Menu
sábado, 06 de março de 2021
Andorinha Fevereiro
Andorinha Fevereiro
Geral

Mesmo após negociação, sistema de registro de crimes continua inoperante

24 setembro 2016 - 09h42Gesiane Medeiros

Contrato de negociação de dívida firmado na última quinta-feira (23), entre a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) e a empresa Compnet, responsável pelo SIGO (Sistema Integrado de Gestão Operacional), que prometia o pagamento da dívida por parte do governo e em contrapartida o retorno de um SIGO ainda mais poderoso, a partir de ontem (23), não foi cumprido. A mensagem: “Houve um erro em sua requisição. Por favor contacte o suporte”, continua aparecendo ao acessar o sistema. 

Mato Grosso do Sul (MS) foi o primeiro estado a lançar um sistema tão completo e integrado quanto Sigo, que virou referência para os demais estados do país, porém desde o mês de julho a polícia enfrenta problemas de mau funcionamento do sistema, que encerrou as atividades no dia 11 de setembro, atingindo 13 dias sem operação.

A empresa responsável pelo sistema não recebia pela manutenção do software há pelo menos um ano e sete meses, conforme noticiado pelo site Campo Grande News, da capital. No contrato, ficou estabelecido que a empresa receberia do Governo do Estado R$ 36,4 milhões, em parcelas de R$ 760 mil mensais. Ainda não se sabe ao certo porque a promessa de que o sistema retornaria a partir das 16 horas de ontem  (23) não foi cumprida, devido ao final de semana, o Capital do Pantanal não conseguiu contato com os órgãos competentes.

Confira no destaque em vermelho a mensagem que aparece na data e horário de consulta ao sistema. Foto: Reprodução Sistema 

Enquanto o funcionamento do Sigo não é normalizado, as delegacias do estado devem cumprir com a ordem do Delegado Geral da Polícia Civil, que determinou pela portaria n° 128, publicada em Diário Oficial na última sexta-feira (16), que nenhuma delegacia deve recusar o registro de ocorrências e demais procedimentos por conta da falta do sistema.

O documento impõe que os registros devem ser feitos em software de texto instalados nos computadores das delegacias e que após o retorno do SIGO, devem ser incorporados ao sistema, sem duplicidade. O não cumprimento da determinação pode acarretar pena de responsabilidade.

A publicação se estende para serviços de registro de ocorrências, lavraturas de autos de prisão em flagrante, movimentação de presos, consultas e cumprimento de mandados de prisão, além das inserções e baixas de restrições criminais acerca de veículos automotores e demais procedimentos de polícia judiciária.

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Aumento da gasolina também causa impacto no preço do etanol
OPORTUNIDADE
Receita Federal abre vagas de estágio em Corumbá
CULTURA
Eleitos os representantes não governamentais para o Conselho de Cultura do município
SEGURANÇA PÚBLICA
Em MS, Senad defende proposta de agilizar leilões de bens do crime organizado
POLICIAL
Bandidos armados usam carro oficial do Governo de MS para roubar casal na Afonso Pena
GERAL
Mãe é detida após espancar bebê de 9 meses com pedaço de madeira em cidade de MS
ESPORTE
Estadual de Futebol 2021 prossegue com mais quatro partidas neste fim de semana
SAÚDE
Redução de testa: Dermatologista de MS explica sobre melhores formas de tratamento
GERAL
Mulher tem bebê em casa e bombeiros prestam atendimentos
SAÚDE
Endometriose pode afetar 10% das mulheres brasileiras

Mais Lidas

POLICIAL
Homem é preso por roubo na forma tentada no bairro Maria Leite
POLICIAL
Em Corumbá três são presos com mandado de prisão em aberto
INCÊNDIO
Consultório Odontológico pega fogo no Maria Leite
POLICIAL
Polícia Militar de Corumbá prende homem por violência doméstica no Dom Bosco