Menu
sexta, 07 de maio de 2021
Governo - O Estado que cresce - Maio
Geral

Secretário se defende, apresenta nota fiscal e diz que vai processar a JBS

23 maio 2017 - 09h12Campo Grande News

Citado na delação premiada da JBS para a Operação Lava Jato, o secretário de Fazenda de Mato Grosso do Sul, Márcio Monteiro (PSDB), se defende e diz que vai processar os delatores por danos morais.

O deputado federal licenciado e pecuarista é apontado como uma das pessoas físicas que supostamente emitiram notas frias para “maquiar” pagamentos de propinas.

“Não tenho nada a ver com as alegações dessa delação. A prova da legalidade da venda de gado que fiz ao grupo JBS sãos as notas por mim emitidas junto com as GTAs (Guias de Trânsito Animal) e a Nota Fiscal de Entrada emitida pelo próprio frigorífico do grupo”, disse Monteiro, por meio da assessoria de imprensa, na tarde desta segunda-feira (22).

O secretário informou que “já determinou a advogados apuração e ajuizamento de ação contra o grupo JBS por danos morais”.

Monteiro diz ter reunido as sete notas fiscais emitidas por ele sobre a venda de 140 cabeças de gado ao frigorífico do grupo JBS na Capital.

Em cada uma das sete notas fiscais está anexada a respectiva e-GTA (Guia Eletrônica de Trânsito Animal) emitida pela Iagro (Agencia Estadual de Defesa Animal e Vegetal), referentes às reses embarcadas na Fazenda Imbirussu, em Jardim – a 223 km de Campo Grande. Ainda por meio da assessoria, ele detalhou que foram sete caminhões com 20 cabeças de gado cada.

O secretário destaca que a nota de entrada do carregamento na unidade frigorífica da JBS da avenida Duque de Caxias, em Campo Grande comprovam, segundo o pecuarista, que a documentação anterior não é falsa. Trata-se, na verdade, de uma “operação comercial absolutamente normal e dentro da legalidade”

De acordo com a nota emitida pela JBS, as 140 cabeças de gado vendidas ao frigorífico por Monteiro resultaram em 35,7 toneladas de carne “destinada à industrialização”, operação pela qual o frigorífico pagou R$ 333.223,80, exatamente o valor da nota anexada na delação como sendo fria.

Nesta tarde, Monteiro enviou a nota à imprensa e segundo ele, esta é a prova de que a comercialização aconteceu de verdade.

“Estou extremamente indignado. Como secretário nunca mantive qualquer relação com empresários desse grupo, apenas essa relação comercial com o frigorífico, uma venda esporádica absolutamente dentro da legalidade e com recolhimento de imposto. Recolhi R$ 1.571,00 ao Fundersul [Fundo Estadual de Desenvolvimento do Sistema Rodoviário de Mato Grosso do Sul] e toda operação está contabilizada. Gado declarado, baixa das cabeças comercializadas na contabilidade e recebimento da venda na minha Declaração de Imposto de Renda”, enfatizou o secretário.


Deixe seu Comentário

Leia Também

GERAL
MS recebe 50,5 mil doses da Astrazeneca do Ministério da Saúde
GERAL
PMA de Corumbá recebe doação de viatura da Vale para uso na fiscalização no Pantanal
SAÚDE
Prefeitura leva atendimento médico de rotina para o Porto Esperança
POLICIAL
Jovem é preso com 483 unidades de maconha no Cristo Redentor
POLICIAL
PMA apreende mais três tigres d'água em chácara
COVID-19
Vereador reforça necessidade de imunizar trabalhadores do CAC contra a Covid
ECONOMIA
Trabalhadores nascidos em maio podem sacar auxílio emergencial
POLICIAL
PRF apreende mais de 1,5 tonelada de maconha em MS
CIDADE
Vereador solicita informações sobre estágio de projeto de reforma do antigo mercadão
SEMANA NACIONAL DAS COMUNICAÇÕES
Wi-Fi Brasil leva internet a mais de 13 mil pontos remotos do país

Mais Lidas

POLICIAL
Jovem é preso com 483 unidades de maconha no Cristo Redentor
OPERAÇÃO PF
PF deflagra Operação Grão Branco de combate ao tráfico internacional de drogas
TRÁFICO DE DROGAS
PRF apreende 494 Kg de maconha e 7 Kg de skunk na BR-262
GERAL
PMA de Corumbá recebe doação de viatura da Vale para uso na fiscalização no Pantanal