Menu
sábado, 08 de maio de 2021
Governo - O Estado que cresce - Maio
Andorinha - Maio
Geral

Sem acordo, ficou para Justiça decidir sobre superlotação em presídios de MS

01 julho 2016 - 09h44Gesiane Medeiros

A solução para a situação de superlotação nos presídios de MS ficou para ser decidida pela Justiça, já que a audiência de conciliação entre a Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen), a Defensoria Pública e o Ministério Público de Mato Grosso do Sul (MP-MS), ontem (30), encerrou sem acordo algum.

Segundo o site G1, somente em Campo Grande, onde deveria ter aproximadamente três mil presos, possui o dobro, e na penitenciaria de segurança máxima, onde deveria ter apenas 642 detentos, possui quatro vezes além. Os preços sobrevivem disputando centímetros em celas superlotadas com condições subumanas.

“Nós sabemos que, de dentro dos presídios, infelizmente, crimes são cometidos, comandam crimes cometidos aqui fora, toda a segurança pública é colocada em risco, porque o estado não consegue dar conta de custodiar efetivamente uma população tão grande com efetivo de servidores tão pequeno”, afirmou a promotora de Justiça Jiskia Sandri Trentin.

A situação do sistema prisional da Capital não é diferente das cadeias do interior, porém a Defensoria Pública achou por bem intervir na segurança da Capital, onde já foi cenário de grandes rebeliões recentemente. A Agepen responde a uma ação movida pela Defensoria com o objetivo de acabar com a superlotação na Máxima. Uma das propostas foi só liberar a entrada de novos presos depois que dois detentos fossem soltos.

“O estado não tem como fazer um compromisso para conciliação, para término da ação, sem que a União seja chamada e seja responsabilizada pela gerência do sistema prisional do Mato Grosso do Sul. O estado sozinho não tem condições de arcar com esse compromisso”, destacou o diretor-presidente da Agepen, Airton Stropa.

Sem definição até o momento, os processos seguem e aguardam a decisão do juiz da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande, David de Oliveira Gomes Filho. “Vamos analisar todos os prós e contras da situação que existe, daquela que poderá vir no futuro, para ver o que é possível fazer”, declarou o magistrado.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

GERAL
PM presenteia criança que sonha ser policial militar em seu aniversário
POLICIAL
PM de Corumbá Intensifica Patrulhamento e Fiscalização em Área Rural
GERAL
Em visita ao Governo do Estado Bia Cavassa acompanha projetos para a região pantaneira
SAÚDE
MS recebe neste sábado novo lote de vacinas da Coronavac para aplicação da segunda dose
CORONAVÍRUS
Levantamento mostra que 17% das mortes por covid em MS eram de pacientes sem comorbidade
GERAL
Detentos bolivianos em Corumbá recebem assistência de Consulado
GERAL
Energisa alerta para consumo consciente da energia elétrica em tempos de home office e aulas on-line
Com mudança na bandeira tarifária, consumidores precisam adotar práticas sustentáveis para evitar desperdício e fazer o uso consciente da energia
EDUCAÇÃO
Reforma e adequação da escola Pedro Paulo de Medeiros começa nesta segunda
POLICIAL
PMA e Bombeiros resgatam anta com mais de 200 kg de piscina em clube
ESPORTE
Vereadores sugerem construção de pista de Mountain Bike em área no Dom Bosco

Mais Lidas

GERAL
Detentos bolivianos em Corumbá recebem assistência de Consulado
GERAL
Em visita ao Governo do Estado Bia Cavassa acompanha projetos para a região pantaneira
INCÊNDIO
Carro pega fogo no bairro Vila Guarani
POLICIAL
Homem é preso por violência doméstica no bairro Vila Guarani