Menu
sábado, 24 de julho de 2021
Expresso Mato Grosso - Junho
Expresso Mato Grosso - Promoção de Junho
Geral

Mudança no ingresso do ensino infantil e fundamental já pode valer em 2019

03 agosto 2018 - 09h05Midiamax

O STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu esta semana que crianças precisam completar seis anos até o dia 31 de março para poderem ingressar no ensino fundamental e quatro anos para que possam entrar no ensino infantil. A norma até já existia no MEC (Ministério da Educação), mas a notícia deixou os pais confusos, afinal, o que fazer agora?

Superintendentes da Semed (Secretaria Municipal de Educação) se reuniram na quinta-feira (2) com o Conselho Municipal de Educação e o assunto entrou em pauta. De acordo com a Secretaria, não houve alteração de legislação e a Reme (Rede Municipal de Educação de Campo Grande) irá cumprir o que estabelece as normativas legais em âmbito nacional e municipal. A medida pode começar a valer em 2019 e a Semed irá organizar o processo de matrícula e inserção das crianças conforme legislação.

“Nenhuma criança será prejudicada em função dessa decisão, pois não é uma condição de repetência, somente de corte etário para entrada no 1º ano do Ensino Fundamental e na Pré-Escola da Educação Infantil. Não ocorrerá nenhum atraso no rendimento escolar, pois entende-se que a antecipação do ingresso de crianças no Ensino Fundamental é que impõe novas exigências no processo de ensino e aprendizagem das crianças, acarretando violação dos direitos da infância e a fragilização da Educação Infantil, descaracterizando-a do seu princípio formativo”, disse em nota.

O MEC explica que o STF manteve uma decisão que já existia, mas que alguns estados não obedeciam. “A partir de agora, todo o país deve seguir. Uma vez dada a decisão do STF, é preciso cumprir”, informou. A regulamentação da decisão fica por conta do CNE (Conselho Nacional de Educação), que explica que questão foi colocada em pauta por questionamentos da Procuradoria-Geral da República e do estado do Mato Grosso do Sul.

Para o conselheiro Ivan Siqueira, vice-presidente da Câmara de Educação Básica do CNE, a decisão favorece a situação dos alunos que precisam mudar de escola e até de estado, além da gestão dos próprios sistemas de ensino. “Isso garante, entre outras coisas, os direitos dos alunos que não ficam prejudicados com as mudanças”. Em nota, o CNE informa que todas as escolas do país terão que respeitar a data para matricular as crianças na educação infantil e no ensino fundamental.

O que dizem educadores e pais

A doutora em educação infantil Mariéte Félix Rosa confirma que a medida já existia, mas que muitas vezes, não era respeitada. “Esta é uma decisão bem antiga, o STF veio reafirmar o que temos defendido há muitos anos. Já era resolução do CNE, já estava em deliberações dos conselhos municipais e estaduais de educação. O problema é que os pais, as famílias, as escolas, recorriam na justiça para tentar antecipar e colocar crianças antes dos seis anos, mas agora vaio ficar mais difícil”. A doutora ainda explica que a data corte existe em Campo Grande há anos e que está incluída em deliberação do Conselho Municipal de Educação.

A dona de casa Priscila Araújo, de 39 anos, concorda com a decisão do STF e acredita que entrar no ensino fundamental muito cedo pode ser prejudicial para as crianças. Priscila explica que o filho caçula pulou o pré II, mas a recepção da escola permitiu que ele pulasse o ano, já que faria aniversário poucos dias depois de 31 de março. “Me disseram que se eu assinasse uma autorização ele poderia ir direto para o primeiro ano. Hoje me arrependo, porque ele está no terceiro com dificuldade na letra cursiva. Quanto a aprendizado está tudo ok, é ótimo aluno, mas percebo que falta maturidade para determinados assuntos e dinâmicas que a série exige”, afirma.

Já Rute Rodrigues Ferraz, de 41 anos, é mãe de dois filhos e acredita que a escola deveria analisar caso a caso para discutir se o aluno tem condições de estudar determinada série. Segundo ela, cada criança tem um nível de compreensão e repetir o processo pode desestimular a criança a ir para a escola.

A cabeleireira Adriana Matos, de 29 anos, tem uma filha de sete anos e conta que ela foi inserida no primeiro ano do fundamental com cinco anos, pois faria seis ainda em março, conforme determina o STF. Porém, mesmo entrando no período adequado, a mãe acredita que isso aconteceu muito cedo. “Ela não tem facilidade para aprender, até agora não aprendeu a ler e eu acho que isso acontece por entrar muito cedo no primeiro ano. A escola não liga se a criança aprende, o que importa é passar a criança. Vejo que vão passar minha filha para o terceiro ano e ela não sabe ler”, se revolta.

Para a doutora em educação infantil, é preciso que os pais deixem a ansiedade de lado e pensem no bem das crianças. “As crianças também têm um período certo para viver cada coisa. A gente tem que pensar no todo, não individualmente. Tem que pensar que todas as crianças têm direito a preservar a infância, para brincarem, socializarem e conviverem, isso que é importante”, finaliza.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Acidente
Motociclista fratura clavícula após perder controle em lombada
Bombeiros
Incêndio urbano atinge vegetação em morraria com difícil acesso
Município
Decreto prorroga por mais 14 dias medidas para diminuir contaminação pela Covid-19
Decisão Popular
Servidores optaram por receber o 13° salário de forma integral em dezembro
Previsão
Sancionada LDO que prevê receita de R$ 18,47 bilhões para MS em 2022
Esperança
Taxa de contágio da Covid se mantém abaixo de 0,90 há uma semana em MS
Investigação
Caso Maria Stella Coimbra: jovem teria fotografado documento do suposto estuprador
Sem contrato
Santa Casa de Corumbá perde serviço de Urologia
Tempo
Final de semana continua com alerta para tempo seco em Mato Grosso do Sul
Facilidade
Saúde credencia laboratório e exames podem ser agendados na própria unidade de saúde

Mais Lidas

Sem contrato
Santa Casa de Corumbá perde serviço de Urologia
Investigação
Caso Maria Stella Coimbra: jovem teria fotografado documento do suposto estuprador
Acidente
Motociclista fratura clavícula após perder controle em lombada
Município
Decreto prorroga por mais 14 dias medidas para diminuir contaminação pela Covid-19