Menu
quinta, 21 de outubro de 2021
Andorinha - Setembro e Outubro
Andorinha - Outubro e Novembro - MOBILE
Geral

Sesi integra Comitê Estadual de Combate ao Aedes aegypti

08 janeiro 2016 - 08h11Assessoria
A partir de agora o Sesi integra, oficialmente, o Comitê de Combate, Controle, Prevenção e Redução do Mosquito Aedes aegypti em Mato Grosso do Sul, que foi criado nesta quinta-feira (07/11) pelo Governo do Estado para, com o apoio de outras 26 instituições, auxiliar no monitoramento dos locais com foco do vetor da dengue, febre chikungunya e zika vírus. A cerimônia de oficialização da força tarefa estadual foi realizada na Governadoria, em Campo Grande (MS), com a presença do governador Reinaldo Azambuja e do ministro da Saúde, Marcelo Castro. Segundo o superintendente do Sesi, Bergson Amarilla, o trabalho é colaborativo e vai fazer com que todas as iniciativas voltadas para o combater o mosquito Aedes aegypti sejam otimizadas. “O grande problema hoje é conscientizar a comunidade em relação aos cuidados para eliminar todos os focos do mosquito nas casas. Nesse sentido, o Sesi, em parceria com a Fiems, DGPC e TV Morena, já vem realizando um trabalho de disseminação dessas informações nos bairros da Capital, uma parte importante da campanha”, disse, referindo-se à Campanha Guerra ao Mosquito Aedes aegypti iniciada em 21 de dezembro do ano passado. O governador Reinaldo Azambuja disse que o objetivo do Comitê será de prestar auxílio nas ações de monitoramento do combate ao mosquito. “A luta contra o Aedes aegypti envolve toda a sociedade e não é só o Estado e a União. Somente com o engajamento de todos cuidando uns dos outros é que vamos eliminar os focos desse vetor dessas três doenças muito graves”, declarou, destacando a importância do aumento da gratificação de R$ 128 para R$ 300 mensais aos agentes comunitários de saúde para elevar a produtividade no combate ao mosquito Aedes aegypti. Já o ministro da Saúde, Marcelo Castro, ratificou a ambiciosa meta de visitar todos os lares brasileiros até o fim de janeiro. “Tivemos 30 anos de convivência com o Aedes aegypti. Contemporizamos com o mosquito e foi um erro fatal”, afirmou, citando as mais de 800 mortes registradas por dengue no País e fazendo referência à situação nova da microcefalia epidêmica com a transmissão pelo mosquito. “A grande esperança está na vacina, embora a perspectiva dos cientistas é de que a disponibilidade de imunização contra a febre chikungunya e o zika vírus deva demorar de quatro a cinco anos”, pontuou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Região Central
PM prender autor de furto e recupera objetos
Outubro Rosa
Bia Cavassa faz doação em apoio a campanha Lenço Solidário
Colônia do Bracinho
Pantaneiro denuncia construção de barragem no Rio Taquari
11.817 mil testes analisados
Estudo da Janssen na região de fronteira mostra eficácia de 50% da vacina e redução de 90% em óbitos
Oportunidade
Inscrições abertas para concurso público de procurador do Estado, com salário de R$ 25 mil
Agenda Política
Presidente Regional do Democracia Cristã visita cidades do interior de MS
Retomada da Economia
Setor de bares e restaurantes aumenta as contratações e retoma movimento
246 quilos de cocaína
Dracco assume investigação da queda do helicóptero do tráfico em Ponta Porã
Dois brasileiros foram presos
Denunciado por participação no roubo de aeronaves em Aquidauana é preso na Bolívia
Imunização
Veja quem pode se vacinar contra Covid em Corumbá nesta quinta e sexta

Mais Lidas

Qualificação
Ministério da Educação anuncia formação para professores da educação infantil
Previsão Meteorológica
Tempo fica firme, mas nova frente fria promete mais chuva para o final de semana
Acidente de Trânsito
Mulher sofre fratura na perna em queda acidental de moto
Destaque
Vereador pede fim do toque de recolher e do uso de máscara em ambientes abertos