Menu
segunda, 20 de setembro de 2021
Expresso Mato Grosso - Junho
Geral

Pautas para o novo pacto federativo devem avançar em Brasília, crê governador

11 maio 2019 - 08h55Portal do MS

Depois de uma semana intensa de agendas em Brasília (DF), o governador Reinaldo Azambuja retorna a Mato Grosso do Sul crendo que pautas para o novo pacto federativo avançarão na medida em que a reforma da previdência caminhar no Congresso Federal. “Ficou claro ao presidente da República, (Jair Bolsonaro), que algo precisa ser feito”, disse o governador nesta sexta-feira (10).

Governadores de todo o país defendem ações da União e do Congresso para reequilibrar as contas dos estados. No encontro com Jair Bolsonaro, que contou com a presença dos presidentes do Senado, Davi Alcolumbre, e da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, os gestores estaduais apresentaram a saúde fiscal dos entes federativos. “Dividimos os estados em três tipos: os que já estão na UTI, os que estão no semi-intensivo e os que vão entrar na enfermaria”, comparou Reinaldo Azambuja.

Tanto o Executivo quanto o Legislativo se comprometeram a dar sequência às demandas dos governadores. Fazem parte da pauta única apresentada seis itens: manutenção do Fundeb (Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica e Valorização do Profissional de Educação); Lei Kandir; securitização de dívidas, Plano Mansueto (de socorro financeiro aos estados), cessão onerosa dos recursos do petróleo e do pré-sal; e PEC 51.

Judicialização da saúde

O governador também afirmou que tem boas expectativas em relação ao encontro com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, para falar sobre a judicialização da saúde. Junto de outros 11 gestores, Reinaldo Azambuja tratou de ações em trâmite na Corte sobre a responsabilidade solidária dos entes federados no dever de prestar assistência à saúde, o fornecimento de remédios de alto custo não disponíveis na lista do Sistema Único de Saúde (SUS) e daqueles não registrados na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“Fomos pedir um regramento, pois quando não se tem vale tudo. Hoje, os estados estão sendo obrigados a disponibilizar remédios que nem registro na Anvisa têm – o que é um risco, pois se o remédio não é registrado não tem garantia do uso”, explicou o governador.

O ministro defendeu que é preciso refletir sobre decisões judiciais que interfiram na gestão pública. “O Poder Judiciário tem que se autoconter um pouco mais. Temos o limite do possível. A União, os estados e os municípios têm dificuldades fiscais. A ideia é estabelecer parâmetros nas três ações para termos segurança jurídica”, afirmou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Queimadas
Bombeiros abrem aceiro na vegetação seca para deter incêndios do Pantanal
Balanço
Em três dias, operação Fronteiras e Divisas apreendeu R$ 12 milhões em drogas
Alerta
Com umidade do ar registrando 10%, cidades de MS voltam a ficar em alerta
Preconceito não!
Jogo da Diversidade acontece hoje com cobertura ao vivo do Capital do Pantanal
Flagrante na fronteira
PMA desmonta acampamento mas caçadores escapam para o Paraguai
Programação
Criançada aprende a usar cores primárias na oficina do Sesc deste sábado
Retomada
UEMS lança Guia de Retorno de Atividades Presenciais
Salve Vidas
Para repor estoques de O-, O+ e A+ Hemosul da capital abre o dia todo neste sábado
Tempo
Sábado de sol, calor e tempo seco em todo Estado
Tentativa de Homicídio
Adolescente é socorrido com perfuração de bala na coxa

Mais Lidas

Balanço
Em três dias, operação Fronteiras e Divisas apreendeu R$ 12 milhões em drogas
Preconceito não!
Jogo da Diversidade acontece hoje com cobertura ao vivo do Capital do Pantanal
Flagrante na fronteira
PMA desmonta acampamento mas caçadores escapam para o Paraguai
Alerta
Com umidade do ar registrando 10%, cidades de MS voltam a ficar em alerta