Menu
domingo, 26 de setembro de 2021
Expresso Mato Grosso - Junho
Geral

Sem hospital em plena pandemia, bolivianos fecham Estrada Bioceânica em protesto

08 julho 2020 - 16h17Midia Max

Manifestantes bolivianos suspenderam totalmente nesta quarta-feira (8) a circulação entre Puerto Suárez e Corumbá –a 419 km de Campo Grande–, que já estava restrita por conta das ações de controle do novo  (Covid-19) nos dois países). O ato visou a chamar a atenção para a falta de estrutura do hospital San Juan de Dios, na cidade da .

A Estrada Bioceânica foi fechada com montes de terra, impedindo a passagem de caminhões de carga –únicos veículos autorizados a circular entre os países para evitar o desabastecimento–, e os manifestantes também bloquearam a linha férrea.

O ato tenta chamar a atenção das autoridades bolivianas para o abandono do hospital San Juan de Dios, em Puerto Suárez. Presidente do Comitê Cívico local, Humberto Miglino Rau explicou que a unidade de Saúde tem apenas a estrutura, mas não conta com equipamentos e itens para uso dos médicos.

“Nós enviamos duas cartas à presidente do país com as reivindicações e não fomos atendidos. Fizemos um bloqueio de 48 horas e não fomos atendidos e desde a meia-noite de hoje iniciamos o bloqueio indefinido”, explicou Humberto, segundo quem a situação ficou mais crítica com o avanço do .

Do lado boliviano, o hospital mais equipado da região está em Santa Cruz de la Sierra, a 630 quilômetros de distância. Até o fechamento das fronteiras, cidadãos bolivianos buscavam atendimento hospitalar em Corumbá –onde, inclusive, um paciente do país vizinho morreu de Covid-19.

“Agora com a pandemia isso foi suspenso e não temos para onde levar nossos doentes, não tem condições de atender ainda mais em caso de pandemia”, afirmou Humberto. “São 630 quilômetros do hospital mais próximo. Têm pessoas que não aguentam e infelizmente morrem na metade do caminho, nossos hospitais estão colapsados não temos como levar os doentes”.

Muitos têm se arriscado a entrar ilegalmente no Brasil por trilhas claninas em busca de tratamento na Santa Casa corumbaense.

Província de German Busch tem 181 casos de  e 20 mortes

O San Juan de Dios opera há 10 anos e é considerado de segundo nível pelo Departamento de Saúde, contudo, espera há 5 anos por equipamentos. A unidade atende aos cerca de 25 mil moradores de Puerto Suárez e também é referência para a província de German Busch, atendendo a moradores de Puerto Quijarro, Roboré e Carmen Rivero Tórrez.

“Hoje mais do que nunca, precisamos do hospital equipado. Em menos de dois meses, temos 56 pessoas falecidas”, afirmou o líder cívico. Humberto Rau ainda salientou que as mortes não tem uma explicação, já que os testes feitos vão para Santa Cruz de la Sierra para análise e demoram tempo para obter uma resposta.

Boletim epidemiológico da  aponta que German Busch tem 181 casos de , concentrados principalmente em Quijarro (125) e Puerto Suárez (44). A doença matou 20 pessoas na província.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Denúncia
Homem morre e família acusa médica da UPA de negligência
Palestras
3ª edição da Semana da Saúde do Sesc tem foco nos reflexos da pandemia
SCT 2021
IFMS abre inscrições para Semana de Ciência e Tecnologia
Javaporco
PMA flagra criação ilegal de javalis em propriedade de Dourados
Alerta
De agendamentos a esquemas de 'pirâmides', entenda os maiores golpes do Pix em MS
Retomada
Fundtur recebe inscrições no Programa "Incentiva+MS Turismo" até 5 de outubro
Bonito
Mulher é multada em R$ 5 mil por desmatamento ilegal em área protegida
Imunização
Veja quem pode se vacinar neste fim de semana em Corumbá
Balanço
Mais de 50% das drogas apreendidas na Operação Fronteiras e Divisas I são de MS
Economia
Comércio deve facilitar pagamento e ser cauteloso para o Dia das Crianças

Mais Lidas

Denúncia
Homem morre e família acusa médica da UPA de negligência
Imunização
Veja quem pode se vacinar neste fim de semana em Corumbá
Desenvolvimento
Comissão mista homologa consórcio que vai construir ponte da Rota Bioceânica em MS
Bonito
Mulher é multada em R$ 5 mil por desmatamento ilegal em área protegida