Menu
domingo, 18 de abril de 2021
Andorinha Fevereiro
Andorinha Fevereiro
Geral

Máfia dos consignados operava até na antessala de Ruiter Cunha, diz testemunha

07 junho 2017 - 11h54Topmídia News

O esquema conhecido como ‘máfia dos consignados’, em que servidores faziam empréstimos para gestores pagarem com dinheiro público, através de gratificações, era operado até mesmo na antessala do prefeito de Corumbá, Ruiter Cunha (PSDB). É o que afirma testemunha ouvida em audiência de instrução de julgamento realizada nesta segunda-feira (5).

“O servidor, no instante que contratava o empréstimo, sacava integralmente e entregava para os acusados. O pagamento era com a gratificação indevida e, no dia em que quitava o empréstimo, o salário voltava o normal. A testemunha que foi ouvida conta que entregou o dinheiro para um subordinado na antessala do prefeito e ele entrou no gabinete do prefeito”, relata o promotor Luciano Bordignon Conte.

De acordo com Luciano, além da testemunha, dois dos réus confirmaram a existência do esquema. Os servidores cooptados para a quadrilha geralmente ocupavam cargos comissionados e eram pressionados para realizar empréstimos bancários, que eram pagos através de gratificações da prefeitura. O dinheiro era entregue em espécie para os réus.

“Segundo as informações da análise documental e dos depoimentos, os empréstimos variavam muito, geralmente entre R$ 10 mil e R$ 50 mil. Dependia do cargo do servidor porque o salário menor tinha margem menor, pois o banco limita o empréstimo a 30% da renda da pessoa. Então eles alteravam o holerite dos servidores”, explica Luciano.

Conforme o promotor, os pagamentos eram controlados através de planilhas e vários documentos que foram fraudados. “Um servidor que ganhava R$ 2 mil, quando era cooptado, o salário dele dobrava. Ele recebia indevidamente gratificação de 100%, chegando a R$ 4 mil, e outra gratificação de 100%, que chegava a R$ 8 mil”.

Com o holerite adulterado, o servidor comparecia ao banco e fazia o empréstimo. Ainda segundo Luciano, os participantes sacavam o dinheiro no mesmo dia ou no dia seguinte, na ‘boca do caixa’, e entregava para os superiores. As gratificações indevidas eram mantidas até o pagamento total do empréstimo, ou seja, era pago com dinheiro público.

O promotor não informa o nome dos envolvidos porque o processo tramita em sigilo, no entanto, a reportagem apurou que um dos réus que confirmou o esquema é o ex-gerente de Recursos Humanos, Wilson Roberto Ferreira Pereira. Ele é um dos subordinados do prefeito Ruiter Cunha arrolados ao processo.

Segundo Luciano, a investigação foi colocada em segredo não para proteger os envolvidos, mas porque o Ministério Público conseguiu a quebra do sigilo fiscal e bancário dos réus, então o processo possui dados como imposto de renda e lista de bens dos investigados que são informações protegidas por lei.

O processo

Após a audiência com as testemunhas que moram em Corumbá, que aconteceu na segunda, devem ser realizadas oitivas por carta precatória para que as pessoas arroladas ao processo que moram em outras cidades possam ser ouvidas. Depois disso, o processo retorna para a comarca do município, para sentença da juíza Luiza Vieira de Sá de Figueiredo, da Vara de Fazenda Pública e de Registros Públicos.

Como a ação criminal foi transferida para o TJ-MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) após a eleição de Ruiter Cunha, que voltou a ter foro privilegiado, apenas o processo de improbidade administrativa tramita na Comarca de Corumbá. Assim, a pena de prisão está descartada, mas o prefeito pode ser condenado à perda de cargo, cassação e aplicação de multa para reparo dos danos ao erário público. O mesmo vale para os demais réus.

A reportagem tentou o contato, por telefone, com o advogado José Valeriano Fontoura, que defende o prefeito na ação judicial, mas não obteve retorno até o fechamento desta matéria.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

KIT INTUBAÇÃO
Cooperativa médica adota medidas emergenciais para otimizar uso de medicamentos em falta no mercado
GERAL
Presos brigam em cela e um acaba morto em presídio de MS
SAÚDE
Dia Mundial da Hemofilia: condição genética dificulta coagulação
UEMS
UEMS oferta 78 bolsas no valor de R$ 400 para Projetos de Ensino
SAÚDE
Com mais um drive thru na Praça CEU, Prefeitura retoma vacinação contra a Covid-19
GERAL
Dupla-Sena da Páscoa sorteia prêmio de R$ 30 milhões neste sábado
GERAL
Pandemia e isolamento aumentam procura por cultivo de plantas em casa
ECONOMIA
Prorrogação de imposto alivia orçamento de bares e restaurantes, avalia Abrasel
PANTANAL
Com mais de 50 programas, apresentador divulga belezas do Pantanal na TV
GERAL
Servidores da Agepen recebem primeira dose da vacina contra Covid-19

Mais Lidas

GERAL
Presos brigam em cela e um acaba morto em presídio de MS
PANTANAL
Com mais de 50 programas, apresentador divulga belezas do Pantanal na TV
CORONAVÍRUS
Coronavírus: variante P1 já é predominante em Mato Grosso do Sul
SAÚDE
Com mais um drive thru na Praça CEU, Prefeitura retoma vacinação contra a Covid-19