Menu
sábado, 24 de julho de 2021
Expresso Mato Grosso - Junho
Expresso Mato Grosso - Promoção de Junho
Geral

MPF reúne ribeirinhas, entidades públicas e privadas para discutir produção sustentável e subsistência no Pantanal

04 junho 2019 - 08h00MPF

Com o objetivo de fortalecer as atividades das mulheres ribeirinhas que extraem da biodiversidade pantaneira os produtos para sua subsistência e apresentar à sociedade as dificuldades que elas enfrentam, o Ministério Público Federal (MPF) promoveu, nesta segunda-feira, 3 de junho, um colóquio de sustentabilidade inserido na programação alusiva à Semana do Meio Ambiente no município de Corumbá (MS).

Representantes das comunidades tradicionais corumbaenses de Antônio Maria Coelho, Porto Esperança, Paraguai Mirim, Barra do São Lourenço e da Apa Baía Negra, além do assentamento rural Bandeirantes de Miranda (MS), compartilharam suas experiências e apresentaram a pesquisadores, políticos e empresários a dura realidade enfrentada diariamente, seja para ter acesso a direitos básicos como educação, saúde e saneamento, seja para garantir o escoamento dos produtos que extraem e manufaturam localmente.

São as dificuldades que aproximam a realidade de mulheres que moram a quilômetros de distância umas das outras, como a Edil de Antônio Maria Coelho, a Natalina de Porto Esperança, a Júlia da Apa Baía Negra, a Josi do Paraguai Mirim, a Catarina da Barra do São Lourenço. Umas produzem doces. Outras catam iscas ou trançam a fibra do aguapé para fazer cestos e bolsas. Mas a falta de acesso à água tratada, a inexistência de coleta de lixo, as condições precárias de moradia: tudo isso faz com que os esforços envidados na gestão de seus produtos artesanais fiquem em segundo plano.

“Por isso pensamos no colóquio. O foco não foi apenas expor e valorizar o trabalho dessas mulheres, mas permitir o diálogo entre vários atores da sociedade, estabelecer contatos para o protagonismo e autonomia das ribeirinhas, possibilitar a proximidade entre setores que até então não interagiam”, resumiu a procuradora da República Maria Olivia Pessoni Junqueira, responsável pela organização do evento.

Promovido com o apoio da Fundação do Meio Ambiente do Pantanal (FMAP) e da Ong Ecoa, o colóquio contou com a presença de representantes dos poderes executivo e legislativo municipal, da Embrapa, da UFMS, da Comissão Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais (CNPCT), do setor turístico e da mineradora Vale, que possui polos extrativistas próximos a algumas dessas comunidades. Ao final de três horas de reunião, em que todos puderam se manifestar, foi possível estabelecer vínculos e a necessidade de pensar em rede, de maneira integrada, a fim de garantir a existência e a manutenção das comunidades tradicionais pantaneiras.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Acidente
Motociclista fratura clavícula após perder controle em lombada
Bombeiros
Incêndio urbano atinge vegetação em morraria com difícil acesso
Município
Decreto prorroga por mais 14 dias medidas para diminuir contaminação pela Covid-19
Decisão Popular
Servidores optaram por receber o 13° salário de forma integral em dezembro
Previsão
Sancionada LDO que prevê receita de R$ 18,47 bilhões para MS em 2022
Esperança
Taxa de contágio da Covid se mantém abaixo de 0,90 há uma semana em MS
Investigação
Caso Maria Stella Coimbra: jovem teria fotografado documento do suposto estuprador
Sem contrato
Santa Casa de Corumbá perde serviço de Urologia
Tempo
Final de semana continua com alerta para tempo seco em Mato Grosso do Sul
Facilidade
Saúde credencia laboratório e exames podem ser agendados na própria unidade de saúde

Mais Lidas

Sem contrato
Santa Casa de Corumbá perde serviço de Urologia
Investigação
Caso Maria Stella Coimbra: jovem teria fotografado documento do suposto estuprador
Acidente
Motociclista fratura clavícula após perder controle em lombada
Município
Decreto prorroga por mais 14 dias medidas para diminuir contaminação pela Covid-19