Menu
quinta, 22 de abril de 2021
Andorinha Abril
Andorinha Abril
Geral

Para liberar acordo do Aquário, governo alega prejuízo com "elefante branco"

10 abril 2018 - 10h16Campo Grande News

O governo do Estado recorreu ao TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) para liberar, com dispensa de licitação, a obra de conclusão do Aquário do Pantanal, ao custo de R$ 38,7 milhões. Na apelação, o empreendimento, que começou a ser construído em 2011, é classificado como um “verdadeiro elefante branco”.

No fim de março, o juiz da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, David de Oliveira Gomes Filho, rejeitou homologar o acordo firmado entre o governo, TCE (Tribunal de Contas do Estado) e MP/MS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) para contratar as empresas Construtora Maksoud Rahe e Tecfasa Brasil.

A primeira deve receber R$ 27.569.539,34 para finalizar as obras de engenharia civil. Para a Tecfasa, o previsto é valor de R$ 11.2047.906,11 para o sistema de suporte à vida dos peixes que vão povoar o Aquário.

Com a negativa em primeira instância, o governo recorreu ao tribunal. No recurso, o procurador da Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos), Paulo José Dietrich, alega “que existe risco real e iminente de perecimento da estrutura existente e de morte do peixes e outros animais já adquiridos e a necessidade de agilização na contratação das empresas”.

Conforme o governo, um novo processo licitatório vai demorar oito meses, período no qual o custo da obra deve aumentar, diante do abandono da estrutura. “Existe uma patente necessidade de se imprimir celeridade à nova contratação, e ao mesmo tempo de se manter o orçamento disponível, o que seria impossível através de novo certame”, informa o procurador da Agesul.

O pedido é que o TJ/MS reforme a decisão e homologue o termo de acordo. A ação é movida pelo governo, MP e TCE. “As apelantes requerem e esperam serenamente que este tribunal dê provimento ao presente recurso”. A apelação foi apresentada ao juiz da 2ª Vara, que remete ao tribunal.

Gigante - A saga da gigante elipse, que leva a assinatura do renomado arquiteto Ruy Ohtake, começou em fevereiro de 2011, quando a Egelte Engenharia venceu licitação para construir o Centro de Pesquisa e de Reabilitação da Ictiofauna Pantaneira, nome oficial do aquário, por R$ 84 milhões em Campo Grande.

Em 2014, a construção foi repassada em subempreita para a Proteco Construções. O então governador André Puccineli (MDB) informou que se tratava de um “mutirão cívico” para concluir o empreendimento. Contudo, gravações da operação Lama Asfáltica, realizada pela PF (Polícia Federal, apontam uma frenética negociação para que a obra trocasse de mãos e ganhasse aditivo de R$ 21 milhões.

Em 2016, o empreendimento voltou para a Egelte. Entretanto, apesar da reativação de contrato, a obra não caminhou de fato. Em 22 de novembro de 2017, o governo estadual confirmou o rompimento do contrato com a Egelte, alegando que a empresa não tinha condições de concluir a obra.

No máximo - O valor da contratação já havia sido reajustado em 25%, limite máximo previsto na Lei de Licitações. Uma decisão da 3ª Vara de Fazenda Pública de Campo Grande já cobrava a extinção do contrato.

Segunda colocada na licitação, a Travassos e Azevedo havia cotado, em 2011, seus serviços em R$ 88 milhões. Chamada para assumir o serviço em novembro de 2017, ela recusou o contrato.

O Aquário foi planejado para ter 24 tanques, somando um volume de água de aproximadamente 6,2 milhões de litros e 12.500 animais subdivididos em mais de 260 espécies. Por enquanto, os peixes ficam em galpões da PMA (Polícia Militar Ambiental).

Deixe seu Comentário

Leia Também

JUSTIÇA
181 é ferramenta para denuncia anônima em Mato Grosso do Sul
EDUCAÇÃO
Reforma de escolas municipais é solicitada por vereador durante sessão da Câmara
ESPORTE
Vereador sugere transformar o Marina Gattass em espaço para esportes radicais
LÍNGUA DE SINAIS
Projeto de Lei obriga instituições a disponibilizar intérpretes de Libras na cidade
ECONOMIA
Caixa paga auxílio emergencial a nascidos em agosto
COVID-19
Polícia investiga empresa por fraude em oferta de vacina
CIDADE
Prefeito decreta luto oficial de três dias pelo falecimento de Dom Martinez
POLICIAL
PM de Corumbá prende foragido da justiça e apreende arma branca
POLICIAL
Homem é preso por porte de drogas no bairro Popular Nova
TEMPO
Massa de ar frio pode mudar o clima em Mato Grosso do Sul nos próximos dias

Mais Lidas

POLÍTICA
Câmara aprova projeto de lei que torna escolas serviços essenciais
MUDANÇAS NO CTB
Nova Lei abranda infração para motociclistas sem viseira ou óculos de proteção
GERAL
Vereador solicita recuperação da 21 de Setembro, após intervenções da Sanesul
SEGURANÇA
Tiradentes: no dia do patrono das polícias, Governo destaca investimentos na segurança