Menu
quarta, 20 de janeiro de 2021
Andorinha Janeiro/Fevereiro
Andorinha Janeiro/Fevereiro Mobile
Geral

Prova para ingresso em mestrado profissional oferecido pelo IFMS será aplicada no domingo

04 maio 2019 - 06h46Assessoria de comunicação

Exame Nacional de Acesso ao Mestrado em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT) será realizado em Campo Grande. São ofertadas 24 vagas.

Será aplicado no domingo, 5, o Exame Nacional de Acesso ao Mestrado em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT), oferecido pelo Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS) em Campo Grande.

A prova será realizada a partir das 13 horas (horário de Mato Grosso do Sul), no Complexo Multiuso da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), localizada na Rua UFMS, 715, Vila Olinda, na capital. O acesso ao local deverá ser feito a partir das 12h e os portões serão fechados às 12h45.

Os inscritos devem acessar o sistema de inscrições e, na área do candidato, imprimir o cartão com as informações sobre o ensalamento e levá-lo para a prova.

O Exame consiste em uma prova objetiva com 50 questões de múltipla escolha.

O conteúdo bibliográfico versa sobre as bases conceituais e históricas da educação profissional e tecnológica, sobre metodologias de pesquisa e sobre teorias e práticas de ensino e aprendizagem.

A lista final de inscritos no Exame está disponível no site do ProfEPT.

Dúvidas sobre o processo seletivo podem ser encaminhadas para o e-mail [email protected]

Vagas - Para Mato Grosso do Sul, foram abertas 24 vagas, das quais metade é para servidores da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. Os outros 50% se destinam ao público externo.

O mestrado profissional é ofertado no formato “em rede” pelo Campus Campo Grande do IFMS e por outras 40 instituições da Rede Federal.

O início das aulas está previsto para o segundo semestre deste ano. Os encontros ocorrerão sempre às segundas-feiras, no período da manhã, tarde e noite, caso seja necessário.

Mestrado - Tem como objetivo proporcionar formação em educação profissional e tecnológica para a produção de conhecimento e desenvolvimento de produtos, por meio da realização de pesquisas que integrem os saberes inerentes ao mundo do trabalho e ao conhecimento sistematizado.

As linhas de pesquisa do mestrado são: "Práticas educativas em educação profissional e tecnológica" e "Gestão e organização do espaço pedagógico em educação profissional e tecnológica". A descrição e abrangência de cada uma podem ser consultadas na Página do ProfEPT.

A entrega e a defesa pública de um produto educacional em Educação Profissional e Tecnológica, conforme definição da área de Ensino da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), é item obrigatório para a conclusão do mestrado.

Mais informações podem ser obtidas na página do Mestrado Profissional do Campus Campo Grande

Deixe seu Comentário

Leia Também

TEMPO
Temperaturas sobem um pouco, mas instabilidades se mantém nesta quarta-feira
GERAL
Justiça do Trabalho leva sinal de internet para guatós que vivem isolados no Pantanal
SAÚDE
Vacinação contra a covid-19 já teve início em quase todo o país
CLIMA
Chuva forte e volumosa e temporais em SC, no PR, em MS e em SP
CULTURA
Sesc Corumbá abre inscrições para cursos de música, dança e pintura à distância
POLICIAL
Empresário de MS é preso durante Operação da Polícia Civil contra crime organizado
SAÚDE
Servidora há 30 anos, Vitória aplicou primeiras doses da vacina contra COVID-19 em Corumbá
COVID-19
MS ultrapassa a marca de 2,7 mil mortes e 152 mil casos confirmados de coronavírus
PRIMEIROS IMUNIZADOS
Corumbá e Ladário já tem os primeiros imunizados contra a Covid-19
GERAL
Casa tem princípio de incêndio após vela de altar derreter

Mais Lidas

POLICIAL
Empresário de MS é preso durante Operação da Polícia Civil contra crime organizado
SAÚDE
Servidora há 30 anos, Vitória aplicou primeiras doses da vacina contra COVID-19 em Corumbá
PRIMEIROS IMUNIZADOS
Corumbá e Ladário já tem os primeiros imunizados contra a Covid-19
GERAL
Justiça do Trabalho leva sinal de internet para guatós que vivem isolados no Pantanal