Menu
sábado, 06 de março de 2021
Andorinha Fevereiro
Andorinha Fevereiro
Geral

Municípios buscam renegociação de dívidas com a União

01 julho 2016 - 09h04Gesiane Medeiros

A insuficiência de caixa e a arrecadação em queda-livre no último ano de seus mandatos, fez com que os prefeitos de MS buscassem junto ao governo federal, uma saída facilitada para o pagamento das dívidas ativas com a União. A pouco tempo o governo federal cedeu ao estado, uma carência de seis meses para o pagamento dos juros de suas dívidas. A proposta da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), é que os municípios tenham o mesmo beneficio.  

A alternativa foi sugerida na tarde desta quinta-feira (30) pelo presidente em exercício da Assomasul Antônio Ângelo (DEM), o Toninho da Cofapi, durante assembleia-geral ocorrida no plenário da entidade, em Campo Grande, da qual participaram prefeitos e técnicos do TCE-MS (Tribunal de Contas do Estado).

Ao abrir o encontro, o dirigente prometeu levar o assunto para a reunião do Conselho Político da CNM (Confederação Nacional de Municípios), que ocorrerá na próxima segunda-feira (4), na sede da Fecam (Federação Catarinense de Municípios), em Florianópolis (SC).

A Assomasul, no entanto, ainda não dispõe dos valores individuais correspondentes as dívidas de cada um dos 79 municípios de Mato Grosso do Sul com o governo federal.

O levantamento, segundo a entidade, está sendo feito em conjunto com a assessoria técnica da CNM. “Queremos que a União nos dê o mesmo tratamento, as mesmas condições dadas aos governadores para que os municípios possam amenizar a situação de crise que se encontram no momento”, colocou Toninho da Cofapi, ao aconselhar os colegas prefeitos a procurarem seus deputados federais a fim de reforçar a reivindicação.

A ideia é que cada um procure os parlamentares que representam seus municípios com objetivo de levar a proposta ao ministro Henrique Meirelles (Fazenda), que no último dia 20, em reunião com os governadores, concedeu aos estados 100% de desconto nas parcelas de julho até dezembro.

Por conta disso, o governo de Mato Grosso do Sul terá uma economia de R$ 600 milhões, segundo atesta o governador Reinaldo Azambuja (PSDB).

Pelo acordo, o estado voltará a repassar gradualmente o valor da dívida à União em 2017. Em janeiro, são 5% do total da parcela e em junho o pagamento será retomado integralmente. Com o novo prazo, a dívida foi estendida em mais de 20 anos.

O valor da parcela cheia, portanto, sofrerá uma redução de R$ 100 milhões por mês para aproximadamente R$ 40 milhões.

RECUPERAÇÃO DE ICMS

Na reunião, prefeito de Glória de Dourados e secretário da Assomasul, Arceno Athas Júnior, explicou os efeitos de uma ação judicial em tramitação no Tribunal de Justiça que interessa diretamente aos municípios.

Ele se referiu à ação que trata de diferenças relativas ao repasse do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) dos períodos de 1991 e 1993 que o governo do estado teria deixado de repassar as prefeituras.

Segundo ele, são cerca de 2.514.025,8057 UFIRs no ano de 1991 e 4.063.185,5901 UFIRs em 1993.

“O processo tece seu regular andamento, sendo que os desembargadores do TJMS determinaram a realização de uma perícia contábil a fim de constatar tais valores”,, explicou, acrescentando que, apesar da determinação judicial, apenas alguns municípios pagaram os custos da perícia, de modo que os que não arcaram com os valores foram excluídos do processo.

Arceno esclareceu, contudo, que apesar de os municípios serem excluídos, o STJ (Superior Tribunal de Justiça) reformou a decisão do TJMS e oportunizou aos municípios excluídos pagarem os honorários periciais para ter o direito reconhecido.

“Vale destacar, a título de exemplo, que o crédito somado de apenas cinco municípios que pagaram e tiveram direito a perícia geral em torno de R$ 9 milhões”, continuou o secretário da Assomasul, advertindo que o prazo dado pela Justiça é de 48 horas.

RESÍDUOS SÓLIDOS

Durante a reunião na Assomasul, os prefeitos participaram de uma exposição feita por técnicos do TCE-MS sobre o “Programa de Aprimoramento da Gestão de Resíduos Sólidos”.

A intenção do órgão é apoiar os municípios no sentido de buscar soluções definitivas para o fim dos lixões e a implantação dos aterros sanitários nos municípios.

Para os técnicos do TCE-MS, a situação de Mato Grosso do Sul não é diferente da mesma em que se encontram os municípios brasileiros, no aspecto de gerenciamento de resíduos sólidos urbanos, é de fato bastante precária.

Na esmagadora maioria dos municípios, o destino final dos resíduos sólidos urbanos é o lixão a céu aberto em decorrência da falta de recursos nas prefeituras.

 

Informações da Assessoria de Comunicação da Assomassul

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Aumento da gasolina também causa impacto no preço do etanol
OPORTUNIDADE
Receita Federal abre vagas de estágio em Corumbá
CULTURA
Eleitos os representantes não governamentais para o Conselho de Cultura do município
SEGURANÇA PÚBLICA
Em MS, Senad defende proposta de agilizar leilões de bens do crime organizado
POLICIAL
Bandidos armados usam carro oficial do Governo de MS para roubar casal na Afonso Pena
GERAL
Mãe é detida após espancar bebê de 9 meses com pedaço de madeira em cidade de MS
ESPORTE
Estadual de Futebol 2021 prossegue com mais quatro partidas neste fim de semana
SAÚDE
Redução de testa: Dermatologista de MS explica sobre melhores formas de tratamento
GERAL
Mulher tem bebê em casa e bombeiros prestam atendimentos
SAÚDE
Endometriose pode afetar 10% das mulheres brasileiras

Mais Lidas

POLICIAL
Homem é preso por roubo na forma tentada no bairro Maria Leite
POLICIAL
Em Corumbá três são presos com mandado de prisão em aberto
INCÊNDIO
Consultório Odontológico pega fogo no Maria Leite
POLICIAL
Polícia Militar de Corumbá prende homem por violência doméstica no Dom Bosco