Menu
quinta, 28 de outubro de 2021
Cassems - Melhores e Maiores - Edição 2021
Andorinha - Outubro e Novembro - MOBILE
Geral

Superior Tribunal anula processo que condenava Bumlai por empréstimo

07 outubro 2021 - 09h51Correio do Estado

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) anulou o processo iniciado pela Justiça Federal contra o pecuarista sul-mato-grossense, Luiz Carlos Bumlai (PT) e João Vaccari Netto.  

A ação, no qual Bumlai e Vaccari são condenadas pela Lava Jato por um empréstimo de R$ 12 milhões, foi anulada na terça-feira (06).  

O processo foi iniciado em 2015 e julgado pelo juiz e ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro, em 2018, que condenou Luiz Carlos Blumai a nove anos e 10 meses de reclusão em regime semiaberto e Vaccari a seis anos e oito meses.   

O caso foi enviado agora a Justiça Eleitoral, onde deverá ser analisado. 

A defesa 

Após iniciado em 2015, a defesa apelou em 2018 ao TRF-4, onde está condenação foi confirmada e rejeitando a tese da incompetência. 

Já em 2019, foram impetrados os Recursos Especial e Extraordinário, ao STJ e ao STF. 

Na terça-feira (6), o STJ julgou o Recurso Especial e, acolhendo a tese da defesa, anulou o processo, designando a competência do processo à Justiça Eleitoral. 

"Desde o início do processo, a defesa sustenta a incompetência do juízo federal de Curitiba, pois a matéria em questão, refere-se a suposto crime eleitoral, de modo que a competência a ser observada deveria ser da Justiça Eleitoral. A anulação da sentença condenatória e deste processo ocorrida no julgamento do STJ desta data, restabelece, por meio dos inúmeros recursos impetrados pela defesa, a almejada Justiça." 

O Caso Bumlai 

José Carlos Bumlai e o então, ex-tesoureiro do Partido dos trabalhadores, João Carlos Vaccari Netto foram acusados e condenados por fazer um empréstimo R$ 12 milhões, que após ser autorizado foi tomado pelo Banco Schahin para pagar dívidas eleitorais do PT.  

O caso foi iniciado pela Justiça Federal, julgado pelo Tribunal Regional Federal (TRF-4), que a época tinha como juiz, Sérgio Moro.  

 Procuradores da Lava Jato, responsáveis pela denúncia, afirmaram que o valor do empréstimo era uma vantagem indevida relacionada a um contrato do Grupo Schahin com a Petrobras. 

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Sexta e Sábado
Bairros Cervejaria e Guatós recebem mutirão da dengue
Consumidor
Carne bovina deve ficar mais barata com suspensão das exportações para a China
Alerta
Aneel inicia processo para reajuste e Energisa pode cobrar R$ 463 milhões de consumidores em MS
Apoio
Bia Cavassa destina R$ 150 mil para projeto direcionado a população LGBTQIA+ de MS
Ronda Policial
Evadido é capturado com trouxinhas de pasta base no bairro Aeroporto
Últimos dias de Pesca Aberta
Operação Dia de Finados da PMA intensifica fiscalização à pesca predatória
Bombeiros
Queda de árvore danifica muro e telhado de casa no bairro Universitário
Segurança
Vereador busca informações sobre condições atuais do Arthur Marinho
Reconhecimento
Câmara de Corumbá homenageia servidores públicos pelo seu dia
Operação Hefesto
Novos focos de incêndio são identificados em pelo menos três regiões

Mais Lidas

Qualificação
Senac Corumbá abre inscrições para cursos nas áreas da informática, saúde e beleza
Apelo Popular
MPT-MS vai investigar assédio moral de gerente que humilha funcionário em Carrefour da Capital
Inicio do Defeso
Última semana para pesca nos rios de Mato Grosso do Sul
Formalização
Corumbá lança campanha de incentivo ao cadastro de profissionais do setor de turismo