Menu
sexta, 22 de janeiro de 2021
Andorinha Janeiro/Fevereiro
Andorinha Janeiro/Fevereiro Mobile
Geral

MPF pede suspensão de direitos políticos de Nelsinho Trad

24 novembro 2018 - 07h48MPF/MS

O Ministério Público Federal (MPF) em Mato Grosso do Sul (MS) ajuizou recurso solicitando reforma da sentença que condenou o ex-prefeito de Campo Grande Nelson Trad Filho por improbidade administrativa. O ex-prefeito e senador eleito no pleito de 2018 foi acusado e condenado por fazer propaganda pessoal em obras públicas, utilizando-se de totens com menção do próprio nome e numeração da obra realizada.

Na decisão, a Justiça Federal condena o ex-prefeito a ressarcir o Município com a quantia utilizada para produção dos totens, além do pagamento de multa equivalente a oito vezes a remuneração recebida por ele em novembro de 2012. No recurso, o MPF pede que seja incluída entre as sanções a suspensão de direitos políticos por cinco anos e que seja majorada a multa para valor não inferior a 20 vezes o valor da remuneração recebida em novembro de 2012.

O MPF argumenta que a Lei de Improbidade Administrativa (8.429/92) preconiza cinco sanções, de acordo com a gravidade do fato: ressarcimento integral do dano, perda da função pública (se houver), suspensão de direitos políticos, pagamento de multa civil de até 100 vezes o valor recebido pelo agente e proibição de contratar com o Poder Público ou receber incentivos fiscais. Além disso, a mesma lei preconiza ainda que o juiz deve levar em conta a extensão do dano causado, assim como o proveito patrimonial obtido.

Apesar de não haver proveito patrimonial direto, no sentido econômico-financeiro, o MPF considera que os totens, construídos com recursos públicos, foram usados com o intuito de se autopromover e, assim, obter vantagem política indevida. “As edificações não trazem quaisquer outras informações relevantes permitidas pela Constituição; ao contrário, ostentam tão somente o nome do apelado e um número, em tamanho muito maior que a própria descrição da obra. Não há dúvida de que foram erigidas pelo apelado com o único intuito de enaltecer a sua pessoa”, frisou o órgão ministerial.

A Constituição Federal garante a publicidade dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos em caráter educativo ou de orientação social, mas proíbe expressamente constar nesses materiais nomes, símbolos ou imagens que caracterizem, de qualquer forma, promoção pessoal de autoridades ou servidores públicos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

GERAL
Chuva acima da média histórica desabriga famílias
SAÚDE
Em quatro dias, mais de 11 mil pessoas foram vacinadas contra Covid-19 em Mato Grosso do Sul
COVID-19
Mais de 30 mortes por coronavírus são registradas em apenas um dia no Estado
Denúncia
Mato, esgoto estourado e lixo tomam conta de Ladário
UTILIDADE PÚBLICA
Sanesul informa que poderá faltar água no bairro Jardim Aeroporto e imediações
Meio Ambiente
Em liberdade e monitorada: onça resgatada em incêndio do Pantanal é devolvida à natureza
POLICIAL
PM prende homem com mandado de prisão após ocorrência de furto de moto no Cristo Redentor
PRORROGADO TOQUE DE RECOLHER
Toque de recolher é prorrogado em Mato Grosso do Sul
EDUCAÇÃO
Enem 2020 tem novidades em acessibilidade
ESQUEMA DE COMBUSTÍVEL
PRF flagra esquema de furto de combustíveis e condutor entregou óleo diesel em Corumbá

Mais Lidas

OPORTUNIDADE
Senai de Corumbá está com vagas abertas para cinco cursos técnicos presenciais e EAD
GERAL
Índios guatós comemoram chegada de internet em aldeia no Pantanal
GERAL
Desconto em cursos do Senac Corumbá vai até o dia 31 de janeiro
MEIO AMBIENTE
Serviço Geológico do Brasil divulga prognóstico para cheia na bacia do rio Paraguai