Menu
quinta, 25 de julho de 2024
Andorinha - 76 anos - Junho 2024
Andorinha - 76 anos - Junho 2024
Geral

Operação investiga origem do fogo em fazendas da Nhecolândia e Nabileque

23 setembro 2020 - 08h30Joelma Belchior, Assecom/Sejusp, com edição de Gesiane Sousa

Em paralelo a operação Mataá da Polícia Federal que apura fundo criminoso nas queimadas do Pantanal, o Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul) e a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) realizam a operação Focus, para apurar os incêndios nas áreas rurais de Mato Grosso do Sul (MS). As ações se concentram em propriedades localizadas nas regiões da Nhecolândia e Nabileque, no Pantanal de Corumbá.

As equipes compostas por fiscais do Imasul, perícia criminal, Polícia Civil e homens do Corpo de Bombeiros Militar e da Polícia Militar Ambiental já percorreram quase 30 propriedades, na Nhecolândia e outras no Nabileque, regiões que são referência nacional tanto em produção sustentável, como em preservação ambiental.

Conforme o Imasul os focos existentes em todas as propriedades rurais foram levantados através de imagens de satélite e análise temporal, que foram cruzadas com outros bancos de dados, possibilitando a identificação das fazendas, dos donos e da área total atingida pelos incêndios.

Peritos Criminais analisam rastros deixados pelo fogo. Foto: Divulgação

Responsável pela perícia criminal na região, o perito Cícero Wagner Calixto dos Santos diz que estão sendo feitos levantamentos locais e análises das imagens gravadas pelos satélites. “São áreas extensas que demandam um trabalho minucioso, que leva tempo na coleta de vestígios e, somente após essa coleta, teremos condições de confeccionar os laudos periciais que devem apontar os danos materiais e ambientais, bem como se o incêndio foi acidental ou intencional, por exemplo”, explica o perito criminal.

O delegado Maércio Barbosa, titular da Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Ambientais e de Atendimento ao Turista (Decat) diz que havendo indícios de crime, o caso segue para a Polícia Civil para apurar eventual crime. “Cabe ao Imasul identificar os focos, verificar se havia ou não autorização para essas queimadas, sendo que havendo auto de infração e indícios de crime, os responsáveis responderão por crime ambiental”, frisa.

O presidente do Imasul, André Borges, disse que nesta primeira fase da Operação Focus  foram  percorridos mais de 2.800 quilômetros. “Foi possível fazer a constatação do início desses focos e agora, validado o indício do início do foco dos incêndios trazemos os trabalhos para o laboratório de geoprocessamento do Imasul e aqui nós apuramos a extensão desse dano, o quanto de área foi queimada a partir desse ponto do início de queimada. Nosso trabalho ainda é de levantamento, de apuração de todos esses dados e confirmando isso, quantificando a extensão de todas essas áreas queimadas, é feito o procedimento do auto de infração”, explicou Borges.

As regiões atendidas pela primeira etapa da Operação Focus foram do Pantanal do Nabileque e Pantanal da Nhecolândia, localizadas nos municípios de Corumbá, Ladário e Miranda. As equipes foram divididas em duas, sendo compostas por fiscais do Imasul, peritos criminais, delegados e agentes da Polícia Civil, da Decat e da Delegacia Especializada de Repressão a Roubos a Bancos, Assaltos e Sequestros (Garras), homens da Polícia Militar Ambiental e do Corpo de Bombeiros Militar.

Na ação a fiscalização identificou uma propriedade onde foram destruídos 3.200 hectares de forma intencional e uma outra fazenda onde pessoas atearam fogo em leiras oriundas da limpeza da pastagem. Na região do Nabileque os levantamentos iniciais apontam para queimadas iniciadas em áreas indígenas. O Imasul estima que as multas lavradas ultrapassem R$ 4 milhões.

Perícia da Polícia Civil faz parte das investigações. Foto: Divulgação

Sob controle

As chuvas que caíram em Mato Grosso do Sul desde o final de semana contribuíram para uma redução considerável dos incêndios. Conforme o coronel Marcos Meza, coordenador das Operações Estiagem 2020 do Corpo de Bombeiros Militar, no Parque das Nascentes do Rio Taquari os focos foram controlados. “Estamos na fase de monitoramento e acreditamos que as ações encerram amanhã nessa localidade”, garante.

O Corpo de Bombeiros Militar, com o apoio de equipes do Paraná, que trouxeram reforços de pessoal e de veículos de combate à incêndios, controlaram também as chamas do Pantanal, sendo que há poucos focos apenas na região da Serra do Amolar. “Agora vamos concentrar os esforços na divisa com o estado do Mato Grosso, na região de Porto Jofre, onde não choveu e a situação segue crítica”, finaliza.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Permeando a Capoira
Corumbá vai receber projeto de valorização da capoeira em MS
Olimpíadas 2024
Grandes nomes do esporte buscam o Olimpo nos Jogos de Paris
Economia Nacional
Prévia da inflação em julho fica abaixo da taxa de junho, aponta IBGE
Aposta
Mega-Sena sorteia nesta quinta-feira prêmio acumulado em R$ 65 milhões
Difícil acesso
Incêndio na Nhecolândia teve inicio em caminhão atolado
Boletim Diário
Altas temperaturas e rajadas de até 43 km/h aumentam os focos de incêndio em MS
Tempo
Previsão é de calor para esta quinta-feira em todo o Mato Grosso do Sul
Corumbá segue com máxima de 35°C
Ação Conjunta
Carro furtado em Ladário é recuperado horas depois na Bolívia
Casa Verde
Furto de fiação elétrica deixa Central de Regulação em Saúde de Corumbá sem energia
Incentivo
Corumbá tem 40 vagas em capacitação com bolsa de R$ 600 para mulheres em vulnerabilidade social

Mais Lidas

Data confirmada
Convenção do PSB em Corumbá será dia 31 de julho
Na Apa Baía Negra
Brigada voluntária interrompe churrasco em fogo de chão e alerta para risco de incêndio
Maconha e cocaína
Duas pessoas são presas em flagrante por tráfico de drogas em Corumbá
Casa Verde
Furto de fiação elétrica deixa Central de Regulação em Saúde de Corumbá sem energia