Menu
terça, 22 de setembro de 2020
Andorinha - Linha em Operação
Andorinha - Linha em Operação
Geral

Pesquisadores desenvolvem álcool em gel a partir da fécula de mandioca

04 agosto 2020 - 10h00Ascom Fiems

Pesquisadores do projeto ISI Biomassa (Instituto Senai de Inovação em Biomassa), em Três Lagoas (MS), que busca fórmulas alternativas para a produção de álcool em gel, encontraram a possibilidade de fabricar o produto a partir da fécula de mandioca. O projeto tem apoio do ISI Biossintéticos e Fibras (Instituto Senai de Inovação em Biossintéticos e Fibras), localizado no Rio de Janeiro (RJ), e do ISI Polímeros (Instituto Senai de Inovação em Engenharia de Polímeros), que fica em São Leopoldo (RS).

Trata-se da fécula de mandioca modificada, um derivado obtido por meio de uma modificação química. “Após a realização de testes de bancada para comprovar seu poder de espessamento, algo que a literatura técnica já mencionava, além de testes físico-químicos, como de viscosidade, conseguimos concluir que o derivado é um produto equiparado às soluções alternativas de espessantes sintéticos já utilizados no mercado em termos de estabilidade para utilização em álcool em gel 70%”, explicou a pesquisadora do ISI Biomassa, Jéssica Gallardo.

A diferença fica apenas por conta da cor, que é um pouco mais turva do que nas fórmulas que utilizam como espessantes o carbopol ou mesmo o derivado da celulose, com um tom ligeiramente creme. “No entanto, seu poder de espessamento equivalente ao do álcool em gel com base de celulose e a eficácia no combate ao coronavírus das três fórmulas é exatamente a mesma”, reforçou a pesquisadora.

Ela ainda destacou a importância de se encontrar um espessante a partir de um produto tão fácil de ser encontrado. “Com a escassez de produtos espessantes comerciais no mercado e uma grande migração dos produtores de álcool em gel para os diferentes derivados de celulose, abrir mais uma opção de utilização de espessante é, de certa maneira, poder suprir o mercado em momentos de escassez. Assim como a mandioca, a fécula é um produto altamente disponível, de origem vegetal e preço muito acessível”, comentou.

Com os testes de bancada já finalizados, a próxima etapa agora será o escalonamento da nova fórmula, ou seja, uma produção em maior escala. “No entanto, devido à etapa do tratamento químico da fécula, ou seja, uma etapa de escalonamento a mais, o planejamento para essa produção ainda está sendo meticulosamente estruturado para que parâmetros de processos industriais sejam previstos de forma a otimizar o custo de produção como um todo”, finalizou Jéssica Gallardo.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia Local
Abaixo do esperado, dia das crianças deve movimentar R$ 6,39 mi na região
Atualização Covid
Corumbá registra baixo número de positivos nas últimas 24 horas
Socorro Urgente
Famílias são resgatadas de incêdio gigantesco no Pantanal
Economia
Comerciantes paraguaios protestam pela abertura da fronteira com o Brasil
Meio Ambiente
Força-tarefa investiga número de animais mortos no Pantanal
Economia
Indústria de MS recupera mesmo patamar de produção anterior à Covid-19
Oportunidade
IFMS abre inscrições para 13 vagas na graduação em Corumbá
Ronda Ostensiva
Perseguição policial prende suspeito de tráfico de drogas
Cerimônia Ecumêmnica
Líderes religiosos homenageiam vítimas da Covid e clamam por chuva para o Pantanal
Corumbá
Moto é recuperada em patrulhamento no Guatós

Mais Lidas

Comoção
Assassino da professora Nádia Sol vai a júri popular em outubro
Atualização Covid-19
MS inicia semana com registro de 7 óbitos e 185 novos casos de Covid
242 anos
Ato cívico celebra aniversário da cidade e homenageia vítimas da Covid-19
Meteorologia
Previsão de chuva em 77 dos 79 municípios do Estado nesta segunda-feira