Menu
quinta, 21 de janeiro de 2021
Andorinha Janeiro/Fevereiro
Andorinha Janeiro/Fevereiro Mobile
Geral

Para liberar acordo do Aquário, governo alega prejuízo com "elefante branco"

10 abril 2018 - 10h16Campo Grande News

O governo do Estado recorreu ao TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) para liberar, com dispensa de licitação, a obra de conclusão do Aquário do Pantanal, ao custo de R$ 38,7 milhões. Na apelação, o empreendimento, que começou a ser construído em 2011, é classificado como um “verdadeiro elefante branco”.

No fim de março, o juiz da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, David de Oliveira Gomes Filho, rejeitou homologar o acordo firmado entre o governo, TCE (Tribunal de Contas do Estado) e MP/MS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) para contratar as empresas Construtora Maksoud Rahe e Tecfasa Brasil.

A primeira deve receber R$ 27.569.539,34 para finalizar as obras de engenharia civil. Para a Tecfasa, o previsto é valor de R$ 11.2047.906,11 para o sistema de suporte à vida dos peixes que vão povoar o Aquário.

Com a negativa em primeira instância, o governo recorreu ao tribunal. No recurso, o procurador da Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos), Paulo José Dietrich, alega “que existe risco real e iminente de perecimento da estrutura existente e de morte do peixes e outros animais já adquiridos e a necessidade de agilização na contratação das empresas”.

Conforme o governo, um novo processo licitatório vai demorar oito meses, período no qual o custo da obra deve aumentar, diante do abandono da estrutura. “Existe uma patente necessidade de se imprimir celeridade à nova contratação, e ao mesmo tempo de se manter o orçamento disponível, o que seria impossível através de novo certame”, informa o procurador da Agesul.

O pedido é que o TJ/MS reforme a decisão e homologue o termo de acordo. A ação é movida pelo governo, MP e TCE. “As apelantes requerem e esperam serenamente que este tribunal dê provimento ao presente recurso”. A apelação foi apresentada ao juiz da 2ª Vara, que remete ao tribunal.

Gigante - A saga da gigante elipse, que leva a assinatura do renomado arquiteto Ruy Ohtake, começou em fevereiro de 2011, quando a Egelte Engenharia venceu licitação para construir o Centro de Pesquisa e de Reabilitação da Ictiofauna Pantaneira, nome oficial do aquário, por R$ 84 milhões em Campo Grande.

Em 2014, a construção foi repassada em subempreita para a Proteco Construções. O então governador André Puccineli (MDB) informou que se tratava de um “mutirão cívico” para concluir o empreendimento. Contudo, gravações da operação Lama Asfáltica, realizada pela PF (Polícia Federal, apontam uma frenética negociação para que a obra trocasse de mãos e ganhasse aditivo de R$ 21 milhões.

Em 2016, o empreendimento voltou para a Egelte. Entretanto, apesar da reativação de contrato, a obra não caminhou de fato. Em 22 de novembro de 2017, o governo estadual confirmou o rompimento do contrato com a Egelte, alegando que a empresa não tinha condições de concluir a obra.

No máximo - O valor da contratação já havia sido reajustado em 25%, limite máximo previsto na Lei de Licitações. Uma decisão da 3ª Vara de Fazenda Pública de Campo Grande já cobrava a extinção do contrato.

Segunda colocada na licitação, a Travassos e Azevedo havia cotado, em 2011, seus serviços em R$ 88 milhões. Chamada para assumir o serviço em novembro de 2017, ela recusou o contrato.

O Aquário foi planejado para ter 24 tanques, somando um volume de água de aproximadamente 6,2 milhões de litros e 12.500 animais subdivididos em mais de 260 espécies. Por enquanto, os peixes ficam em galpões da PMA (Polícia Militar Ambiental).

Deixe seu Comentário

Leia Também

MEIO AMBIENTE
Onça resgatada em novembro no Pantanal com queimaduras, será solta em seu habitat
FRAUDE ELEITORAL
Ministério Público quer impugnação de candidatos do PRB em Ladário
COVID-19
Pandemia ainda não acabou: MS registra mais de mil casos em apenas um dia
GERAL
Batida de carro e moto deixa criança ferida no Popular Nova
POLICIAL
PRF recupera dois veículos em MS que seriam levados para a Bolívia
JUSTIÇA
Alexandre de Moraes nega HC para anular seis prisões e mandar Jamil Name para casa
p
ECONOMIA
Preço da gasolina começa o ano acima do valor registrado em todos os meses de 2020
Combustível está 19,5% acima da média do mês com preços mais baixos de 2020
DEFESA CIVIL
Com previsão de mais chuva, Defesa Civil orienta população que mora em áreas de risco
EDUCAÇÃO
Professores dão dicas para o segundo dia de provas do Enem
GERAL
MPT divulga nota técnica sobre medidas de proteção a trabalhadoras gestantes

Mais Lidas

FRAUDE ELEITORAL
Ministério Público quer impugnação de candidatos do PRB em Ladário
GERAL
Comando do 6º Distrito Naval abre inscrições para concurso de nível superior
GERAL
Confira a distribuição das doses de vacina contra a Covid-19 por município em Mato Grosso do Sul
GERAL
Batida de carro e moto deixa criança ferida no Popular Nova