Menu
domingo, 13 de junho de 2021
Andorinha - Maio
Andorinha - Maio
Geral

Prevenção: Manejo Integrado do Fogo será implantado pela primeira vez no Pantanal

10 junho 2021 - 09h44Da Redação

Após os incêndios de 2020, que queimaram 4,350 milhões de hectares do Pantanal (30%), pela primeira vez, o Manejo Integrado do Fogo (MIF) como  forma de prevenção será implantado no bioma . O uso do fogo como aliado já é utilizado em todos os outros biomas existentes no Brasil e em unidades de conservação dos Estados Unidos, África e Austrália. Em Mato Grosso o projeto piloto acontece na Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN Sesc Pantanal) e, em Mato Grosso do Sul, no município de Corumbá e na Terra Indígena Kadiwéu.

O MIF reúne um conjunto de técnicas que trabalha com três pilares essenciais: a ecologia do fogo (os principais atributos ecológicos do fogo); a cultura do fogo (necessidades e impactos socioeconômicos) e o manejo do fogo (prevenção, supressão e uso do fogo). Com isso, busca-se compatibilizar as necessidades sociais, as tradições culturais e características ecossistêmicas para a conservação da natureza.

Entre as técnicas que compõe o MIF está a queima prescrita, realizada ao fim do período chuvoso e início do período da seca. Essa ação simula uma queima natural com que as áreas de savana normalmente estão habituadas, e tem como um dos objetivos eliminar a vegetação seca para melhorar as condições de controle dos incêndios na estação seca.

A técnica será aplicada em três áreas do Pantanal, escolhidas considerando a prevalência da flora nativa e os diferentes níveis de inundação: Corumbá (MS) onde alaga muito, RPPN Sesc Pantanal (MT) com inundação intermediária e Terra Indígena Kadiwéu (MS) que não alaga. Em Mato Grosso, nesta primeira etapa de reconhecimento e definição das áreas na RPPN Sesc Pantanal, unidade do Polo Socioambiental Sesc Pantanal, que é a maior do país com 108 mil hectares, participaram ICMBio, Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso, UFMT, Mupan/GEF Terrestre e Sesc Pantanal.

Para a gerente de Pesquisa e Meio Ambiente do Polo Socioambiental Sesc Pantanal, Cristina Cuiabália, a aplicação do MIF representa um importante passo que se une e fortalece o trabalho de prevenção da brigada de incêndio do Sesc Pantanal, existente há mais de 20 anos, responsável pelos aceiros, monitoramento terrestre e aéreo e campanhas de conscientização com a população ribeirinha.

“Após os incêndios de 2020, o polo Socioambiental Sesc Pantanal criou o Comitê Interno de Prevenção e Combate a Incêndios e, agora, faz parte desse projeto piloto. Nossas ações estão cada vez mais consolidadas e robustas para este trabalho de prevenção e combate ao fogo. A RPPN reúne o mosaico de paisagens do Pantanal, por isso conhecer melhor essa técnica ajudará a estabelecer os protocolos para sua utilização em todo bioma”, destaca Cuiabália, lembrando que a instituição também faz parte do Centro Integrado Multiagências de Coordenação Operacional Nacional (Ciman) e do Comitê Estadual de Gestão do Fogo.

De acordo com o biólogo e analista ambiental do ICMBio, Christian Berlinck, foram escolhidas 12 parcelas para o experimento com queima prevista em três momentos: julho (período que antecede a seca), setembro (período da seca) e novembro (início da cheia). São, portanto, três áreas com quatro parcelas cada. Das quatro parcelas, três serão queimadas nos meses indicados e uma não, para comparativo. 

“O objeto do trabalho são áreas abertas e nativas, como campina e cambarazal, que estão associadas evolutivamente, culturalmente ou historicamente à presença natural do fogo. O projeto piloto será realizado nelas e o objetivo é proteger as florestas que são sensíveis ao fogo. Queima-se, portanto, uma área para proteger outra. Com essa fragmentação, controle do incêndio é facilitado. Este é um trabalho inédito no Pantanal brasileiro e permitirá pensar qual a melhor estratégia de prevenção para os grandes incêndios neste bioma”, explica Berlinck.

Já o capitão do Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Mato Grosso, Leandro Alves conta que, além da escolha das parcelas do experimento, a instituição também colaborou na elaboração do plano operacional de contingência. “Iremos garantir a máxima segurança no uso do fogo durante o experimento. Para isso, haverá equipes com apoio terrestre e também aéreo. Por ser um experimento inédito, fazer parte desse projeto traz aos Bombeiros novos conhecimentos que irão refinar as ações de prevenção e combate no Pantanal”, declara. 

A implantação do MIF integra o projeto “Rede Pantanal”, do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovaçõe. A técnica é multidisciplinar e envolve 17 instituições: Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação, Ibama/Prevfogo, ICMBio/Centro de Educação Profissional, INPE, Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), Polo Socioambiental Sesc Pantanal, Embrapa Pantanal, Mulheres em Ação no Pantanal, (Mupan)/GEF Terrestre, Smithsonian Institution, UFMG, UFRN, UFRJ, UnB, USP, UERJ e UFRGS.

Pesquisa de restauração da flora e o MIF

A bióloga Cátia Nunes, integrante do Centro de Pesquisas do Pantanal (CPP), do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Áreas Úmidas (INAU) e do grupo Mulheres em Ação no Pantanal (Mupan), estuda a RPPN há duas décadas e participou da escolha das áreas. Segundo ela, que coordena a pesquisa da flora na reserva no pós-incêndio, quando se desenvolve um projeto de restauração de floresta ciliar, como por exemplo a que está sendo desenvolvida na RPPN Sesc Pantanal, em parceria com a Mupan, com recursos do GEF Terrestre (Governo Federal), é preciso se preocupar com a fonte da degradação. “Como no Pantanal a fonte é o fogo, é preciso buscar alternativas para minimizar esse dano causado por esse agressor. Dentro dessa linha, uma das opções mais importantes que temos atualmente é o MIF”, avalia.

RPPN Sesc Pantanal

Em 24 anos de existência, a RPPN Sesc Pantanal, fez parte de mais de 70 pesquisas nacionais e internacionais sobre o Pantanal e conta com uma representativa biodiversidade. Do total de peixes, anfíbios, répteis, aves e mamíferos na Bacia do Alto Paraguai, que totalizam 1.059 espécies, a Reserva detém 630. Isso significa que 60% destas espécies estão presentes na RPPN.

Entre as espécies ameaçadas de extinção, a RPPN possui 12. Além de ser a maior RPPN do país, a reserva do Sesc Pantanal ainda é área Núcleo da Reserva da Biosfera do Pantanal, faz parte da terceira maior Reserva da Biosfera do planeta e é um Sítio Ramsar. Entre os benefícios que a RPPN presta à humanidade estão a purificação das águas, controle das inundações, reposição das águas subterrâneas, controle do fluxo de sedimentos e nutrientes do solo, reservas de biodiversidade e mitigação e adaptação às mudanças climáticas.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLICIAL
Ação Policial entre as Polícias Civis de SP e do MS resultam na apreensão de 107 quilos de droga
TEMPO
Tempo contribui para clima agradável com sol e friozinho no dia dos namorados
TEMPO
Tempo contribui para clima agradável com sol e friozinho no dia dos namorados
CORONAVÍRUS
Detran-MS suspende atendimento presencial em 43 cidades com bandeira cinza
POLICIAL
Homem é preso por violência doméstica no Ceac
POLICIAL
PM prende homem por invasão de domicílio no Popular Nova
GERAL
Presidente da Cassems faz alerta sobre o crescente número de casos de Covid-19 em MS
POLICIAL
Menina de 11 anos com DST diz ter sido estuprada pelo avô
GERAL
Com nova deliberação do Prosseguir, Governo restringe atendimento presencial em alguns setores
CORONAVÍRUS
Saúde atende pedido da Assomasul e prorroga início da reclassificação de risco do Prosseguir

Mais Lidas

POLICIAL
Ação Policial entre as Polícias Civis de SP e do MS resultam na apreensão de 107 quilos de droga
CORONAVÍRUS
Detran-MS suspende atendimento presencial em 43 cidades com bandeira cinza
TEMPO
Tempo contribui para clima agradável com sol e friozinho no dia dos namorados
TEMPO
Tempo contribui para clima agradável com sol e friozinho no dia dos namorados