mesmo da prestação do serviço sem utilizar o taxímetro, mesmo em caso de grandes eventos e independentemente do horário. Se o consumidor preferir, pode exigir o uso do taxímetro. É recomendável que o passageiro fique atento para que o taxímetro seja ligado somente quando a corrida começar. Se o consumidor perceber que a corrida está mais cara do que havia calculado, deve denunciar o taxista aos órgãos competentes, como exemplo o de defesa do consumidor, Procon, ou à Agencia Municipal de Transito e Transportes de Corumbá. Importante destacar que por ser Corumbá cidade turística, tal prática depõe contra a atividade o que consolida a imagem de destino onde as pessoas atuam com o uso de má fé e preços abusivos. fronteira  

Deixe seu Comentário

Leia Também

GERAL
MS recebe 50,5 mil doses da Astrazeneca do Ministério da Saúde
GERAL
PMA de Corumbá recebe doação de viatura da Vale para uso na fiscalização no Pantanal
SAÚDE
Prefeitura leva atendimento médico de rotina para o Porto Esperança
POLICIAL
Jovem é preso com 483 unidades de maconha no Cristo Redentor
POLICIAL
PMA apreende mais três tigres d'água em chácara
COVID-19
Vereador reforça necessidade de imunizar trabalhadores do CAC contra a Covid
ECONOMIA
Trabalhadores nascidos em maio podem sacar auxílio emergencial
POLICIAL
PRF apreende mais de 1,5 tonelada de maconha em MS
CIDADE
Vereador solicita informações sobre estágio de projeto de reforma do antigo mercadão
SEMANA NACIONAL DAS COMUNICAÇÕES
Wi-Fi Brasil leva internet a mais de 13 mil pontos remotos do país

Mais Lidas

POLICIAL
Assaltante é preso em flagrante no bairro Popular Velha
CONTRABANDO
PRF apreende carga com prata na BR 262 avaliada em 2 milhões de reais
EDUCAÇÃO
Senac oferece desconto de 30% em cursos EAD em diversas áreas
APOIO A SAÚDE
Vale inicia nova parceria na região com o projeto Ciclo de Saúde Pantanal