Menu
segunda, 18 de janeiro de 2021
Andorinha - campanha dezembro
Andorinha - Dezembro
Geral

Projeto de habitação devolve dignidade para população indígena da aldeia urbana Água Bonita

03 abril 2019 - 08h37Portal do Governo de Mato Grosso do Sul

Uma das maiores lutas da população indígena na atualidade é a busca pela terra, por um lugar para criar seus descendentes, cultuar seus antepassados e manter suas tradições. Foi neste objetivo que a Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos (Agesul) buscou parceria com a União e conseguiu emplacar o Programa Nacional de Habitação Rural (PNHR) para atender os indígenas da aldeia urbana Água Bonita, em Campo Grande, e devolver a dignidade para mais de 600 pessoas.

Serão 79 casas construídas por meio da colaboração entre União, Estado e município com a participação direta dos beneficiados na realização deste projeto. Muito além de tijolo e cimento, a parceria ainda garantiu a formação profissional dessa população. Cursos na área da construção civil foram oferecidos pela Fundação Social do Trabalho de Campo Grande (Funsat) para que, além do teto, as famílias também tenham a força do trabalho.

“A união entre os Governo federal, estadual e município está devolvendo para essas famílias a dignidade que todo cidadão busca. Uma casa e trabalho”, disse a coordenadora Neuza Alves Francisco.

O projeto iniciou em setembro do ano passado com a formação técnica de 50 índios, por meio Proinc (Programa de Inclusão Profissional). Os cursos de eletricista; encanador; pedreiro; pintor; servente e carpinteiro foram ministrados por sete instrutores durante dois meses.  Após o treinamento, as obras foram iniciadas em novembro de 2018 e hoje já é possível vislumbrar o que será daqui há um ano, prazo que devem ser concluídas as três fases do planejamento.

O pedreiro Silvio Francisco está literalmente construindo o sonho da família. Ele, esposa, filha e genro residem no local há quatro anos. Vindo do município de Miranda em busca de oportunidade na Capital, o indígena está feliz em poder realizar a tarefa. A casa que a família vai viver deixará para trás anos difíceis onde compartilharam um pequeno espaço erguido com paredes de madeirite. “Estamos felizes e ansiosos com a casa. Será muito bom para nós”, disse a filha do pedreiro, Gleice Francisco, contemplada no projeto. 

 “Alguns requesitos foram estabelecidos para a seleção dessas pessoas, primamos pela escolha de quem, além da força de trabalho, também estava a mais tempo sem trabalho”, explicou Agareno Alves, coordenador da Funsat.

Os critérios estabelecidos para a participação dos indígenas teve a devolução da cidadania como base. Somente pessoas que estavam há seis meses ou mais sem carteira assinada puderam ser escolhidas. Os trabalhadores recebem um salário mínimo mais cesta básica e ainda saem com dois certificados de formação profissional na área da construção civil.

Rompendo barreiras

A Agesul foi fundamental na construção do projeto de moradia urbana para índios. Segundo o  engenheiro responsável, Gilberto Maroso, o programa da União com recursos da Caixa Econômica Federal tem objetivo de atender residências em áreas rurais, mas por se tratar da população indígena e que vivem em área mais afastada, a direção da agência saiu vitoriosa. “É edificante a gente acompanhar o trabalho que estamos desenvolvendo aqui. Pessoas saindo da situação de pobreza para uma residência de verdade”, ponderou.

As casas de 42 metros quadrados têm cinco cômodos, sendo dois quartos, sala, cozinha e banheiro.

Tecnologia de inovação também está sendo usada na edificação. “Na parte elétrica estamos usando sistema de aterro que há pouco tempo vem sendo empregado na construção civil, isso dá mais segurança para quem vive no local”, explicou o engenheiro auxiliar Marcos Paulo.

A obra também contempla um sistema inovador de saneamento. Estão sendo construídas fossas sépticas com filtro anaeróbio. O complexo separa o líquido do sólido e devolve a água limpa sem risco de contaminação do lençol freático.

São mais de R$ 2,6 milhões de investimentos, recursos do Governo Federal e Estado de Mato Grosso do Sul. Cada moradia tem o valor de R$ 33,5 mil  e deve abrigar famílias das etnias Kinikinau, Guató, Kadiwéu, Terena e Guarani.

Deixe seu Comentário

Leia Também

GERAL
PF de MS recebe 23 viaturas e recebe 29 novos policiais federais
GERAL
Concursos da PM e CBM possuem novos cronogramas de atividades
COVID-19
MS registra quase 151 mil casos confirmados de coronavírus e 2,7 mil óbitos pela doença
VACINA COVID-19
Vacinas chegam em MS nesta segunda e campanha deve ter início às 16 horas
POLICIAL
Policiais detém dois homens após briga no bairro Aeroporto
EDUCAÇÃO
REME abre Pré-Matrícula Digital para alunos novos; veja calendário
ECONOMIA
Auxílio emergencial: Caixa libera saque para nascidos em agosto
GERAL
Bombeiros atendem solicitação de suposto desaparecimentos de pessoas em fazenda
GERAL
Bombeiros resgatam vaca que caiu em poço artesiano de 8 metros no Assentamento Taquaral
COLISÃO
Batida de carro e moto no Popular Nova deixa motociclista com ferimento graves

Mais Lidas

ENEM
Confira as medidas de segurança durante a prova do Enem