Menu
quarta, 21 de abril de 2021
Andorinha Fevereiro
Andorinha Fevereiro
Geral

MS aceita ampliar contrato de ferrovia, mas quer cronograma de investimentos

17 janeiro 2017 - 11h47Campo Grande News

Renovação ou não da concessão com a empresa operadora, a Rumo/ALL, e o futuro do sistema ferroviário em Mato Grosso do Sul. Este será o tema da audiência que o secretário estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico, Jaime Verruck, terá na próxima segunda-feira, dia 23, em Brasília, com o secretário-executivo do Programa de Parcerias de Investimentos, Moreira Franco, responsável pela área de concessões e investimentos em infraestrutura do Governo Federal.

 “O Governo do Estado já tem pronto um estudo de demanda e viabilidade econômica da malha oeste (a ferrovia em MS), e não somos contra a renovação da concessão por mais 30 anos como deseja a Rumo, mas isso tem que estar vinculado a um cronograma de investimentos. Se não for com a Rumo que seja com qualquer outro grupo interessado, desde que venha com um cronograma definido e não com proposta de viabilizar investimentos ao longo do contrato”, disse o secretário Jaime Verruck, nesta segunda-feira, em entrevista ao Campo Grande News, por telefone.

A Rumo/ALL admite investir na recuperação da malha ferroviária em Mato Grosso do Sul, mas com a ressalva de que, para garantir o investimento, precisa da ampliação do prazo de concessão para ter o retorno do dinheiro injetado nas obras necessárias.

“Também entendemos que em dez anos (é o tempo que resta para o fim do atual contrato) é inviável a recuperação de volume de capital investido, mas aceitamos estender o contrato com a garantia do cronograma de investimentos na nossa ferrovia”, frisou Jaime Verruck. 

No início do mês, a Rumo ALL pediu ao Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) licença para construir pátios ferroviários em cruzamentos de Mato Grosso do Sul. 

Sem esperança - Ouvido pelo Campo Grande News, Willian Monteiro, do Sindicato dos Trabalhadores Ferroviários, disse que não acredita mais em nenhuma proposta que venha da empresa Rumo/ALL.

“A Rumo pode até dizer que tem interesse em investir em Mato Grosso do Sul, mas não acredito. Outro problema sério é que a Rumo não cumpre contrato. Tomara que a gente se surpreenda, mas no momento não existe nenhum indicativo de que alguma gestão da empresa possa beneficiar Mato Grosso do Sul. A Rumo sempre privilegiou a Ferronorte, que passa por Mato Grosso do Sul, porém, não acrescenta nada para o nosso estado", disse Monteiro.

Segundo ele,  a Rumo desviou dois mil vagões graneleiros e 95 locomotivas da malha oeste em Mato Grosso do Sul para outras ferrovias.

"A Rumo abandonou total a nossa ferrovia e ficamos nós aqui brigando por um mínimo de manutenção. Em torno de 700 funcionários ficaram na mão, somente em Mato Grosso do Sul foram demitidos 450 funcionários. Até o RH (Recursos Humanos) foi desativado, e hoje a empresa só tem funcionários em Corumbá e Três Lagoas", afirmou o dirigente do Sindicato dos Ferroviários.

DEMANDA E VIABILIDADE ECONÔMICA – De acordo com o estudo realizado pelo Governo do Estado em parceria com o ILOS (Instituto de Logística e Supply Chain), empresa especializada em estudos logísticos, e apresentado em setembro de 2015,a recuperação da malha ferroviária em Mato Grosso do Sul exigirá investimentos de R$ 1,9 bilhão.

O levantamento revela que está no setor de papel e celulose a grande oportunidade para a ferrovia em Mato Grosso do Sul, batizada de malha oeste. Além do volume já transportado atualmente por ferrovia, a exequibilidade passa pela expansão da produção na região de Três Lagoas e pelo novo projeto em Ribas do Rio Pardo.

Outro desafio está no crescimento expressivo do transporte de combustíveis, saltando de 5% transportado em 2014 para 75% da participação do mercado. O estudo ainda contempla o aumento da captação da carga geral produzida e consumida no Estado, além da manutenção das cargas atuais, como o minério da região de Corumbá.

Atualmente, a malha oeste transporta cerca de 6 milhões de toneladas por ano. Considerando uma tarifa competitiva, é necessário que o volume atinja 14,5 milhões de toneladas anuais para sustentar a viabilidade da ferrovia na região, aponta o estudo de demanda.

Para atendimento desse volume potencial, considerando a melhoria no nível de segurança, o aumento da capacidade e da eficiência, o investimento necessário para adequar a malha oeste a esse novo patamar de carga é de R$ 1,9 bilhão, com a previsão de obras de infra-estrutura e superestrutura, adequação de pontes e passagens em nível, extensão e construção de pátios, e aumento de carga por eixo – além da compra de mais de 70 novas locomotivas e mais de 2 mil vagões.

O estudo prevê esses investimentos irão reduzir o custo variável da operação da ferrovia, mas para garantir a viabilidade do projeto ainda é necessária a concretização de algumas premissas, tais como a realização de 100% do volume potencial em contratos de longo prazo, a redução do custo fixo, isenção de impostos, a definição de uma linha de financiamento adequada e a extensão do prazo de concessão para amortização dos recursos investidos.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

COVID-19
Sugerida utilização de sobras de vacina para imunizar pessoal de funerárias e da limpeza pública
COVID-19
Vereador reforça a necessidade de imunizar gestantes contra o coronavírus
GERAL
Justiça Eleitoral realizará live sobre segurança da urna eletrônica e processo eleitoral no dia 28
GERAL
Brasília completa 61 anos e encara o desafio da maturidade
GERAL
Vereador solicita recuperação da 21 de Setembro, após intervenções da Sanesul
CIDADE
Vereador pede sinalização adequada para evitar mais acidentes na Colombo com a Ladário
POLÍTICA
Governo lança plano de promoção da agricultura de baixo carbono
POLÍTICA
Câmara aprova projeto de lei que torna escolas serviços essenciais
GERAL
Matrícula para curso de medicina da UEMS pode ser feita até dia 26 de abril
MUDANÇAS NO CTB
Nova Lei abranda infração para motociclistas sem viseira ou óculos de proteção

Mais Lidas

GERAL
Corumbá perde dez leitos na UTI Covid por falta de cadastro
POLICIAL
PRF apreende 665 Kg de maconha e 75 Kg de skunk em MS
GERAL
Homem é preso por porte de drogas no Cravo Vermelho
POLICIAL
'Deu branco e não vi', diz homem que atropelou ex e o próprio bebê em MS