Menu
domingo, 26 de setembro de 2021
Expresso Mato Grosso - Junho
Geral

Risco de tempestades continua alto em Mato Grosso do Sul

14 janeiro 2021 - 11h52Da Redação

A quarta-feira, 13 de Janeiro de 2021, será lembrada por fortes temporais no estado de Mato Grosso do Sul. No começo da madrugada, nuvens muito carregadas cobriram a fronteira com a Bolívia provocando um verdadeiro dilúvio sobre a região de Corumbá . Em apenas 3 horas o Cemaden - Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais - registrou cerca de 152 mm de chuva. O acumulado de 24 horas, entre aproximadamente 15h20 do dia 12 e 15h20 do dia 13 de janeiro, hora local, já chegava a 187,6 mm, valor que supera a média Clima tológica de chuva para Corumbá em janeiro, que é de 155 mm.

Enquanto as áreas de instabilidade na região de Corumbá se dissipavam, outros aglomerados de nuvens muito carregadas cresciam na região central, no sul e norte de Mato Grosso do Sul provocando temporais em outras áreas do estado, inclusive na região da capital, Campo Grande .

Ainda segundo o Cemaden, no período de 6 horas entre 10h10 e 16h10 desta quarta-feira, 13,hora local, a região de Ponta Porã acumulou 49,6 mm

Em Campo Grande, o Instituto Nacional de Meteorologia registrou 41,4 mm em 1 hora, entre meio-dia e 13 horas, horário local. O acumulado de 6 horas chegava a 70mm. A média normal de chuva para o mês de janeiro na região de Campo Grande fica em torno de 225mm.

O total de chuva acumulado entre 1 de janeiro até 16 horas de 13/1/2021, hora local, foi de 200,2 mm, que está muito próximo da média de chuva para o mês de janeiro, que é de 225 mm.

O aumento da chuva sobre o estado de Mato Grosso do Sul nesta quarta-feira foi associado com uma frente fria que atingiu altura do litoral do Paraná e de São Paulo . Além disso, o estado vem recebendo muito ar quente e úmido vindo da Região Norte do Brasil. Outro fato que colaborou para o desenvolvimento das nuvens de temporal foi a presença de uma área de baixa pressão atmosférica organizada entre Mato Grosso do Sul e Goiás reforçando as condições para desenvolvimento de áreas de instabilidade nesses dois estados.

Durante esta quinta-feira, do 14 de janeiro, a frente fria estará se afastando do litoral paulista, mas o fluxo de ar e úmido sobre o Mato Grosso do Sul e a baixa pressão atmosférica serão observadas ainda. Tudo isto vai ajudar a manter as condições para formação de nuvens muito carregadas sobre Mato Grosso do Sul.

Por isso, essa quinta-feira ainda é um dia de alerta em Mato Grosso do Sul para temporais em quase todas as regiões do estado, incluindo a região de Campo Grande. As tempestades podem acontecer novamente não só em Campo Grande mas em todo o centro-oeste norte de Mato Grosso do, incluindo áreas como Paranaíba, Três Lagoas, Coxim e também Corumbá

O tempo vai continuar muito instável em Mato Grosso do Sul pelo menos até o próximo domingo. Até lá, mesmo com previsão de alguns períodos com sol, o risco de novas tempestades é alto para todas as regiões do estado.

Sobre a Climatempo

Com solidez de 30 anos de mercado e fornecendo assessoria meteorológica de qualidade para os principais segmentos, a Climatempo é sinônimo de inovação. Foi a primeira empresa privada a oferecer análises customizadas para diversos setores do mercado, boletins informativos para meios de comunicação, canal 24 horas nas principais operadoras de TV por assinatura e posicionamento digital consolidado com website e aplicativos, que juntos somam 20 milhões de usuários mensais.

Em 2015, passou a investir ainda mais em tecnologia e inovação com a instalação do LABS Climatempo no Parque Tecnológico de São José dos Campos (SP). O LABS atua na pesquisa e no desenvolvimento de soluções para tempo severo, energias renováveis (eólica e solar), hidrologia, comercialização e geração de energia, navegação interior, oceanografia e cidades inteligentes. Principal empresa de consultoria meteorológica do país, em 2019 a Climatempo uniu forças com a norueguesa StormGeo, líder global em inteligência meteorológica e soluções para suporte à decisão.

A fusão estratégica dá à Climatempo acesso a novos produtos e sistemas que irão fortalecer ainda mais suas competências e alcance, incluindo soluções focadas nos setores de serviços de energia renovável. O Grupo segue presidido pelo meteorologista Carlos Magno que, com mais de 35 anos de carreira, foi um dos primeiros comunicadores da profissão no país.

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Denúncia
Homem morre e família acusa médica da UPA de negligência
Palestras
3ª edição da Semana da Saúde do Sesc tem foco nos reflexos da pandemia
SCT 2021
IFMS abre inscrições para Semana de Ciência e Tecnologia
Javaporco
PMA flagra criação ilegal de javalis em propriedade de Dourados
Alerta
De agendamentos a esquemas de 'pirâmides', entenda os maiores golpes do Pix em MS
Retomada
Fundtur recebe inscrições no Programa "Incentiva+MS Turismo" até 5 de outubro
Bonito
Mulher é multada em R$ 5 mil por desmatamento ilegal em área protegida
Imunização
Veja quem pode se vacinar neste fim de semana em Corumbá
Balanço
Mais de 50% das drogas apreendidas na Operação Fronteiras e Divisas I são de MS
Economia
Comércio deve facilitar pagamento e ser cauteloso para o Dia das Crianças

Mais Lidas

Denúncia
Homem morre e família acusa médica da UPA de negligência
Imunização
Veja quem pode se vacinar neste fim de semana em Corumbá
Desenvolvimento
Comissão mista homologa consórcio que vai construir ponte da Rota Bioceânica em MS
Bonito
Mulher é multada em R$ 5 mil por desmatamento ilegal em área protegida