Menu
sexta, 19 de julho de 2024
Andorinha - 76 anos - Junho 2024
Andorinha - 76 anos - Junho 2024
Geral

ONGs usam alta tecnologia para salvar as cabeceiras dos rios do Pantanal

14 junho 2016 - 12h14Redação
Organizações não governamentais (ONGs) passaram a usar ferramentas de última geração para acompanhar por meio da web o avanço da degradação ambiental e propor ações imediatas para garantir a conservação de regiões de extrema sensibilidade, como o Pantanal. Por iniciativa do Instituto Homem Pantaneiro (IHP), o monitoramento da bacia do Rio Paraguai, hoje ameaçada pela soja, conta com a ajuda da alta tecnologia. Lançado em 2012 pelo IHP, o projeto Cabeceiras do Pantanal inovou em iniciativas de conservação ambiental ao incorporar uma série de soluções tecnológicas desenvolvidas pela AgroTools, maior empresa de big data do País e líder mundial no processo de geomonitoramento de riscos de ativos biológicos. O projeto iniciado no norte (Mato Grosso) da bacia do Alto Paraguai, hoje integra todo o sistema hidrográfico do Pantanal. A grande novidade anunciada pelo IHP, cuja sede fica em Corumbá, foi a disponibilização de duas plataformas públicas - um site, o Geopantanal, e o aplicativo GeoBrother. Trata-se de um banco de dados sobre a bacia, utilizando imagens de satélites, de extrema relevância para a pesquisa e órgãos de fiscalização, e um dispositivo para Android e iOS com a função de registrar crimes ambientais em tempo real.  Sustentabilidade O aplicativo para celular será distribuído às lideranças ou organizações ambientais previamente cadastradas, denominados guardiães, com a tarefa de registrar com fotografias as nascentes de sua área de atuação. Essas imagens serão inseridas na plataforma GeoPantanal, gerenciada pelo IHP, ajudando a ampliar as informações existentes e facilitando no monitoramento e controle ambiental. “A soma de esforços entre os nossos parceiros, assegurará o crescimento contínuo do agronegócio, sem que se abra mão da lucratividade e, ao mesmo tempo, da biodiversidade”, afirma Ângelo Rabelo, presidente do IHP. “Isso é fundamental, afinal, 70% dos alimentos que consumimos dependem da biodiversidade, para a qual, muitas vezes, o ser humano dá as costas, desprezando-a, sem pensar no futuro.” A implantação do GeoPantanal (geopantanal.agrotools.com.br) e do GeoBrother tornaram-se possíveis através do convênio técnico-científico entre o IHP e a AgroTools.  Por meio da tecnologia geoweb, proprietária da AgroTools, o projeto ampliou o seu alcance para toda a bacia e atuando, ainda, como ferramenta do programa de monitoramento da Rede de Proteção e Conservação da Serra do Amolar - RPCSA.  Rede de preservação De 2015 para cá, essa plataforma passou a armazenar os dados no Projeto Cabeceiras, por meio da coleta de informações territoriais que permitam a ação nos pontos mais críticos das nascentes dos rios do Pantanal. A plataforma é geocolaborativa, pois reunirá informações de diferentes modos e estará disponível para pesquisadores, gestores, técnicos ambientais e todos os interessados na preservação da região. O projeto Cabeceiras do Pantanal passa a contar, além da participação da Agro Tools, da Rede Amolar, Fundação Neotrópica, Fundação Ecotrópica, Rede Mato-grossense de Televisão (RMT), Universidade Federal de Mato Grosso do Sul/Campus Pantanal (UFMS/CPAN), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Instituto Arara Azul e SOS Pantanal. Os novos parceiros do IHP – os convênios foram assinados esta semana em Campo Grande com a presença do deputado Paulo Correa - vão desempenhar uma tarefa fundamental nesse processo. A participação da Fundação Neotrópica, por exemplo, amplia a área de monitoramento para outras bacias, como as dos rios Bonito, da Prata, Formoso, Perdido e Aquidabã; com a Ecotrópica, para as nascentes do Rio Paraguai. Para Nicholas Kaminski, biólogo da área técnica da Fundação Neotrópica do Brasil, a plataforma GeoPantanal possibilitará, principalmente, na divulgação dos problemas enfrentados pela planície pantaneira e no seu entorno. “Ela colabora na conscientização da sociedade e na cobrança de auxílio das autoridades, na busca da prevenção ambientais desses locais identificados pela ação integrada”, justifica.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

Oportunidade
Parceria com a Coca-Cola oferece capacitação gratuita para empreendedoras em MS
Tempo
Sexta-feira registra temperaturas acima da média e sol é destaque na previsão para o Estado
Corumbá dia inicia com 20°C e chega aos 33°C nos horários mais quentes
Policial
Operação conjunta recupera objetos furtados na Igreja Nossa Senhora da Candelária
Participação Popular
Responda a pesquisa que vai deixar o Capital do Pantanal com a sua cara
Mais do que informar, queremos estar presentes na vida dos leitores com pautas que sejam interessantes e importantes para o dia a dia
Oportunidade
Concurso público unificado da Justiça Eleitoral: prazo de inscrição termina hoje (18)
Em Campo Grande
Fazenda da família de Michel Teló é multada por desmatamento ilegal
Consumidor
Preço do etanol sobe média de R$ 0,40 em uma semana no estado
Empreendedorismo
Etapa estadual do Prêmio Sebrae Mulher de Negócios está com inscrições abertas em MS
Moda
Estilista de MS cria coleção com famosas onças da artista visual Lúcia Martins
Direitos Humanos
Mortes violentas no Brasil diminuem 3,4% em 2023

Mais Lidas

5 mandados
Operação da PF combate tráfico de drogas e lavagem de dinheiro em Corumbá
Últimas 24 horas
Óbito de motociclista em Ladário é destaque no plantão dos Bombeiros
Últimas 24h
Plantão registra facada, agressão física e resgate fluvial no Pantanal
Atualização
Equipes mantém monitoramento nas regiões Maracangalha e Morro do Urucum