Menu
terça, 11 de maio de 2021
Andorinha - Maio
Andorinha - Maio
Geral

Policia Civil começa a investigar vazamento de amônia em frigorífico na Capital

07 abril 2017 - 17h29Sylma Lima

Após vistoria dos policiais militares ambientais de Campo Grande, na tarde desta quinta-feira, 06 e nesta sexta, 07, nas imediações do frigorífico JBS devido ao vazamento de amônia (NH3), a polícia civil (6º DP- Tijuca) da Capital abriu inquérito para apurar as responsabilidades pelo crime, “as oitivas começam na segunda-feira, 10,  onde serão ouvidas, vítimas socorridas pelo SAMU, testemunhas, funcionários, segurança, pessoal da casa de máquinas e todos o que puderem ajudar a entender o caso. Já fizemos a perícia nesta tarde. E vamos apurar as responsabilidades pelo vazamento do produto. Em principio trata-se do crime previsto no artigo 54 da lei de crime ambiental, cuja pena é reclusão de um a quatro anos” , disse o delegado responsável pelo caso Valmir Moura Fé ao Capital do Pantanal.

A partir de agora a parte criminal será apurada pela polícia civil que iniciou o processo com uma fiscalização no frigorífico.

MPT

O Ministério Público do Trabalho em Mato Grosso do Sul (MPT/MS) instaurou inquérito civil para apurar as razões e as consequências do vazamento de amônia na unidade II do frigorífico JBS, na zona rural de Campo Grande, e se houve descumprimento das normas de saúde e segurança do trabalho. O acidente ocorreu na tarde de ontem (6) e, segundo informações preliminares, diversos funcionários foram socorridos e encaminhados a postos de saúde da capital. 

O procurador do Trabalho Celso Henrique Rodrigues Fortes esteve no local na manhã desta sexta-feira (7), acompanhado de perito do MPT, auditores fiscais, equipes da Polícia Militar Ambiental, Polícia Civil e Corpo de Bombeiros. 

Conforme apurado, o vazamento ocorreu na Casa de Máquinas e foi provocado pelo rompimento da carcaça de uma bomba do sistema de congelamento. Os alarmes foram então acionados, resultando na evacuação dos setores de produção. A amônia passou a ser eliminada pelo sistema de exaustão contínua para fora da unidade. Rapidamente, por conta da ventilação no local, o gás se espalhou. “Muitos funcionários correram na direção em que o vento arrastava a amônia. Esse gás, quando inalado, afeta o sistema respiratório e compromete a saúde dos trabalhadores”, observou Celso Fortes. A unidade II do frigorífico JBS emprega cerca de 1,2 mil pessoas.

O Ministério Público do Trabalho aguarda, agora, o envio de relatórios e de laudos técnicos pelos órgãos que compareceram ao local do acidente. Será analisada, por exemplo, a existência de Plano de Resposta a Emergências, previsto na Norma Regulamentadora nº 36, e de Plano de Manutenção de Máquinas e de Equipamentos, estabelecido na Norma Regulamentadora nº 12.

A empresa terá 10 dias úteis para se manifestar sobre o acidente, a contar da notificação, apontando as providências adotadas em relação ao vazamento.

Esse é o segundo inquérito instaurado pelo MPT/MS sobre vazamento de amônia em 2017. Em fevereiro, foi aberto um procedimento depois de problema semelhante no frigorífico Marfrig, em Bataguassu, que motivou a intoxicação de 21 funcionários.      

Inquérito Civil n.° 000328.2017.24.000/1

Multa

A empresa já foi notificada pela Policia Militar Ambiental a sanar o vazamento da amônia e recolher e apresentar o plano de tratamento da água residual utilizada na contensão do gás de amônia (NH3) e a apresentar junto ao 15º Batalhão de Polícia Militar Ambiental, no prazo de 24 horas, relatório de controle de emissões atmosféricas e de todas as medidas de contingenciamento contra danos ambientais e à saúde dos funcionários. Em princípio, aparentemente a empresa tem tomado as medidas adequadas no controle da situação.

Depois de todas as avaliações, a PMA calculará a autuação administrativa (multa) a ser lavrada. O Decreto Federal nº 6.514/2008, que regulamenta a Lei de Crimes Ambientais (9.605/1998) prevê multa de R$ 5.000,00 a R$ 50 Mil.

O auto de infração administrativo (multa inicial) sendo lavrado constitui-se na primeira peça do processo administrativo, que será julgado pelo Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul), depois da ampla defesa da empresa autuada, podendo o órgão julgador acatar majorar, ou minorar o valor da multa.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLICIAL
PRF apreende mais de 7 toneladas de maconha em MS
POLICIAL
PF realiza prisão por tráfico interestadual de drogas e apreende 200 kg de maconha
EDUCAÇÃO
IFMS investe no aprimoramento de atividades não presenciais
MEIO AMBIENTE
Parque Municipal de Piraputangas recebe observação de aves
HOMENAGEM
Câmara homenageia OAB de Corumbá pelo seu 63º aniversário de fundação
CIDADANIA
Abertas as inscrições para a 2ª edição do programa Juventude Empreendedora
GERAL
Após recomendação da Anvisa, Estados e prefeituras mudam vacinação de grávidas
GERAL
CPI da Covid questiona presidente da Anvisa sobre vacinas nesta terça
ECONOMIA
Produtividade cai 2,5% no primeiro trimestre de 2021, aponta pesquisa da CNI
GERAL
Maio da Diversidade LGBT+ terá mais de 100 ações do Governo MS

Mais Lidas

POLICIAL
PM encerra festa clandestina em casa abandonada e prende foragido da justiça
POLICIAL
Homem é preso por infração de medida sanitária e desobediência
POLICIAL
Casal é preso após briga no bairro Dom Bosco
POLICIAL
PRF recupera veículo e liberta homem que estava mantido em cárcere privado