Menu
domingo, 17 de outubro de 2021
Andorinha - Setembro e Outubro
Andorinha - Outubro e Novembro - MOBILE
Geral

Militares denunciam comandante dos Bombeiros por abuso de autoridade

09 julho 2021 - 08h37Sylma Lima

As primeiras denúncias foram feitas ao jornal da capital, o MídiaMax, após mais de 80 militares de todo Estado serem escalados para serviço de combate a incêndios na região do Pantanal, em Corumbá. Após três dias de ação, os militares não encontravam ocorrências que justificasse a convocação de tantos homens, trazidos de outras cidades para a operação Hefesto desde o dia 2 de julho, enquanto seus quarteis seguiam desfalcados. 

Após as reclamações, o oficial dos Bombeiros teria enviado áudios alegando que, se necessário, apertaria as escalas. Depois, ao saber que o áudio foi amplamente divulgado, enviou outro pedindo que o anterior fosse ignorado. Mesmo com as reclamações, dias depois outra operação de combate a incêndio teve início nas regiões de Bonito e Jardim.  

Cerda de 50 bombeiros militares de outras cidades, como Campo Grande, Amambai, Ponta Porã e Sidrolândia foram escaldos. Um foco de incêndio foi combatido no Morro do Matheus e outro a aproximadamente 50 quilômetros de Jardim. E 

Os bombeiros militares afirmam que não se expõem para não sofrerem represálias do comando, pois segundo eles “não existe fogo”. A reclamação não é pelo trabalho, mas pela escala apertada e também pela quantidade de militares que teria sido escalada para os serviços, desfalcando os quartéis nas outras cidades.  

No fim da tarde desta quinta-feira (8), os militares protocolaram na ACS PMDM MS (Associação dos Policiais Militares e Bombeiros Militares de Mato Grosso do Sul) junto à Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública), um pedido de intervenção do secretário para que o atual comandante do Corpo de Bombeiros se redima ou seja afastado. 

O presidente da associação, Mário Sérgio Couto, informou ao site da capital que o ofício foi entregue com pedido para que o secretário Antônio Carlos Videira tome uma providência sobre o comandante-geral do Corpo de Bombeiros de Mato Grosso do Sul. Nesta semana, denúncias por parte de militares que alegam coação e abusos do comando foram divulgadas. 

“O pedido é para o comandante mudar a estratégia de gestão dele. Caso não se redima, para que o secretário então tome uma medida de afastamento”, afirmou Couto. Também conforme o presidente da ACS, se não houver uma intercessão da Sejusp, eles devem buscar medidas judiciais em defesa dos bombeiros militares. 

‘Eu que mando’ 

Denúncias de assédio moral por parte dos bombeiros são inúmeras e, de acordo com Mário Sérgio Couto, o comandante teria deixado bem claro que não recebe ordens de ninguém, e que é 'ele quem manda'. 

Muitos bombeiros relatam estarem ficando doentes, com esgotamento psicológico e físico, por causa desse autoritarismo, sendo que alguns já teriam falado em tirar a própria vida. Segundo Mário, o comandante não respeita e nem tenta diálogo com a associação. 

Áudios 

Áudios circularam nas redes sociais mostrando a situação em que os bombeiros foram submetidos. “Senhores, boa tarde. Aos comandantes noticiem seus militares que militar não tem folga, militar tem licenciamento. Noticiem o que se for necessário cair a escala de 24h/48h a escala vai cair. Se tiver que cair de 24h/24h vai cair. É assim que é nossa profissão. Se não fizeram antes vai ser feito agora.” 

Quando as reclamações vieram à tona, a assessoria dos bombeiros disse que foi necessário empenhar diversos militares na Operação Hefesto pela peculiaridade desse combate e trabalho estratégico com objetivo de preservação do meio ambiente. A respeito dos áudios do oficial sobre ter que “cair a escala”, a assessoria afirma que é uma situação que ocorre, conforme as demandas dos serviços operacionais, sem novidade. 

“Ressalta-se que a Corporação trabalha com escala de serviço. Os bombeiros militares empenhados neste momento na Operação Hefesto ficarão por tempo determinado, que pode variar conforme evolução do sinistro, sendo posteriormente substituídos por outros bombeiros militares ou acionando mais militares para a missão, somando com o efetivo no local”. 

“Por fim, o CBMMS reafirma seu compromisso com o Meio Ambiente e destaca que todos os trabalhos realizados neste momento são fundamentais para que se evite desastre ambiental maior, como o que ocorreu no ano passado”, finalizam.  

Com informações do jornal MídiaMax

Deixe seu Comentário

Leia Também

Tragédia
Médico do interior de SP é um dos sobreviventes de barco que naufragou; quatro parentes morreram
Atualizações
Dois dos corpos encontrados no rio Paraguai são identificados
Inédito
Tempestade de areia: Energisa recebeu 4 mil chamados em Campo Grande
Dia Mundial da Alimentação
Em MS, 69% da população está com excesso de peso e 36% com obesidade
Ensino Superior
UEMS investe mais de R$ 13 milhões em bolsas e auxílios para estudantes
Transporte
Expresso Queiroz tem autorização suspensa por incapacidade de atender passageiro
Defesa Civil
Tempestade de poeira e vendaval causaram estragos em pelo menos sete nos municípios
Cidade em alerta
Ventos de 64 km/h destelharam 20 casas em Corumbá
Previsão Meteorológica
Tempo continua fechado com chance de mais chuva para grande parte do Estado
Tragédia
Naufrágio no rio Paraguai deixou sete pessoas desaparecidas

Mais Lidas

Tragédia
Médico do interior de SP é um dos sobreviventes de barco que naufragou; quatro parentes morreram
Tragédia
Naufrágio no rio Paraguai deixou sete pessoas desaparecidas
Atualizações
Dois dos corpos encontrados no rio Paraguai são identificados
Cidade em alerta
Ventos de 64 km/h destelharam 20 casas em Corumbá