Menu
domingo, 18 de abril de 2021
Andorinha Fevereiro
Andorinha Fevereiro
Geral

MPMS instaura Inquérito Civil para apurar omissão de socorro e falsidade ideológica no Hospital Universitário de Dourados

26 julho 2016 - 08h18Ana Paula Leite/ASSECOM MPMS

O Promotor de Justiça Etéocles Brito Mendonça Dias Junior, titular da 10ª Promotoria de Justiça, instaurou Inquérito Civil para apurar omissão de socorro e falsidade ideológica no Hospital Universitário de Dourados (MS).

De acordo com a Notícia de Fato n° 01.2016.0003205-4, o Hospital Universitário apresentou dificuldades na disponibilização de vagas de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) em casos de urgente necessidade de internação e que, apesar, do Município de Dourados dispor de uma Central de Regulação de Leitos, aparentemente, não estava funcionando regularmente.

Notícias jornalísticas veiculadas no Jornal O Progresso, em 29/06/2016, detalhou que, por força de uma dívida de R$ 21 milhões, o Hospital Universitário de Dourados demitiu oito médicos, o que vai culminar com o fechamento de serviços como a especialidade de cabeça e pescoço, além de limitar neurocirurgia e cirurgias gerais. Segundo nota da direção da unidade, o corte unilateral de recursos deu-se por parte do Gestor Municipal de Saúde.

A Notícia de Fato foi convertida em Procedimento Preparatório para apurar eventual deficiência da dinâmica de funcionamento da central, especialmente quando em casos de solicitação de transferência de vagas para o Hospital Universitário de Dourados, assim como as reais causas das eventuais negativas apresentadas pelo último.

O Conselho Municipal de Saúde realizou diligência no Hospital Universitário e constatou a presença de 24 leitos vazios na tarde de 17 de junho de 2016 (por volta das 15h), e a informação da Direção da FUNSAUD (Fundação de Serviços de Saúde de Dourados), entidade gestora do Hospital da Vida e da UPA (Unidade de Pronto Atendimento), foi que o Universitário negou, nos dias 16 e 17 também de junho, por nada menos que 26 vezes, a transferência de pacientes em estado grave, sob a alegação de superlotação.

Diante dos fatos, o Ministério Público Estadual instaurou Inquérito Civil e encaminhou ofício à Polícia Federal, para fins de apuração dos delitos de omissão de socorro e falsidade ideológica em continuidade delitiva, por parte dos agentes públicos que detém o poder de negativa/aceitação de transferência de pacientes do hospital federal. Também oficiou o Ministério Público Federal e a Comissão de Direitos Humanos da OAB/MS (Ordem dos Advogados do Brasil Seccional de Mato Grosso do Sul).

Requisitou também à Secretaria Municipal de Saúde informações sobre a veracidade da eventual troca do médico regulador do SUS (Sistema Único de Saúde), conforme informação extraoficial que chegou ao conhecimento do Parquet.

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

KIT INTUBAÇÃO
Cooperativa médica adota medidas emergenciais para otimizar uso de medicamentos em falta no mercado
GERAL
Presos brigam em cela e um acaba morto em presídio de MS
SAÚDE
Dia Mundial da Hemofilia: condição genética dificulta coagulação
UEMS
UEMS oferta 78 bolsas no valor de R$ 400 para Projetos de Ensino
SAÚDE
Com mais um drive thru na Praça CEU, Prefeitura retoma vacinação contra a Covid-19
GERAL
Dupla-Sena da Páscoa sorteia prêmio de R$ 30 milhões neste sábado
GERAL
Pandemia e isolamento aumentam procura por cultivo de plantas em casa
ECONOMIA
Prorrogação de imposto alivia orçamento de bares e restaurantes, avalia Abrasel
PANTANAL
Com mais de 50 programas, apresentador divulga belezas do Pantanal na TV
GERAL
Servidores da Agepen recebem primeira dose da vacina contra Covid-19

Mais Lidas

GERAL
Presos brigam em cela e um acaba morto em presídio de MS
PANTANAL
Com mais de 50 programas, apresentador divulga belezas do Pantanal na TV
CORONAVÍRUS
Coronavírus: variante P1 já é predominante em Mato Grosso do Sul
SAÚDE
Com mais um drive thru na Praça CEU, Prefeitura retoma vacinação contra a Covid-19