Menu
terça, 28 de setembro de 2021
Expresso Mato Grosso - Junho
Geral

Mais de 120 organizações se unem contra leilão de áreas de petróleo e gás pela ANP

Áreas leiloadas incluem terras agrícolas do MS, grandes produtoras de pecuária e soja

07 dezembro 2020 - 14h25Assessoria de Imprensa

Em meio à pandemia e às diversas tragédias ambientais enfrentadas pelo país, a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis realizou novo leilão de áreas de exploração e produção de óleo e gás - a chamada Oferta Permanente -, nesta sexta-feira, no Rio de Janeiro.

Foram arrematados 17 blocos exploratórios, em seis bacias (Campos, Paraná, Amazonas, Espírito Santo, Potiguar e Tucano) e uma área com acumulações marginais (Juruá, da Bacia do Solimões), totalizando uma área de quase 20 mil km². 

As empresas Eneva e Enauta levaram quatro blocos na bacia do Paraná no estado de Mato Grosso do Sul- impactando diretamente os municípios de Figueirão, Chapadão do Sul, Cassilândia, Camapuã, Paraíso das Águas, Santa Rita do Pardo, Bataguassu, Nova Andradina, Anaurilândia, Angélica, Ivinhema e Novo Horizonte do Sul

As regiões são grandes e importantes produtoras agrícolas e pecuárias - impactando, assim, diretamente a economia do estado.

Os blocos de terra leiloados incluem regiões de grande impacto no Mato Grosso do Sul. Foi ignorada a perda da biodiversidade local e o impacto negativo sobre o agronegócio, em uma região que sobrevive economicamente de produções agrícolas, de pecuária e soja. 

A ANP não apresenta nenhum estudo de exploração. Não há explicação para a metodologia da exploração do bloco e nem a preocupação dos impactos ambientais, sociais e econômicos.

Desde 2018, Amarildo Cruz discutia na Assembleia Legislativa os riscos da exploração do gás no Estado e pedia uma análise detalhada sobre os impactos causados no processo. Na época apresentou proposta para que a exploração fosse suspensa por dez anos para realização de Estudo de Impacto Ambiental e produção de um Relatório de Impacto Ambiental (Rima) da bacia hidrográfica a ser explorada, o que não aconteceu.

"Os danos da exploração do gás de xisto são inegáveis. Temos exemplos de destruição ambiental por todo o mundo. Contaminação da água e solo. Devemos investir em outras fontes de energia, conciliar crescimento econômico e preservação da natureza. Não há como obter o pleno desenvolvimento econômico se não pensarmos mecanismos eficazes que evitem a degradação do meio ambiente. Desenvolvimento sustentável significa atender às necessidades da atual geração, sem comprometer a capacidade das futuras gerações”, reforçou Amarildo.

A exploração do petróleo e gás na região do Mato Grosso do Sul impacta diretamente as atividades econômicas já consolidadas no estado, com a ameaça  aos agricultores e pecuaristas que podem perder suas terras, além dos riscos de contaminação de água utilizada não só para criação gado e irrigação para a agricultura, mas também da água potável que abastece a população. 

Vale lembrar que o estado de Victoria, na Austrália - maior produtor de pecuária do mundo - proibiu a exploração de petróleo, gás e fracking para impedir perdas econômicas para os produtores, com o risco de contaminação da água que poderia impossibilitar que toda a indústria pecuária funcionasse, impedindo assim a importação da carne. 

Em meio aos questionamentos, uma única audiência foi realizada para discutir o tema e a maioria dos presentes representava as próprias petroleiras. Um processo fechado, que não contou, em nenhum momento, com a participação das populações (pecuaristas e  agricultores) diretamente impactadas. 

A Arayara realiza uma ação intensiva, com outras organizações, contra os leilões realizados em áreas de alto impacto ambiental, social e de risco à biodversidade. 

Foi elaborada uma carta aberta ao MME e à ANP, assinada por mais de 120 organizações, demandando a suspensão imediata da oferta permanente de fósseis e abertura de diálogo sobre alternativas energéticas. 

Uma série de relatórios científicos já apontam que, para conter o caos climático, não se pode furar nenhum poço novo, construir nenhuma mina nova, nenhuma termelétrica fóssil nova. Tem que deixar os combustíveis fósseis no chão. Cada leilão novo que a ANP faz coloca em risco a segurança climática do planeta inteiro”, ressalta Nicole Oliveira, diretora da Arayara, que há 10 anos enfrenta os leilões de petróleo e combate iniciativas que colocam em risco o meio ambiente e a população. 

Em 2015, a instituição conseguiu cancelar, por meio judicial, a venda de blocos de petróleo em territórios de indígenas isolados do Acre para a realização do fraturamento hidráulico (fracking). No ano passado, marcaram presença entregando uma carta, junto a outras ONGs, pelo cancelamento do megaleilão do pré-sal.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Tradição Popular
Entrega dos doces de Cosme e Damião é fé, devoção e caridade
Fronteira
Ex-vereador é morto por pistoleiros em Ponta Porã
Amambai
Ação conjunta apreende 260 Kg de maconha na rodovia MS 156
Costume Popular
Agetrat alerta motoristas sobre os cuidados no dia de São Cosme e Damião
Exemplo
Enfermeira de MS recebe prêmio nacional pelo trabalho na área de transplante de órgãos
Serviço
Últimos dias para licenciar veículos com placa final 9
Corumbá
Barraco de madeira é destruído pelo fogo na parte alta
Trânsito
Dois pedestres são atropelados durante conversão de via no Guatós
Ventania
Queda de mais de 10 árvores bloquearam a rodovia BR 262
Oportunidade
Fundação do Trabalho oferta 1.953 vagas de emprego em Mato Grosso do Sul

Mais Lidas

Queimadas
Vento forte faz fogo se espalhar e famílias ribeirinhas são resgatadas na madrugada
Fronteira
Ex-vereador é morto por pistoleiros em Ponta Porã
Trânsito
Dois pedestres são atropelados durante conversão de via no Guatós
Tradição Popular
Entrega dos doces de Cosme e Damião é fé, devoção e caridade