Menu
sábado, 25 de setembro de 2021
Expresso Mato Grosso - Junho
Geral

Primeiro caso de Fungo Negro em MS é confirmado na Capital

03 agosto 2021 - 09h56Sylma Lima

A doença foi comprovada em um paciente de 71 anos, morador de Campo Grande, que morreu de Covid-19 no dia 2 de junho. Este é o primeiro caso de mucormicose, também conhecido como Fungo Negro, em Mato Grosso do Sul, confirmado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES), nesta segunda-feira, 2 de agosto. 

A investigação começou no dia 28 de maio, com a doença atingindo o olho esquerdo do idoso. Mas o Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (CIEVS) só foi notificado quanto à doença no dia 31 de maio, três dias após. O idoso tinha comorbidades como diabetes, hipertensão e histórico de síndrome respiratória aguda grave. Ele havia completado a imunização contra a Covid no dia 23 de abril. 

Segundo o site Correio do Estado, sem esclarecer gênero ou período, um paciente de 50 anos em Corumbá, aguarda pelo diagnóstivo. O Capital do Pantanal entrou em contato com a secretaria de saúde do munícipio e recebeu a informação de que o único caso que tiveram conhecimento foi há cinco meses quando um paciente de Covid apresentou sintomas, o material foi enviado para análise no Laboratório da Capital, mas o resultado não chegou. Atualmente, a informação que se tem é que o paciente recebeu alta da Covid e está bem. A secretaria de Saúde do Estado confirmou que a amostra continua em análise e que a demora no resultado é normal. 

A mucormicose é contraída através da respiração dos esporos fúngicos que ficam no ar. O fungo infecta mais facilmente pessoas que têm comorbidades ou utilizam medicamentos que diminuem a capacidade do corpo de combater algumas doenças. 

De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde, os sintomas se iniciam com dor orbital unilateral ou facial súbita, podendo conter obstrução nasal e secreção nasal necrótica.   

Existe a possibilidade de ocorrer lesão lítica escura na mucosa nasal ou dorso do nariz, celulite orbitária e facial, febre, ptose palpebral, amaurose, oftalmoplegia, anestesia de córnea, evoluindo em coma e óbito. 

No tratamento da doença, a cirurgia é necessária para remover os tecidos mortos e infectados. Em alguns pacientes, o fungo pode resultar em perda da mandíbula superior ou até mesmo do olho.   

A cura também pode envolver de 4 a 6 semanas de terapia antifúngica intravenosa, com equipe de microbiologistas, especialistas em medicina interna, neurologistas intensivistas, oftalmologistas, dentistas e cirurgiões. 

Com informações do Correio do Estado

Deixe seu Comentário

Leia Também

Denúncia
Homem morre e família acusa médica da UPA de negligência
Palestras
3ª edição da Semana da Saúde do Sesc tem foco nos reflexos da pandemia
SCT 2021
IFMS abre inscrições para Semana de Ciência e Tecnologia
Javaporco
PMA flagra criação ilegal de javalis em propriedade de Dourados
Alerta
De agendamentos a esquemas de 'pirâmides', entenda os maiores golpes do Pix em MS
Retomada
Fundtur recebe inscrições no Programa "Incentiva+MS Turismo" até 5 de outubro
Bonito
Mulher é multada em R$ 5 mil por desmatamento ilegal em área protegida
Imunização
Veja quem pode se vacinar neste fim de semana em Corumbá
Balanço
Mais de 50% das drogas apreendidas na Operação Fronteiras e Divisas I são de MS
Economia
Comércio deve facilitar pagamento e ser cauteloso para o Dia das Crianças

Mais Lidas

Bairro Vila Mamona
Funcionários de construção amarram autor de furto e acionam PM
Capital
Presos usam celulares até em banho de sol na Máxima
Flagrante
Dupla é presa por tráfico de drogas na área central de Corumbá
Estava Foragida
Boliviana investigada por desastre da Chapecoense é mantida em Corumbá até extradição