Menu
sábado, 18 de setembro de 2021
Expresso Mato Grosso - Junho
Geral

Mudança no protocolo de diagnóstico da Covid-19 pode explodir casos em MS

10 setembro 2020 - 10h54Redação Capital do Pantanal

As mudanças feitas pelo Ministério da Saúde nas normativas de diagnóstico da Covid-19,  estão em vigor desde o começo de agosto, porém somente agora, pouco mais de um mês depois, o efeito está sendo percebido.  O número de casos está aumento fora da curva esperada, isso por que diagnósticos com base em sintomas e exames como raio-x e tomografias, estão sendo considerados  conclusivos e, desta forma contabilizados nas notificações  confirmadas. Antes, só se considerava um caso positivo após resultado do teste clínico ou rápido.

De acordo com o site Campo Grande News, a secretária-adjunta de Saúde, Christine Maymone, esclareceu que o aumento de casos será ainda mais explosivo em Campo Grande, já que na  Capital, devido o número elevado de confirmações de infectados, as equipes estão mais habituadas aos sintomas e reações da doença.

“Vai ter aumento de casos porque sempre haverão números ainda não consolidados, mas isso é um processo normal”, afirma Christine. Segundo ela, com ampliação da forma de diagnóstico, a covid-19 segue o que já ocorre com outras doenças, como a dengue, por exemplo, em que não apenas os exames de sangue revelam e confirmam se uma pessoa teve ou não a doença.

A partir do momento que o governo Federal ampliou os critérios para as confirmações de casos de covid-19, foram emitidas orientações a todos os municípios, bem como nota técnica”, informou a SES (Secretaria de Estado de Saúde).

Tais critérios são: o clínico, que pode ser identificado com a simples observação médica, caso o paciente apresente sintomas compatíveis;  o clínico epidemiológico, que é quando a pessoa tem, além dos sintomas, histórico de contato próximo com caso confirmado; o clínico por imagem, em que exames de tomografia ou raio-x indiquem quadro compatível com covid e por fim, os testes moleculares e sorológicos, que eram as únicas formas de diagnóstico até então.

A infectologista Mariana Croda, do COE (Comitê de Operações de Emergência) da SES explica, no entanto, que mesmo que o critério clínico esteja sendo adotado, Mato Grosso do Sul continua realizando os testes de detecção, principalmente em pacientes que porventura tenham vindo a óbito.

“Mesmo nos casos em que um atestado de óbito tenha saído como Covid, é preciso haver uma investigação do caso. É superestimado? É! Mas é preciso para colher o exame e ter certeza da cauda da morte, como sendo Covid ou não”.

Para Christine Maymone, algum alvoroço sobre o tema ocorre porque o novo coronavírus é uma doença nova, ainda desconhecida e cuja “história natural” todos estão vivendo pela primeira vez. “Isso é um processo comum na vigilância epidemiológica de várias doenças”, afirma.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Tentativa de Homicídio
Adolescente é socorrido com perfuração de bala na coxa
Auditoria
Brechas favorecem corrupção em mais de 90% das organizações públicas de MS, revela TCU
Espancamento
Rapaz vítima de agressão é socorrido inconsciente no bairro Camalote
Trânsito
Motociclista é socorrido com fratura na perna
Limpeza
Centro e Aeroporto recebem mutirão da dengue
23 vagas
Inscrição para o processo seletivo da Saúde de Corumbá termina às 17h de hoje
Imunização
Veja quem pode se vacinar nesta sexta (17) em Corumbá
PMA
Usina é multada em quase R$ 2 milhões por incêndio em áreas protegidas por lei
Cursos Grátis
Confira programação das carretas do Cidade Empreendedora em Corumbá
Repasses
MEC lança Painel de Investimentos em Educação Básica

Mais Lidas

Espancamento
Rapaz vítima de agressão é socorrido inconsciente no bairro Camalote
Trânsito
Motociclista é socorrido com fratura na perna
23 vagas
Inscrição para o processo seletivo da Saúde de Corumbá termina às 17h de hoje
Homenagem
Praça Palestina em Corumbá completa dois anos de criação