Menu
sexta, 10 de julho de 2020
Andorinha - Medidas Preventivas Coronavírus
Andorinha - medidas preventivas
Geral

Prefeito de Ladário é denunciado por improbidade e gastar R$ 60 mil em show gospel

21 maio 2020 - 08h07Gesiane Sousa

O prefeito de Ladário, Iranil Soares, sofre uma nova denúncia de improbidade administrativa. A primeira polêmica envolvendo o  nome do chefe do executivo ladarense foi  relacionada ao decreto municipal, que orienta a população a orar por 21 dias e fazer Jejum em combate a Covid-19, apresentada pela OAB/MS nesta quarta-feira (20) ao Ministério Público Estadual. A segunda denúncia, tamabém apresentada ontem, desta vez pelo partido Cidadania, questiona gastos abusivos com o dinheiro público.

Segundo o site Onça Pintada, o prefeito da Pérola do Pantanal gastou R$ 60 mil do dinheiro público para realização de show gospel na cidade durante o fim do ano de 2019.

“Há alguns meses, estamos observando atitudes desse tipo por parte dele. Dezembro foi feito um show gospel como festejo de final de ano que custou um absurdo! Os shows do carnaval não custaram tanto aos cofres públicos. E esse festival foi feito sem licitação, pous pediram dispensa, alegando falta de tempo para licitar. Os valores estão na denúncia”, afirmou Danielle Furlan que faz parte da agremiação partidária. 

O show gospel com a banda Trazendo a Arca custou R$ 60 mil aos cofres públicos e o carnaval com shows e atividades diversas teve o custo de R$ 117 mil. Tudo isso é questionado na denúncia que foi enviada ao Ministério Público Estadual. 

Decreto polêmico

No documento até diz que há liberdade religiosa, mas foi decrtado, por meio de decreto mesmo, que se faça um “cerco espiritual na cidade de Ladário por meio de orações, das 5h até às 06h, onde todo o cristão, dentro de suas casas, façam orações voluntárias a Deus, com o escopo de pedir ajuda a Deus, tanto pelas pessoas que já estão doentes, quanto por aqueles que já estão tomando medidas para não contrair a Covid-19, bem como para afastar esse mal que assola nossa nação”.

O prefeito já afirmou e reafirmou que não vai voltar atrás e a OAB-MS já está buscando uma solução para que haja revogação do decreto que segundo os juristas, é inconstitucional.  A situação  virou notícia nacional e até mesmo a uma sugestão irônica de que “jejum e oração” não fazem parte das orientações da OMS. 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Pandemia
Presídios do Estado têm 27 detentos com coronavírus
Contradição
Médico do HR encabeça pedido para Capital adotar protocolo de profilaxia da Covid-19 mas hospital recusa o kit
Cidadão
Corumbá lança IPTU com vencimento em agosto e descontos de até 30%
Denúncia
Primeiro escalão da prefeitura de Ladário tem salário de Marajá
Ladário
Marido agressor é expulso a pauladas pelo sogro
Judiciário
STF manda juiz atender ocorrência de usuário de drogas
2º dia de buscas
Continuam buscas à vítima de afogamento no Porto São Pedro
Homem era funcionário de embarcação que transporta rebanho bovino pelo Rio Paraguai
Climatologia
Tempo fresco começa a se despedir de Mato Grosso do Sul
Temperaturas devem começar a elevar à partir de sábado (11)
Meteorologia
Sexta-feira nublada com máxima de 29ºC no Estado
Covid-19
Central de agendamento para testes do Covid-19 funciona aos finais de semana

Mais Lidas

Destaque
Médico de Corumbá defende tratamento precoce com Hidroxicloroquina no combate a Covid-19
Operação militar
Exército recebe reforço de Coxim para fiscalizar fronteiras em Corumbá
Covid-19
Corumbá registra 502 casos positivos de COVID-19 nesta quinta
Policial
Homem mata e arranca dedos de dentista para sacar dinheiro no caixa eletrônico