Menu
terça, 23 de julho de 2024
Andorinha - 76 anos - Junho 2024
Andorinha - 76 anos - Junho 2024
Geral

Pesquisador da UEMS diz que vacinação em massa vai contribuir com a retomada da economia

02 fevereiro 2021 - 08h46Portal do Governo de MS

A pandemia de Covid-19 ocasionou uma das piores crises econômicas mundial. Para o economista e pesquisador da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), professor doutor Mateus Abrita, a retomada do crescimento é possível com a vacinação em massa.

Com as medidas de distanciamento social, o Brasil enfrentou crises de oferta e demanda, alta do dólar e da inflação e desemprego. De acordo com IBGE, o desemprego saltou para 14,6% no 3º trimestre de 2020 encerrado em setembro, afetando 14,1 milhões de brasileiros, com uma perda de 11,3 milhões de postos de trabalho em 12 meses e com mais da metade da população em idade para trabalhar sem ocupação.

Esse quadro de instabilidade econômica abala um dos pilares da economia: a confiança. O professor Mateus explica que a Confiança é um dos elementos mais importantes para a economia. Empresários necessitam ter confiança nas vendas para produzir e contratar, o consumidor precisa ter confiança que vai ter trabalho e renda para consumir, o investimento em novos empreendimentos está totalmente relacionado com a confiança e previsibilidade para que seja possível um plano de negócios minimamente robusto. “O crescimento de longo prazo está muito relacionado a confiança. Atualmente, temos incertezas no âmbito sanitário, incerteza política, incerteza jurídica, incerteza econômica, incerteza social e tantas outras. Um certo nível de incerteza é inerente à sociedade, contudo parece que elevamos este nível para um patamar ainda mais alto. Isto, somado a diversos outros desafios, pode ser desastroso para o crescimento econômico. Essa incerteza pode ser verificada pela alta expressiva do dólar frente ao real, através dos índices de confiança do consumidor e do empresário e também no âmbito global”, explica Mateus Abrita.

O professor Mateus afirma que a vacinação em massa contribuirá para a retomada de setores que tiveram que reduzir ou suspender o atendimento para não causar aglomerações como comércio varejista, bares e restaurantes. “A vacinação em massa com vacinas seguras e eficazes aprovadas pela vigilância sanitária é fundamental para a retomada da economia de modo sustentado. Toda economia vai ser beneficiada, no sentido que garante o retorno mais seguro ao trabalho e a produção. Também com a redução no nível de incerteza, gradativamente a confiança do consumidor e do empresário tende a ter elevação, o que resulta numa retomada da atividade econômica. Em especial os setores mais beneficiados são aqueles que depende mais do contato, como a economia da cultura, shows, viagens, turismo, ou seja, tudo que dependem de aglomeração e contato tende a ter um grande auxílio.  Para se ter uma pequena ideia, só no Rio de Janeiro a estimativa Confederação Nacional do Comércio prevê um tombo de R$ 8 bilhões no movimento de recursos. Imagine o prejuízo com as festas juninas e demais setores que dependem de aglomeração. Por isso, a vacinação em massa é essencial para esses setores retomarem suas atividades de modo mais seguro, enfatiza Mateus.

Nos últimos dias, o Brasil ultrapassou a marca de 220 mil mortos por Covid-19, com hospitais lotados de pacientes. De acordo com o Tesouro, as despesas primárias com a pandemia da Covid-19 totalizaram R$ 539,6 bilhões. “Claro que nesse montante estão diversos outros custos que a pandemia acarretou. Mas para se ter uma ideia, o custo mediano diário de internação crítica adulto com paciente Covid-19 (UTI) foi R$ 2.102 de acordo com estudos de uma empresa de soluções de gestão de saúde (Planisa). Por isso a vacinação é fundamental – de acordo com um relatório publicado (Maccabi Healthcare Services.)  – passados três semanas do início da vacinação contra a Covid-19 em Israel, o país já registrou uma queda de 60% nas internações hospitalares de idosos”, demonstra o professor Mateus Abrita.

A situação de instabilidade e retração econômica pode ser amenizada com a contenção da pandemia, que neste momento se apoia na vacinação. “A expectativa do Banco Mundial é de um crescimento em torno de 4% neste ano, isto se ocorrer um cenário mediano. Entretanto, se ocorrer recrudescimento da pandemia e atraso das vacinações essa previsão diminui para algo em torno de 1,6%. Já se ocorrer um controle da pandemia a previsão é alta de 5%. Ou seja, o controle da pandemia e a vacinação em massa está totalmente relacionada com a recuperação econômica. Já um estudo da Oxfam aponta que infelizmente os mais pobres devem levar 14 anos para repor as perdas da pandemia”, conclui Mateus Abrita.

Professor Matheus Arbitra Foto: Portal do Governo de MS

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Reconhecimento
Ex-aluno da UFMS é finalista do Prêmio Jabuti Acadêmico
Na Apa Baía Negra
Brigada voluntária interrompe churrasco em fogo de chão e alerta para risco de incêndio
Em Campo Grande
TJMS amplia prazo de inscrições para o Concurso do Monumento Artístico
Pagou 70 reais
Civil recupera celular furtado e prende rapaz de 19 anos por receptação
Operação Nicolau
PF cumpre mandado em combate à crimes de abuso sexual infantojuvenil em Corumbá
Data confirmada
Convenção que vai anunciar candidatos do PSDB em Ladário será dia 31 de julho
Olimpíadas 2024
Maioria pela 1ª vez, mulheres encabeçam sonhos de medalhas em Paris
Hoje
Inscrições para o Prouni começam nesta terça-feira
De 25 a 31 de julho
Prefeitura convoca guardas aprovados em concurso para entrevista individual de investigação social
Saiu no Diário
Lei de Diretriz Orçamentária de MS para 2025 é sancionada com receita estimada de R$ 26,4 bilhões

Mais Lidas

Neste domingo
Ritmista da Nova Corumbá morre em colisão com carro
Até 26 de julho
Escola Sesi abre processo seletivo com 104 vagas de gratuidade na educação básica
No centro
Perícia encontra seringa e medicamentos no apartamento de mulher encontrada morta
Time de Miranda
20ª edição do Amistoso da Diversidade reúne grande público no Poliesportivo