Menu
sexta, 15 de outubro de 2021
Andorinha - Setembro e Outubro
Andorinha - Outubro e Novembro - MOBILE
Geral

Sem chuva, navegação na Hidrovia Paraguai-Paraná está ameaçada

15 agosto 2020 - 09h44Agência Brasil

O volume de chuvas abaixo da média histórica registrado na Região Centro-Oeste do Brasil desde o ano passado já ameaça a navegabilidade da Hidrovia Paraguai-Paraná, uma das principais vias fluviais da América do Sul, por onde é transportada boa parte da safra de grãos do país.

Segundo a Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM), a seca deste ano na sub-bacia do alto Paraguai e no bioma Pantanal é a mais severa dos últimos 22 anos. Fato que, segundo o presidente do Sindicato Rural de Tangará da Serra (MT) e da Associação Pró-Hidrovia do Rio Paraguai, Vanderlei Reck Júnior, começa a afetar alguns trechos dos cerca de 1.272 quilômetros de extensão do rio em território brasileiro.

“Algumas embarcações já não estão podendo mais transportar sua capacidade máxima de carga, ou seja, estão tendo que reduzir o peso para poder navegar sem risco de encalharem nos trechos mais rasos. Isto acaba afetando os custos do transporte de mercadorias”, afirmou Reck à Agência Brasil. Otimista, ele diz confiar que a situação, apesar de séria, não prejudique o escoamento da produção agrícola.

“O próprio histórico da região mostra que este é um fenômeno climático cíclico. Tanto que, há cerca de 48 anos, a região enfrentou uma situação pior. Após algum tempo, as coisas voltaram ao normal”, disse Reck, que encabeça o projeto de reativação do Porto Fluvial de Cáceres, paralisado desde 2012.

“Estamos finalizando alguns estudos, mas já está tudo pronto para reativarmos o porto. A estrutura está toda pronta e já obtivemos quase todas as licenças necessárias. Por isso estamos acompanhando atentamente à situação do Rio Paraguai, aguardando o nível do rio melhorar para iniciarmos as operações”, acrescentou Reck.

Ao contrário do empresário, o tenente João Vitor Goltara, do Centro de Hidrografia e Navegação do Oeste, da Marinha, afirmou à reportagem que a expectativa é que o nível do rio Paraguai - que, segundo ele, já está muito abaixo da média histórica para este período do ano – baixe ainda mais, já que não há previsão de chuvas significativas pelo próximo mês.

“A situação está muito aquém do habitual para esta época. Em Ladário (MS), por exemplo, o nível d'água está abaixo de 1,15 metro. Neste mesmo período de 2019, estava em 3,5 metros”, disse Goltara, explicando que esta situação já era prevista.

“Em 2019, o volume de chuvas ficou aquém da média histórica. Pelo que estamos vendo, o nível do rio ainda deve baixar mais um pouco até, pelo menos, o fim de setembro, início de outubro, quando, historicamente, começa a chover. Só que, normalmente, os efeitos destas chuvas só vai ser percebido lá para o fim de outubro, começo de novembro”, acrescentou o tenente, enfatizando que, este ano, a seca na região se antecipou e está mais severa.

Apesar de eventuais transtornos, sobretudo para as embarcações de maior calado, a baixa dos rios da região ainda não provocou nenhum incidente. Responsável por, entre outras coisas, zelar pela segurança do tráfego aquaviário em rios do Mato Grosso e do Mato Grosso do Sul, o Comando do 6º Distrito Naval informou que, até o momento, não tem registro de nenhum acidente associado ao baixo nível d´água nos rios que cortam os dois estados.

Em boletim de monitoramento divulgado no último dia 03, a Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais também aponta a “tendência geral de avanço da vazante do Rio Paraguai”. Segundo os técnicos da companhia, vinculada ao Ministério de Minas e Energia, já no fim de julho, todas as 21 estações de monitoramento fluviométrico existentes na Bacia do Rio Paraguai indicavam que os níveis d'água encontravam-se abaixo do normal para o mesmo período do ano.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Dia do Professor
Façanha destaca papel do professor no período pós-pandemia
Corumbá
Foragido é preso em ronda no bairro Generoso
Corumbá
Dupla é presa com 20 quilos de maconha
Evento
IFMS realizará Festival de Arte e Cultura 2021 de forma virtual
Reforço
Saúde de Corumbá e Ladário recebem mais de 500 equipamentos doados pela Vale
Porto Murtinho
Mulher é multada em mais de R$ 20 mil por exploração ilegal de madeira
Agenda
Povo das Águas atende ribeirinhos da região do Taquari a partir de 24 de outubro
Atualização Vacinal
13 unidades de saúde participam do Dia D de Multivacinação neste sábado em Corumbá
Corumbá
Vereador busca recursos para atender necessidades do Conselho Municipal Antidrogas
Monitoramento
Defesa Civil alerta para chance de novos temporais

Mais Lidas

Agenda Cultural
Marcynho Sensação se apresenta no estádio Arthur Marinho nesta sexta, dia 15
Destaque
Presídio feminino de Corumbá está na lista dos 30 melhor avaliados do país
Associação Criminosa
Segunda fase da operação Dark Card prende ex-funcionário público e empresário
Tempo
Chuvas retornam com chance de grandes acumulados para região sul do Estado