Menu
quinta, 22 de abril de 2021
Andorinha Abril
Andorinha Abril
Geral

Nove meses depois de morte, venda de noz da Índia é proibida em todo Estado

18 novembro 2016 - 10h34Correio do Estado

Nove meses depois da morte de estudante de psicologia Ana Claudia Salles, de 38 anos, após consumir semente de noz da Índia, a produção e comercialização do produto está proibida em todo Mato Grosso do Sul. Resolução da Secretaria de Estado de Saúde (SES) foi publicada nesta sexta-feira.

De acordo com a resolução feita pela Vigilância Sanitária Estadual, o consumo da semente de noz da Índia vem sendo divulgado na internet como remédio natural para emagrecimento, no entanto, há toxicidade no produto.

“O elevado risco de intoxicação causado pelo consumo da espécie vegetal Aleurites moluccanus (nome científico da noz da Índia), pois a ingestão de apenas uma semente da planta pode resultar em quadros de intoxicação grave ou severa. Há relatos de morte e intoxicação grave em outros estados do país como SP, GO e ES. A planta já está proibida em países como Espanha, Austrália e Chile”, detalha a publicação.

Há uma série de reações que a pessoa que consumir o produto pode ter, entre elas taquicardia, alteração na frequência da respiração e até a morte. Também existe, segundo a vigilância, casos em que vendedores fraudam pacotes da semente e substituem por outra planta, conhecida como Chapéu de Napoleão, que é extremamente tóxica.

Por essas razões, foram proibidas a fabricação, importação, distribuição, divulgação e o comércio da noz da Índia em Mato Grosso do Sul. Todas as unidades do produto encontradas no Estado deverão ser apreendidas e destruídas. Quem não respeitar a regra, poderá ser punido civil e criminalmente, conforme a resolução.

MORTE

Ana Cláudia morreu na noite do dia 1º de fevereiro, depois de sofrer uma parada cardiorrespiratória enquanto estava internada em um posto de saúde do bairro Nova Bahia. A família acredita que o óbito tenha relação com o uso de Noz da Índia.

Conforme a irmã da vítima, ela começou a ingerir o produto depois de receber indicação em uma academia que frequentava, em 2015. Depois de sentir efeitos colaterais, como falta de ar, inchaço, fraqueza, queda de pressão e desmaios, além de uma lesão no fígado, ela foi diagnosticada com intoxicação hepática e parou de usar o produto.

Ana Claudia teve hepatite quando criança e a ingestão do medicamento pode ter agravado a situação. Ela aguardava por um transplante de fígado.

Dias antes, ela reclamou de falta de ar e foi levada para o posto, onde ficou internada. Ela chegou ao local consciente, mas teve piora no quadro, foi entubada e morreu.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

JUSTIÇA
181 é ferramenta para denuncia anônima em Mato Grosso do Sul
EDUCAÇÃO
Reforma de escolas municipais é solicitada por vereador durante sessão da Câmara
ESPORTE
Vereador sugere transformar o Marina Gattass em espaço para esportes radicais
LÍNGUA DE SINAIS
Projeto de Lei obriga instituições a disponibilizar intérpretes de Libras na cidade
ECONOMIA
Caixa paga auxílio emergencial a nascidos em agosto
COVID-19
Polícia investiga empresa por fraude em oferta de vacina
CIDADE
Prefeito decreta luto oficial de três dias pelo falecimento de Dom Martinez
POLICIAL
PM de Corumbá prende foragido da justiça e apreende arma branca
POLICIAL
Homem é preso por porte de drogas no bairro Popular Nova
TEMPO
Massa de ar frio pode mudar o clima em Mato Grosso do Sul nos próximos dias

Mais Lidas

POLÍTICA
Câmara aprova projeto de lei que torna escolas serviços essenciais
MUDANÇAS NO CTB
Nova Lei abranda infração para motociclistas sem viseira ou óculos de proteção
GERAL
Vereador solicita recuperação da 21 de Setembro, após intervenções da Sanesul
SEGURANÇA
Tiradentes: no dia do patrono das polícias, Governo destaca investimentos na segurança