Menu
domingo, 24 de janeiro de 2021
Andorinha Janeiro/Fevereiro
Andorinha Janeiro/Fevereiro Mobile
Geral

MS fecha 1º semestre com superávit de US$ 1,49 bilhão e queda nas exportações puxada pela China

04 julho 2019 - 07h57Portal do Governo de Mato Grosso do Sul

Os resultados no comércio exterior de Mato Grosso do Sul no primeiro semestre de 2019 apontam um superávit de US$ 1,49 bilhão, sendo US$ 2,6 bilhões de exportações e US$ 1,13 bilhão de importações. O saldo, em grande parte, foi gerado pelo aumento nas negociações de celulose, primeiro produto da pauta estadual com o setor externo, que teve uma elevação de 11,82% em relação ao primeiro semestre de 2018, representando 40,2% do total da pauta de exportações. As informações estão na Carta de Conjuntura do Setor Externo divulgada hoje pela Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar).

Entretanto, a queda de 39,92% nas exportações de soja reduziu a participação do segundo produto de exportações, que representou 27,42% da pauta de exportações do Estado. “A performance das exportações de Mato Grosso do Sul no primeiro semestre de 2019 foi inferior ao registrado no mesmo período do ano passado, uma queda em torno de 13%. Isso ocorreu devido ao impacto da economia internacional na economia sul-mato-grossense”, comenta o secretário Jaime Verruck.

De acordo com o titular da Semagro, “houve uma queda de 39% na soja em grão, em relação a 2018 e também caíram 24% as exportações para a China. A questão da mortalidade suína na China reduziu a demanda do grão por aquele país, como também aconteceu com a Argentina. Os chineses, no entanto, continuam sendo o principal parceiro comercial de Mato Grosso do Sul, com 45,85% da pauta. Temos uma queda pontual, decorrente de uma redução mundial pela soja em grão, mas temos também outras oportunidades”.

Já o desempenho da carne bovina teve elevação dos valores exportados em 32,28% em relação 2018. “Esse crescimento da carne bovina ocorre devido ao restabelecimento das negociações com os Estados Unidos e a reabilitação de frigoríficos para exportação de carne ao mercado norte-americano. A participação dos EUA na pauta passou de 2,31% para 5,43%”, pontou Jaime Verruck.

Com relação ao crescimento da celulose, o secretário lembra que “a celulose vem mostrando que é um produto mais estável, com mais resistência à sazonalidade do mercado. É importante também lembrarmos do milho. Temos uma estimativa de super safra, com 10,1 milhões de toneladas. O Governo do Estado já alterou as regras de paridade do grão, por entender que esse é o momento de o produtor de milho exportar, de aproveitar o bom mercado, com mais competitividade. Mesmo sem a paridade, as exportações de milho no primeiro semestre de 2019 foram 77% maiores em relação ao ano passado.  Temos uma tendência de crescimento, pois há demanda”, finalizou.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLICIAL
Grupo é preso por tráfico de droga no Popular Nova
ECONOMIA
Apostador de Fortaleza acerta os seis números sorteados na Mega-Sena
SAÚDE
Saúde começa segunda fase de distribuição de vacinas contra a Covid-19
TEMPO
Neste domingo Corumbá tem temperatura mínima de 23°C e máxima de 31°C
EDUCAÇÃO
O que é preciso saber para o segundo dia do Enem
GERAL
Correios celebra Dia do Carteiro e 358 anos de serviço postal
COVID-19
Boletim Covid-19 deste sábado registra óbitos em 12 municípios
GERAL
Startup de design investe em site para vender produtos sul-mato-grossenses
GERAL
Mega-Sena sorteia neste sábado prêmio de R$ 22 milhões
DEFESA CIVIL
Sala de Situação do Imasul alerta para risco de transbordamento dos rios Miranda e Aquidauana

Mais Lidas

COVID-19
Boletim Covid-19 deste sábado registra óbitos em 12 municípios
DEFESA CIVIL
Sala de Situação do Imasul alerta para risco de transbordamento dos rios Miranda e Aquidauana
EDUCAÇÃO
O que é preciso saber para o segundo dia do Enem
GERAL
Mega-Sena sorteia neste sábado prêmio de R$ 22 milhões