Menu
quarta, 03 de março de 2021
Governo do Estado - Campanha de Março
Geral

Juros do cheque especial atingem o recorde de 315,7% ao ano

27 julho 2016 - 10h30Agência Brasil

A taxa de juros do cheque especial continuou subindo em junho. De acordo com dados do Banco Central (BC), divulgados hoje (27), a taxa do cheque especial aumentou 4,7 pontos percentuais de maio para junho, quando chegou a 315,7% ao ano. Essa é a maior taxa da série histórica do BC, iniciada em julho de 1994.

Em 2016, a taxa do cheque especial subiu 28,7 pontos percentuais em relação a dezembro de 2015, quando estava em 287% ao ano.

Já taxa de juros do rotativo do cartão de crédito caiu 0,6 ponto percentual de maio para junho. Mesmo assim, continua sendo a mais cara entre as pesquisadas pelo BC. Em junho, ficou em 470,9% ao ano.

O rotativo é o crédito tomado pelo consumidor quando paga menos que o valor integral da fatura do cartão. Essa é a modalidade com taxa de juros mais alta na pesquisa do BC.

Compras parceladas e crédito pessoal

A taxa média das compras parceladas com juros, do parcelamento da fatura do cartão de crédito e dos saques parcelados, subiu 0,5 ponto percentual e ficou em 149,5% ao ano.

A taxa do crédito pessoal caiu 1,5 ponto percentual indo para 128,3% ao ano. Já a taxa do crédito consignado (com desconto em folha de pagamento) diminuiu 0,2 ponto percentual e está hoje em 29,4% ao ano.

A taxa média de juros cobrada das famílias teve redução de 0,3 ponto percentual, de maio para junho, quando ficou em 71,4% ao ano. A inadimplência do crédito, considerados atrasos acima de 90 dias, para pessoas físicas, teve redução de 0,2 ponto percentual e está em 6,1%.

A taxa de inadimplência das empresas também caiu 0,2 ponto percentual e ficou em 5,1%. A taxa média de juros cobrada das pessoas jurídicas ficou estável: 30,3% ao ano. Esses dados são do crédito livre em que os bancos têm autonomia para aplicar o dinheiro captado no mercado e definir as taxas de juros.

No caso do crédito direcionado (empréstimos com regras definidas pelo governo, destinados, basicamente, aos setores habitacional, rural e de infraestrutura) a taxa de juros para as pessoas físicas subiu 0,1 ponto percentual para 10,5% ao ano.

A taxa cobrada das empresas sofreu redução de 0,2 ponto percentual indo para 11,7% ao ano. A inadimplência das famílias ficou em 1,7%, com queda de 0,4 ponto percentual em relação a maio. A taxa de inadimplência das empresas chegou a 1,1%.

O saldo de todas as operações de crédito concedido pelos bancos caiu 0,5% em junho e 2,8% no ano. No mês passado, o saldo ficou em R$ 3,130 trilhões. Esse valor correspondeu a 51,9% de tudo o que o país produz – Produto Interno Bruto (PIB) - ante o percentual de 52,5% de maio deste ano.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

COMBATE A PANDEMIA
Vereadores buscam emendas parlamentares para aquisição de vacinas contra a Covid-19
ADMINISTRAÇÃO
Projeto de Lei prevê criação de Subprefeituras no Município de Corumbá
BOLETIM COVID
Covid-19: MS tem mais de 183 mil casos confirmados e 3,3 mil mortes
DESENVOLVIMENTO
Cinco mil pessoas que vivem em áreas remotas do Pantanal terão energia elétrica
SEM MÉDICO PERITO
INSS de Corumbá não realiza perícia médica e complica vida de trabalhadores
POLICIAL
Após briga mulheres são presas no bairro Aeroporto
POLICIAL
PM prende irmãs após briga no Popular Nova
DESAPARECIDO
Trabalhador de fazenda na Região do Paiaguás está desaparecido
ECONOMIA
Preços de produtos industrializados sobem 3,36% em janeiro
HABITAÇÃO
Durante sessão, vereador pede à Prefeitura, regularização fundiária no Jatobazinho

Mais Lidas

OPORTUNIDADE
IEL oferece vagas de estágio para Corumbá e mais 5 cidades do Estado
POLICIAL
PM prende irmãs após briga no Popular Nova
POLICIAL
Após briga mulheres são presas no bairro Aeroporto
EDUCAÇÃO
Vereadores aprovam projeto do Executivo que atende professor temporário na Reme