Menu
sexta, 03 de dezembro de 2021
Agrinho
Mobile - Andorinha Dezembro
Geral

Olarte, esposa e mais dois têm prisão temporária decretada pela Justiça

15 agosto 2016 - 10h08Campo Grande News

O Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) cumpre em Campo Grande quatro mandados de prisão temporária contra o ex-vice-prefeito, afastado da função de prefeito, Gilmar Olarte (PROS), e sua esposa, Andreia Olarte, além de outras duas pessoas. Policiais do grupo, ligado ao MPE (Ministério Público Estadual em MS), amanheceram na residência do ex-vice-prefeito, nesta segunda-feira (15).

Em nota, o MPE também afirma que estão sendo cumpridos outros seis mandados de busca e apreensão na residência do casal, onde os policiais permanecem neste momento, na empresa de estética da Andreia Olarte, nas residências de Ivamil Rodrigues de Almeida e Evandro Simões Farinelli, além das empresas de ambos. Contra eles também há mandados de prisão.

As prisões e os mandados fazem parte da Operação Pecúnia e foram pedidas por meio da investigação que apura prática de crimes de lavagem de dinheiro, associação criminosa e falsidade ideológica. A ação seria desdobramento da Operação Adna Contra Olarte, cuja investigação atribui à Olarte o crime de corrupção passiva. Adna é a sigla da igreja Assembleia de Deus Nova Aliança, que, em Campo Grande, foi fundada pelo ex-prefeito.

Ainda de acordo com o Ministério Público, as investigações começaram com a quebra de sigilo bancário de Andréia Olarte e de sua empresa, além de informações de que, entre 2014 e 2015, enquanto Gilmar era prefeito, a esposa adquiriu vários imóveis em Campo Grande, alguns em nome de terceiros.

Os pagamentos teriam sido feitos em “elevadas quantias”, fazendo-o, ora em dinheiro vivo, ora por transferências bancárias e depósitos, os quais, “a princípio, são incompatíveis com a renda do casal”.

Segundo a investigação, Andreia e Gilmar contaram com a ajuda de Ivamil Rodrigues, corretor de imóveis e que seria braço direito do casal nas aquisições “fraudulentas”. Evandro Farinelli seria a pessoa que cedia o nome para que as aquisições fossem feitas em nome de Andréia Olarte.

Operação - Nesta manhã, o Gaeco cumpre mandados de busca e apreensão na residência dos dois. Até o momento, a movimentação foi de policiais revistando os dois veículos deles, estacionados na garagem da casa. Mais cedo, o advogado de Olarte, Jail Azambuja, entrou na residência, onde permanece até agora. O ex-vice-prefeito chegou a dizer que não haveria mandado de busca e apreensão contra ele e a esposa.

Na sede do Gaeco, no Parque dos Poderes, uma equipe de policiais chegou carregando um material depositado em uma espécie de saco preto. Eles não falaram com a imprensa.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Receita Federal leiloa 475 quilos de prata em Corumbá
Política
Empossado Paulo Duarte diz que vai atuar em defesa do meio ambiente
Cidades
Vereador sugere abertura de canteiro  para melhor fluidez do trânsito
Contrabando
PRF apreende 600 mil maços de cigarros contrabandeados
Chuvas intensas  
Vereador reforça necessidade de  limpeza e manutenção das galerias na cidade
Operação FO M'ALE II
Operação da Federal cumpre cinco mandados de prisões e 11 de busca em Corumbá
Tempo
Sexta será de forte calor e possibilidade de chuva isolada em MS
Corumbá tem máxima prevista de 32 ºC, segundo o Inmet
Educação
Prazo para solicitar reaplicação do Enem termina hoje
Candidato tem até as 23h59 para fazer pedido na Página do Participante
Saúde
Ministério confirma cinco casos da variante Ômicron no Brasil
Saúde
Mutirão da Dengue começa no bairro Centro América nesta sexta

Mais Lidas

Sobrecarga
Operação da PF mira na travessia de cocaína pelas estradas do Pantanal de Corumbá
Fiação Elétrica
Princípio de incêndio destrói materiais em gráfica na Porto Carreiro
Na Câmara
Vereador cobra mais rigor na fiscalização de eventos clandestinos
Em ronda
Homem é preso por porte ilegal de arma no bairro Nova Corumbá