Menu
quinta, 02 de dezembro de 2021
Andorinha Dezembro
Mobile - Andorinha Dezembro
Geral

MPMS recomenda postura mais rigorosa de promotores em ações de racismo e homofobia

14 julho 2021 - 08h43MídiaMax

O MPMS (Ministério Público Estadual de Mato Grosso do Sul) publicou no Diário Oficial desta quarta-feira (14), uma recomendação para que promotores atuem com “mais rigor” em casos envolvendo ações penais por crimes de racismo e homofobia. O objetivo é que não sejam aplicados instrumentos de consenso criminal como por exemplo transação penal, suspensão condicional de processo acordo de não persecução penal. 

A medida foi assinada por Alexandre Magno Benites de Lacerda, procurador-geral de Justiça, Silvio Cesar Maluf, corregedor-geral do MPMS, e Helton Fonseca Bernardes, coordenador do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça Criminais e do Controle Externo da Atividade Policial. Foi considerado, para tanto, a Lei nº 7.716/1989, que define os crimes “resultantes de preconceito de raça ou cor” e o artigo 140 do Código penal que consiste em injuriar alguém por causa da raça, cor, etnia, religião e origem. 

Neste sentido, foi ressaltado ainda que o STF (Supremo Tribunal Federal) reconheceu a mora do Congresso Nacional para incriminar atos atentatórios a direitos fundamentais dos integrantes da comunidade LGBTQI+, enquadrando homofobia e transfobia, reais ou supostas, que envolvam aversão odiosa à orientação sexual ou à identidade de gênero de alguém, como crimes de racismo, até o Poder Legislativo dispor acerca da matéria. 

“Os(as) Promotores(as) de Justiça ficam orientados a se absterem de aplicar qualquer instrumento consensual, a exemplo da transação penal, da suspensão condicional do processo e do acordo de não persecução penal, em procedimentos judiciais criminais e em procedimentos investigatórios criminais que versem sobre crimes de racismo, compreendidos aqueles tipificados na Lei nº 7.716/1989 e no art. 140, § 3º, do Código Penal, uma vez que desproporcionais e incompatíveis com infração penal dessa natureza, violadora de valores sociais, humanitários e igualitários” lê-se na recomendação. 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Crescimento
MS tem 37,9 mil trabalhadores formais a mais que antes da pandemia
Polícia
'Deu Zebra' não chega nem perto de donos do jogo do bicho e policiais se revoltam em Campo Grande
Meio Ambiente
Sanesul é cobrada para eliminar descarte de lodo na região do Porto Geral
Benefício
Nascidos em dezembro têm até o dia 31 para aderir ao saque-aniversário
Infraestrutura
Recuperação de galeria no bairro cervejaria é urgente
Acidente
Motociclista sofre ferimentos em queda acidental
Inédito
Bonito recebe primeiro voo em conexão direta com Congonhas nesta quinta-feira (02)
Habitação
Decreto regulamenta projeto Lote Urbanizado e cria novas regras e prazos
Rio Brilhante
Empresários que tiveram prisão decretada na operação 'Dark Card' estão foragidos
Jovens Empreendedores
Alunos de Escolas Municipais de Porto Murtinho expõem produtos desenvolvidos em sala

Mais Lidas

Alerta
Estudantes de medicina denunciam faculdade boliviana por aulas presenciais com casos de Covid
Desdobramentos
Universidade de medicina na Bolívia responde denúncia e concede exame virtual
Farsa
Bolivianos são presos ao tentavam ir para a Europa com documentos paraguaios
Cidade
Briga de casal termina com marido ferido por faca