Menu
segunda, 08 de março de 2021
Andorinha Fevereiro
Andorinha Fevereiro
Geral

Sem renovação de contrato, sistema restrito impede até pedido de prisão

04 agosto 2016 - 12h20Correio do Estado

Delegados, investigadores da Polícia Civil e policiais militares enfrentam há aproximadamente um mês problemas para registrar ocorrências e, principalmente, trabalhar nas investigações. O motivo é falta de acordo entre a empresa Compnet, dona do sistema Sistema Integrado de Gestão Operacional (Sigo), e o Governo do Estado.

Utilizado pelas forças de segurança de Mato Grosso do Sul desde 2005, o software é o banco de dados onde são registradas todas as ocorrências policiais tanto nas delegacias quanto aquelas feitas por policiais militares durante os trabalhos na rua. É também onde os antecedentes criminais de qualquer pessoa que vive no Estado podem ser consultados.

Há cerca de um mês o sistema começou a apresentar as primeiras falhas entre elas impedimento de consulta de boletins de ocorrência pela imprensa, restrição da consulta de antecedentes criminais por policiais e até registro de boletins pela Delegacia Virtual.

Diante dos problemas, há duas semanas, o Portal Correio do Estado chegou a consultar a assessoria de imprensa da Polícia Civil e da Secretaria de Justiça e Segurança Pública, que informaram que tudo não passava de instabilidade temporária.

No entanto, agora a justificativa mudou. Segundo a Sejusp, trata-se mesmo de desacordo em relação à renovação do contrato entre o Governo do Estado e a Compnet. O que motiva a dificuldade em renovar o contrato, segundo o Governo, são várias tratativas para que o sistema se torne mais amplo e completo. No entanto, nos bastidores da Polícia Civil o motivo é outro: falta de acordo sobre o valor a ser pago à Compnet.

Delegado-chefe da Comunicação da Polícia Civil, Roberto Gurgel disse ao Portal Correio do Estado que a restrição do Sigo vem causando problemas a investigações. Até pedido de prisão preventiva acaba sendo prejudicado porque investigadores e delegados não conseguem acessar os antecedentes criminais de pessoas que praticam crimes.

Além dos antecedentes, outros critérios são usados para solicitar a prisão, no entanto, sem o histórico criminal do investigado, o pedido "pede força" diante do judiciário.

Ainda segundo o delegado, a situação já foi levada até o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), e a previsão é que o contrato seja fechado até o fim deste mês.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

BOLETIM COVID
SES registra mais 25 mortes por covid e MS chega a 3.469 óbitos
ESPORTE
Estadual de Futebol 2021: Jogos do grupo B terminam empatados em 1 a 1 neste domingo
MULHERES
Reinaldo Azambuja assina decretos que fortalecem políticas públicas para as mulheres
EDUCAÇÃO
Inep publica resultado das análises de recursos do Revalida
PROCESSO SELETIVO
Funsau abre processo seletivo para contratação de agente de farmácia, farmacêutico e médico
CRIME DE RECEPTAÇÃO
Homem vai para a delegacia por conduzir na BR 262 veículo roubado
POLICIAL
Homem é preso por receptação e apreende moto furtada no bairro Vila Mamona
DIA INTERNACIONAL DA MULHER
Na linha de frente, mulheres fazem gestão de excelência no combate da pandemia da Covid-19
POLICIAL
PM prende homem com mandado de prisão durante rondas no bairro Vila Guarani
POLICIAL
PM de Corumbá recupera motocicleta roubada minutos após o crime no bairro Popular Nova

Mais Lidas

GERAL
Ônibus clandestino com 34 bolivianos é apreendido no Brás em São Paulo