Menu
quinta, 05 de agosto de 2021
Expresso Mato Grosso - Junho
Expresso Mato Grosso - Maio
Geral

Projeto proíbe distribuição ou venda de sacolas plásticas em Corumbá

20 agosto 2019 - 11h43Câmara de Corumbá

Está em tramitação na Câmara Municipal, um Projeto de Lei que dispõe sobre a proibição da distribuição ou venda de sacolas plásticas na cidade. A proposta é do vereador André da Farmácia e disciplina também a distribuição e venda de sacolas tipo biodegradável ou biocompostável, a consumidores em todos os tipos de estabelecimentos comerciais de Corumbá.

O Projeto de Lei foi apresentado durante sessão ordinária do Poder Legislativo e prevê que os estabelecimentos comerciais da cidade devem estimular o uso de sacolas reutilizáveis, assim consideradas aquelas confeccionadas com materiais resistentes, e que suportem acondicionamento e transporte de produtos e mercadorias em geral.

André informou que a proposição “é uma forma de contribuir para a proteção do meio ambiente no nosso município, por meio da proibição da distribuição e venda de sacolas plásticas por estabelecimentos comerciais, bem como estimular a população de Corumbá ao hábito de utilizar sacolas retornáveis, bolsas, mochilas ou qualquer outro meio de transporte de suas compras, reduzindo assim a geração de resíduos de fontes plásticas”.

Lembra que no Brasil, cerca de um bilhão de sacolas são distribuídas nos supermercados mensalmente, o que dá em média 66 sacolas por brasileiro ao mês. As sacolinhas têm alto custo ambiental já que são produzidas a partir de petróleo ou gás natural (recursos naturais não-renováveis). Depois de usadas costumam ser descartadas de maneira incorreta e levam cerca de 450 anos para se decompor, aumentando a poluição, entupindo bueiros e impedindo o escoamento das águas das chuvas, ou vão parar em matas, rios e oceanos, onde acabam engolidas por animais que morrem sufocados ou presos nelas.

O Projeto de Lei, se aprovado, vai permitir a distribuição ou a venda de sacolas do tipo biodegradável ou biocompostável, aquelas não oriundas de polímeros sintéticos fabricados à base de petróleo, elaborados a partir de matérias orgânicas como fibras naturais celulósicas, amidos de milho e mandioca, bagaço de cana, óleo de mamona, cana-de-açúcar, beterraba, ácido lático, milho e proteína de soja e outras fibras e materiais orgânicos.

A proibição, no entanto, não se aplica às embalagens originais das mercadorias; às embalagens de produtos alimentícios vendidos a granel, e às embalagens de produtos alimentícios que vertam água. A proposta, após aprovação, deverá ser implementada no prazo máximo de doze meses.

Deixe seu Comentário

Leia Também

9 de agosto
Evento virtual do IFMS abordará o Dia dos Povos Indígenas
3ª edição
Neste sábado tem Feira Segura com produtores de assentamentos
Incentivo
Pista de skate do Poli pode ganhar reforma após destaque do esporte nas Olímpiadas
Legislativo
Recuperação asfáltica e fornecimento de água no São Gabriel são pautas na Câmara Municipal
Volta às Aulas
Legislativo investiga qualidade da merenda nas escolas do município
Vacinação
Butantan recebe matéria-prima para 8 milhões de doses de vacina
Força Tarefa
Detran-MS abre mais de 200 vagas para exames teóricos em Corumbá
Dia Nacional da Saúde
Estado apresenta balanço positivo nos investimentos em hospitais e combate à pandemia
Na madrugada
Rapaz não resiste a facadas e morre no Pronto Socorro
Na Capital
Foragido é recapturado com drogas, arma e munições

Mais Lidas

Como fica?
Universidades de MS devem manter aulas presenciais suspensas até o fim do ano
De volta!
Câmara de Corumbá adota medidas mais flexíveis e retoma atendimento presencial
Arte Popular
Jardim do Artesanato expõe e comercializa trabalhos de artesões da cidade
Fiscalização
Vereador solicita inclusão de Corumbá na CPI da Energisa na Assembleia