Menu
sábado, 15 de maio de 2021
Andorinha - Maio
Andorinha - Maio
Geral

Pantaneiros querem ser ouvidos na discussão da Lei do Pantanal

19 abril 2017 - 11h05Redação

 
O Sindicato Rural de Corumbá manifestou-se a respeito do polêmico projeto de lei nº 750, que tramita desde 2011 no Congresso Nacional e pretende regularizar as atividades econômicas e normatizar a preservação do Pantanal, alertando que a proposta não deve ter aprovada de afogadilho e sem discutir com o homem pantaneiro, que é um dos principais responsáveis pelo nível de 85% de conservação da vegetação nativa do bioma.
 
A preocupação dos produtores rurais do maior município pantaneiro com a chamada Lei do Pantanal – o projeto é de autoria do ex-senador mato-grossense Blairo Maggi, hoje ministro da Agricultura e Pecuária – obteve ressonância no Governo do Estado, com o governador Reinaldo Azambuja exigindo que o projeto fosse discutido em Mato Grosso do Sul, que detém 70% do bioma, antes de entrar na pauta do Senado.
 
Da forma como está sendo encaminhado, o PL-750 é um retrocesso e com efeitos danosos à econômica da região, segundo o presidente do sindicato rural, Luciano Aguilar Leite. Ele disse que com a aprovação da nova lei, torna-se sem efeito toda a regulamentação feita pelo governo de Mato Grosso do Sul em relação ao Cadastro Rural Ambiental (CAR), com base em estudos da Embrapa Pantanal, e ao qual mais de 70% dos produtores já aderiram.
 
Lei acaba com o CAR
 
“Não somos contra a proposta de se criar uma política de gestão e proteção do Pantanal, porém todos os segmentos devem ser ouvidos. Temos 70% do Pantanal e não aceitamos uma lei goela abaixo, que acaba com o nosso CAR e desorganiza todo um sistema já normatizado e funcionamento bem”, ponderou o dirigente ruralista. “Mato Grosso não tem ainda a lei do CAR e a 750 deve considerar a realidade do Pantanal como um todo.”
 
Luciano Leite cobrou a formação de um grupo de trabalho reunindo segmentos governamentais e não governamentais dos dois estados para discutir a proposta, iniciativa esta já tomada pelo Governo de Mato Grosso do Sul, e lembrou que a econômica do Pantanal deve ser considerada na alteração de qualquer lei que diz respeito ao bioma. Citou que Corumbá tem o segundo maior rebanho bovino do País, com 2 milhões de cabeças, e a pecuária é o maior empregador no município.
 
“A posição assumida pelo governador (Reinaldo Azambuja) em defesa dos interesses ambientais, sociais e econômicos do Pantanal nos tranquiliza”, afirmou o presidente do sindicato rural, que conta ainda com o apoio da prefeitura de Corumbá. “Não há razão que justifique a necessidade de se aprovar uma lei dessa, agora, quando a regulamentação dos biomas tem prazo até 2020, bagunçando com toda uma cadeia produtiva”, protestou.
 
Inconstitucionalidade
 
Luciano parabenizou o Governo do Estado pelo evento Diálogo pelo Pantanal, realizado nesta terça-feira, em Campo Grande, com a presença de técnicos e especialistas em meio ambiente. Nesse encontro, ficou patente a necessidade de modificações significativas no teor do PL 750, sendo levantada, inclusive, sua inconstitucionalidade, ao impor obrigações aos estados e estabelece a criação de estruturas administrativas, o que seria exclusividade do Poder Executivo.
 
Durante o Diálogo pelo Pantanal, falando em nome da Federação de Agricultura de Mato Grosso do Sul (Famasul), o proprietário rural e ambientalista Nilson de Barros lembrou que o Pantanal é ocupado há 270 anos e que até a década de 70 os governos “desconheciam a região”. A iniciativa de preservação do bioma, portanto, sempre foi do homem pantaneiro, que deve ser ouvido e contemplado por qualquer legislação a respeito.
 
“O projeto começou ruim porque não ouviu Mato Grosso do Sul”, disse Nilson de Barros, que elogiou a iniciativa do governador Reinaldo Azambuja e do secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck, de chamarem a discussão para o Estado. “Queremos continuar sobrevivendo no Pantanal, o homem pantaneiro tem muito a ensinar e precisa ser ouvido. A soma do conhecimento empírico e científico é importante para resolver os eventuais problemas do Pantanal”, disse.
 
Bioma mais preservado
 
Ex-chefe da Embrapa Pantanal, cuja sede fica em Corumbá, Nilson de Barros também questionou o fato de se propor mais uma lei para o Pantanal com o intuito apenas de restringir uma atividade secular, que é a pecuária tradicional. “Se é unanimidade que o homem preserva o Pantanal, o bioma mais protegido, e exerce uma atividade compatível com o ambiente, por que fazer regras para ele, ao invés de garantir benefícios, incentivos?”, indaga.
 
O Diálogo pelo Pantanal foi promovido pela Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), por meio do Instituto do Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul), com apoio do WCS (Wildlife Conservation Society) e do WWF (World Wildlife Fund) Brasil.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRÂNSITO
Jovem de 19 anos morre após subir em capô de carro e namorado bater em poste na Capital
GERAL
Começa a valer hoje nova política de privacidade do Whatsapp
GERAL
Detran-MS continua mutirão de renovação de CNH com EAR neste sábado
GERAL
Cuidados com a pele devem ser redobrados como inverno
ESPORTE
Final do Cariocão 2021 começa neste sábado com o clássico Fla x Flu
SAÚDE
Saúde reforça a importância dos cuidados de biossegurança
GERAL
Sorteio da Mega-Sena deste sábado tem prêmio estimado em R$ 33 milhões
GERAL
Pesquisadores alertam para riscos de crianças expostas a telas
CORONAVÍRUS
Alerta Covid: Casos confirmados e internações continuam crescendo
CULTURA
Semana Nacional de Museus terá lançamento de livros sobre Patrimônio de Corumbá

Mais Lidas

POLICIAL
Polícia Federal apreende 280 Kg cocaína na parte alta de Corumbá
VACINAÇÃO
Poliesportivo está aberto para repescagem e aplicação de segunda dose da vacina da Covid-19
ACIDENTE DE TRÂNSITO
Bombeiros socorrem vítimas de colisão de carros no Centro
OPORTUNIDADE
IEL tem 91 vagas de estágio para Campo Grande, Camapuã e Corumbá