Menu
sábado, 25 de setembro de 2021
Expresso Mato Grosso - Junho
Geral

Médicos da Santa Casa estão sem receber salários há três meses

18 agosto 2021 - 09h17Gesiane Sousa

A denúncia é do Sindicato dos Médicos de Mato Grosso do Sul (Sinmed), de acordo com o órgão represente da categoria, 50 médicos do corpo clínico da Santa Casa de Corumbá estão sem pagamento há três meses, porém mesmo assim continuam atuando bravamente na linha de frente da Covid-19. 

O caso ganhou espaço na mídia da Capital e foi veiculado ontem no site MídiaMax, veículo que recebeu a denúncia do Sindicato.  

Os profissionais em difícil situação financeira, encaminharam um documento para a prefeitura e para a gestão da Santa Casa com a expectativa de que a situação se resolva, mas até o momento não há previsão. O sindicato assegurou que está ciente e que tomara às providências cabíveis para auxiliar os médicos. 

Um dos médicos da Santa Casa, disse que a categoria tem enfrentado dificuldades para dialogar com a administração do hospital, que não responde às solicitações dos médicos. 

“Já mandamos outros documentos para a administração, mas não respondem. Estamos apenas pedindo que nos respondam quando e como vão nos pagar. Não estamos pedindo aumento, apenas queremos receber pelo nosso trabalho”, afirmou. Ele destaca que a categoria na Santa Casa de Corumbá está sem reajuste salarial nos plantões há oito anos. 

O secretário de saúde, Rogério dos Santos Leite, defendeu a administração municipal e afirmou desconhecer a situação, pontuando que os repasses municipais estão em dia para a Santa Casa.  

Em nota divulgada, a Santa Casa diz que a falta de pagamento aconteceu devido ao atraso do repasse mensal do Governo Federal. Segundo a administração, as dificuldades financeiras existem antes mesmo da pandemia da Covid-19 se estabelecer em Mato Grosso do Sul e pontua que está negociando com os médicos para deixar os pagamentos em dia.  

“A Santa Casa de Corumbá esclarece que vem buscando formas de regularizar a saúde financeira do hospital, e isto envolve também o pagamento dos plantões dos profissionais médicos do hospital; Em virtude do atraso no repasse do Governo Federal,quanto a verba COVID-19, a folha dos plantões médicos de Junho/2021 está em atraso”, disse em trecho de nota. 

O hospital esclarece que, quanto a folha de pagamento dos meses de julho e agosto, a administração ainda está no prazo para realizar os pagamentos. “Considerando que os profissionais médicos não possuem vínculo celetista, e sim, como prestadores de serviço, em sua maioria pessoa jurídica”, pontua. 

Em nota, o hospital diz que encaminhou uma minuta de contrato de prestação de serviços médicos aos profissionais que trabalham na instituição para abrir negociação. “. Todas as medidas adotadas pela Santa Casa, inclusive de contenção de gastos, são urgentes e estão acontecendo, buscando sempre reafirmar o compromisso de prover a melhor assistência médico-hospitalar a toda população”, diz. 

 

Com informações do MídiaMax

Deixe seu Comentário

Leia Também

Denúncia
Homem morre e família acusa médica da UPA de negligência
Palestras
3ª edição da Semana da Saúde do Sesc tem foco nos reflexos da pandemia
SCT 2021
IFMS abre inscrições para Semana de Ciência e Tecnologia
Javaporco
PMA flagra criação ilegal de javalis em propriedade de Dourados
Alerta
De agendamentos a esquemas de 'pirâmides', entenda os maiores golpes do Pix em MS
Retomada
Fundtur recebe inscrições no Programa "Incentiva+MS Turismo" até 5 de outubro
Bonito
Mulher é multada em R$ 5 mil por desmatamento ilegal em área protegida
Imunização
Veja quem pode se vacinar neste fim de semana em Corumbá
Balanço
Mais de 50% das drogas apreendidas na Operação Fronteiras e Divisas I são de MS
Economia
Comércio deve facilitar pagamento e ser cauteloso para o Dia das Crianças

Mais Lidas

Bairro Vila Mamona
Funcionários de construção amarram autor de furto e acionam PM
Capital
Presos usam celulares até em banho de sol na Máxima
Flagrante
Dupla é presa por tráfico de drogas na área central de Corumbá
Estava Foragida
Boliviana investigada por desastre da Chapecoense é mantida em Corumbá até extradição