Menu
quinta, 02 de dezembro de 2021
Cassems - Rede Amo
Mobile - Andorinha Dezembro
Geral

Policial federal é inocentado pela justiça e luta para ser reintegrado ao cargo

02 março 2020 - 07h10Sylma Lima

A vida do policial federal, lotado em Corumbá de 2003 a 2007, e responsável pelo maior número de apreensões de drogas na região naquele período,  Paulo Cesar Coelho, virou  de ‘cabeça para baixo’ da noite para o dia, se transformando num ‘pesadelo’, desde um suposto fragrante por “posse de armas de uso restrito”, em sua residência na Capital do Estado, no dia 11 de Junho de 2008.

Na verdade o que consideraram ‘tráfico de armamento’,  tratava-se de duas armas: uma pistola 9mm e um revólver calibre 38 e algumas munições, que faziam parte do acervo da superintendência de policia federal e devidamente acautelados para uso do servidor. Foi aberto um processo administrativo onde o policial foi demitido em 20 de Maio de  2011, sem a menor chance de defesa, entretanto,  paralelo a isso corria um processo na justiça federal que desconsiderou as “provas”, no TRF 3 em São Paulo inocentando-o. Contudo, a decisão final só saiu em 2019 onde o Superior Tribunal de Justiça confirmou a decisão do TRF 3 livrando-o de todas as acusações e anulando todas as provas, inclusive as investigações realizadas pela própria polícia, até diligências foram consideradas ilegais. Finalmente a sentença definitiva: Inocente.

Apesar dos nove anos de luta na justiça e decisões que o inocentam , o pedido de reabertura do processo administrativo também foi negado, “ao que parece a minha absolvição não esta sendo levada em consideração. Um caso claro de injustiça, mas que as partes envolvidas preferem lavar as mãos. Eu perdi meu casamento, casa, e fique sozinho com um filho menor, hoje com 16 anos. Desempregado amarguei um prejuízo moral e financeiro nos últimos nove anos. Tudo que quero é que o Ministro da Justiça determine minha reintegração ao cargo que conquistei por concurso”.

A história passaria em branco, se não fossem as decisões que inocentaram veemente o policial federal. Em um processo ‘Kafkiano’ digno de cinema trágico, onde nove anos após o ocorrido, Paulo Cesar Coelho é  inocentado pela justiça federal, e mesmo assim continua lutando pelo cargo. Nem a sentença transitada em julgado em última instância corrigiu a injustiça. Segundo o policial, agora vai entrar com outras medidas judiciais para garantir o emprego, “acredito que o erro será reparado. Em partes, porque nada paga o sofrimento a que fui exposto”.

Armação

O caso do suposto ‘crime’ está mais que claro que foi forjado por uma autoridade policial que teria cometido suicídio meses após a prisão do federal. O motivo seria um adultério. O site Capital do Pantanal conseguiu cópias do depoimento da ex-mulher do policial, “não queria falar sobre o caso, mas, diante dessa situação vou ter que mostrar coisas que farão máscaras caírem e muita gente inocente sofrer. Coisas que não gostaria de falar pois são muito dolorosas até para mim”. Ele diz que o processo está cheio de falsas provas, contradições e depoimentos fictícios que ensejaram com sua absolvição na justiça.

Desembargadora Federal CECILIA MELLO - TRF 3a REGIÃO
11a Turma
Acórdão 22425/2017

"Chama a atenção nos presentes autos que a atuação policial desenvolve-se de tal maneira capciosa que, não fosse a não consumação do crime diante do flagrante preparado, concluir-se-ia pela nulidade da diligência do flagrante, vez que as inconsistências relatadas, pelos próprios policiais, são insuperáveis quando confrontadas com o testemunho dos autos.

Do confronto das declarações dos policiais federais de Mato Grosso do Sul em relação ao quanto declarado por Renata Marques Nogueira Fraga, a conclusão irremediável é que, inexistindo o flagrante, porquanto sequer a perseguição resta demonstrada à saciedade, foi realizada uma busca domiciliar desacompanhada de autorização judicial.

Trata-se da hipótese de inadmissibilidade das provas obtidas por meios ilícitos, circunstância que, mais do que vulnerar a legalidade de ato, é corolário da sua constitucionalidade.

Na esteira das mitigações referidas, o ingresso forçado dos policiais na residência dos corréus tem características de arbitrariedade.

É de se ter em mente que a versão policial é forte no sentido da ocorrência de uma situação de flagrante real. E esta, uma vez fragilizada pelos testemunhos orais, resta isolada, inexistindo outra evidência ou prova, ainda que modesta, apontada como justificativa para a diligência de ingresso forçado na residência de Paulo Cesar e Erica.

Não restando demonstradas as fundadas razões que levaram os agentes de polícia a ingressarem na residência, trata-se de diligência abusiva e os elementos informativos (provas), ilícitos."

 

CURRÍCULO DE PAULO CÉSAR COELHO

Bacharel em Direito (1998);

Pós-graduado em Inteligência Estratégica (2012);

Cursos e Especializações;

Operações de Inteligência 2010;

Inteligência de Segurança Pública 2012;

Extensão em Análise de Inteligência 2012

Inteligência Competitiva 2012;

Contrainteligência 2014;

Psicologia Forense 2014;

Perícia Judicial 2014;

Função de Chefia ou Serviços Especiais;

Membro da COMISSÃO DE FISCALIZAÇÃO EM EMPRESAS DE PRODUTOS QUÍMICOS, conforme Portaria 478/03-SAG/SR/DPF/MS, de 25 de novembro de 2003, em Corumbá;

Membro da COMISSÃO PARA RECEBIMENTO DE MATERIAL PERMANENTE ADQUIRIDO PARA A DPF/CRA/MS, conforme Portaria publicada em AS 002, de 14 de janeiro de 2005, em Corumbá;

Presidente da COMISSÃO PARA RECEBIMENTO DE MATERIAL PERMANENTE ADQUIRIDO PARA A DPF/CRA/MS, conforme Portaria publicada em AS 002, de 03 de fevereiro de 2006, em Corumbá;

Membro da COMISSÃO DE FISCALIZAÇÃO EM EMPRESAS DE PRODUTOS QUÍMICOS, conforme Portaria 49/06-GAB/SR/DPF/MS, de 17 de fevereiro de 2006, em Corumbá;

Membro da COMISSÃO DE FISCALIZAÇÃO EM EMPRESAS DE PRODUTOS QUÍMICOS, conforme Portaria 261/06-GAB/SR/DPF/MS, de 24 de agosto de 2006, em Corumbá;

CHEFE DO NÚCLEO DE OPERAÇÕES da Delegacia de Policia Federal em Corumbá/MS, de 2003 a 2007;

Presidente da COMISSÃO ESPECIAL DE INVENTARIO, conforme Portaria 155/08- GAB/SR/DPF/MS, de 19 de março de 2008, em Campo Grande.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Crescimento
MS tem 37,9 mil trabalhadores formais a mais que antes da pandemia
Polícia
'Deu Zebra' não chega nem perto de donos do jogo do bicho e policiais se revoltam em Campo Grande
Meio Ambiente
Sanesul é cobrada para eliminar descarte de lodo na região do Porto Geral
Benefício
Nascidos em dezembro têm até o dia 31 para aderir ao saque-aniversário
Infraestrutura
Recuperação de galeria no bairro cervejaria é urgente
Acidente
Motociclista sofre ferimentos em queda acidental
Inédito
Bonito recebe primeiro voo em conexão direta com Congonhas nesta quinta-feira (02)
Habitação
Decreto regulamenta projeto Lote Urbanizado e cria novas regras e prazos
Rio Brilhante
Empresários que tiveram prisão decretada na operação 'Dark Card' estão foragidos
Jovens Empreendedores
Alunos de Escolas Municipais de Porto Murtinho expõem produtos desenvolvidos em sala

Mais Lidas

Alerta
Estudantes de medicina denunciam faculdade boliviana por aulas presenciais com casos de Covid
Desdobramentos
Universidade de medicina na Bolívia responde denúncia e concede exame virtual
Farsa
Bolivianos são presos ao tentavam ir para a Europa com documentos paraguaios
Cidade
Briga de casal termina com marido ferido por faca