Menu
sexta, 17 de setembro de 2021
Expresso Mato Grosso - Junho
Geral

Operação do Gaeco pode levar a impeachment da prefeita de Dourados

17 julho 2020 - 11h06Da Redação do Correio do Estado

A prefeita Délia Razuk (PTB) pode sofrer processo de impeachment após a Operação Contágio, que foi deflagrada na quarta-feira (15) e afastou o secretário de Fazenda, Carlos Dobes, o procurador-geral do município, Sérgio Henrique Pereira Martins Araújo, e outras servidoras da administração, incluindo a profissional de carreira e ex-secretária de Saúde Berenice Machado. A informação foi repassada pelo presidente da Câmara, vereador Alan Guedes (PP), que afirmou ver a situação com cautela. 

A mesa diretora do Legislativo entrou com pedido na 2ª Vara Criminal a fim de obter acesso aos dados sigilosos da investigação.  Segundo Guedes, a situação tem sido tratada com cautela e “muita preocupação”. “Precisamos ter acesso aos dados sigilosos na Justiça. Queremos avaliar os fundamentos do Ministério Público para então tomarmos as medidas pertinentes”, afirmou.  Alan considerou o fato de a Procuradoria-Geral do Município ter sido alvo da ação como um agravante em relação a outras ocorrências que envolveram o alto escalão de Délia Razuk.

Para o parlamentar, apesar de não estar inserida no rol de investigados, a prefeita tem responsabilidade por ser a chefe do poder. O pedido de impeachment deve ser considerado em razão da falta de fiscalização da gestora, que sofre a sétima operação policial dentro da administração. Apenas uma delas não foi ligada diretamente ao setor financeiro.

Prefeita calou-se

Como no serviço público tudo precisa ser muito bem explicado, dar satisfações ao eleitorado que a elegeu não pareceu uma boa saída. Desde que assumiu o comando da maior cidade do interior do Estado, Délia Razuk já viu homens do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) e da Polícia Federal “vasculharem” os departamentos da prefeitura várias vezes.  

O primeiro episódio ocorreu em 2018, quando o MPMS tomou as secretarias de Educação e Administração para investigar a contratação irregular de profissionais comissionados para as Pastas. 

Os agentes previam que a então secretária de Educação Denize Portolan pudesse estar utilizando o cargo para beneficiar aliados e, o pior, ocupando com cargos comissionados o que poderiam ser vagas puras. Naquela época, ninguém foi preso e o retorno das aulas foi comprometido. 

Em 2019, o juiz José Domingues Filho decretou a extinção do processo, mediando acordo que incluiu o pagamento de honorários à perita do MPE pela prefeitura.

Poucos meses depois, em outubro de 2018, nova operação foi deflagrada. Desta vez a Pregão, que investigava fraudes em licitações envolvendo contratos com empresas de serviço terceirizado. 

Na época, foram presos o então secretário municipal de Fazenda João Fava Neto, o presidente da Comissão Permanente de Licitação do município, Anilton Garcia de Souza, e Denize Portollan, à época vereadora e ex-secretária municipal de Educação. Além deles, também acabou atrás das grades o empresário Messias José da Silva, proprietário da Douraser Prestadora de Serviços de Limpeza e Conservação.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Tentativa de Homicídio
Adolescente é socorrido com perfuração de bala na coxa
Auditoria
Brechas favorecem corrupção em mais de 90% das organizações públicas de MS, revela TCU
Espancamento
Rapaz vítima de agressão é socorrido inconsciente no bairro Camalote
Trânsito
Motociclista é socorrido com fratura na perna
Limpeza
Centro e Aeroporto recebem mutirão da dengue
23 vagas
Inscrição para o processo seletivo da Saúde de Corumbá termina às 17h de hoje
Imunização
Veja quem pode se vacinar nesta sexta (17) em Corumbá
PMA
Usina é multada em quase R$ 2 milhões por incêndio em áreas protegidas por lei
Cursos Grátis
Confira programação das carretas do Cidade Empreendedora em Corumbá
Repasses
MEC lança Painel de Investimentos em Educação Básica

Mais Lidas

"Branca Pura"
Operação apreende 47 quilos de cocaína; carga é avaliada em R$ 650 mil
Criminoso
Polícia investiga incêndio na ponte do Saran na Estrada Parque
Bodoquena
Assentamento é multado em R$ 60 mil por incêndio no Pantanal
Campo Grande
Tesouro Nacional reprova administração do prefeito Marquinhos Trad e secretário