Menu
quinta, 22 de outubro de 2020
Prefeitura 1
Prefeitura 2 mobile
Geral

Indústria de MS recupera mesmo patamar de produção anterior à Covid-19

22 setembro 2020 - 10h45Redação

O nível da atividade industrial em Mato Grosso do Sul melhorou pelo quarto mês consecutivo e o indicador de evolução da produção já acumula alta de 26,3 pontos, demostrando recuperação da retração registrada no setor devido à pandemia mundial do novo coronavírus (Covid-19), de acordo com a Sondagem Industrial realizada pelo Radar Industrial da Fiems junto a 64 empresas no período de 1º a 14 de setembro deste ano.

Segundo o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems, Ezequiel Resende, já é possível afirmar que a produção industrial retornou ao mesmo patamar anterior à Covid-19. “Recuperamos o mesmo nível de atividade industrial registrado antes de abril deste ano, quando teve ampliação das medidas de restrição à circulação e concentração de pessoas por conta da atual pandemia”, pontuou.

Ele informa que somente em agosto 85% das empresas industriais do Estado apresentaram estabilidade ou aumento na produção - 44% das empresas com produção estável e 41% com crescimento. “Comparando com o mesmo mês do ano passado, essa participação foi superior em 5 pontos percentuais. Com esse desempenho, o índice de evolução da produção fechou agosto de 2020 em 60,8 pontos, indicando crescimento de 10,7 pontos sobre igual mês do ano anterior e de 9,6 pontos sobre a média histórica obtida para o mês”, informou.

Sobre a utilização da capacidade instalada, o economista relata que também teve um aumentou na passagem de julho para agosto. “Em agosto, 70% dos respondentes disseram que a utilização da capacidade instalada ficou igual ou acima do usual para o mês. Já o patamar médio de utilização da capacidade total ficou em 75%, indicando aumento de 2 pontos percentuais em relação ao mês anterior. O indicador de uso efetivo em relação ao usual fechou o mês de agosto em 51 pontos, resultado 7 pontos acima da média histórica obtida para o mês”, detalhou.

Perspectivas

Com relação ao índice de expectativa do empresário industrial, Ezequiel Resende explica que, em setembro deste ano, 64,5% das empresas responderam que esperavam aumento na demanda por seus produtos nos próximos seis meses e, em relação ao mesmo anterior, o índice apresentou melhora de 1,7 ponto. Em setembro, 57,9% das empresas responderam que esperam aumento na demanda por seus produtos nos próximos seis meses, mas, para o mesmo período, 4,7% preveem queda e 37,5% das empresas acreditam que o nível de demanda se manterá estável.

A respeito dos empregados, em setembro, 59,7% das empresas responderam que esperavam aumentar o número de trabalhadores nos próximos seis meses, enquanto, em relação ao mesmo anterior, o índice apresentou uma melhora de 2 pontos percentuais. Ainda em setembro, 34,4% das empresas responderam que esperam aumentar o número de empregados nos próximos seis meses, enquanto 3,1% apontou que esse número deve cair e 62,5% das empresas esperam manter o quadro de funcionários estável.

No caso das exportações, em setembro, 58% dos respondentes disseram esperar aumento nas exportações de seus produtos nos próximos seis meses, enquanto o índice apresentou uma melhora de 3,6 pontos percentuais. Em setembro, 9,4% dos respondentes disseram esperar aumento nas exportações de seus produtos nos próximos seis meses, enquanto 1,6% acreditam que deva ocorrer queda e as empresas que preveem estabilidade para suas exportações responderam por 14,1% do total e 75% disseram que não exportam.

Sobre a intenção de investimento do empresário industrial, há uma melhora na passagem de agosto para setembro. “Em setembro, o índice ficou em 57,4 pontos, indicando aumentos de 1 ponto sobre o mês anterior e de 8,7 pontos em relação à média histórica do mês. O resultado reflete a participação somada das empresas industriais que disseram que provavelmente ou seguramente farão investimentos nos próximos seis meses, que alcançou o equivalente a 59,4% do total. Por fim, o índice varia de 0 a 100 pontos, quanto maior o índice, maior é a intenção de investir”, explicou o coordenador.

Índice de Confiança do Empresário Industrial 

O Índice de Confiança do Empresário Industrial de Mato Grosso do Sul (ICEI/MS) alcançou em setembro 63,4 pontos, indicando aumento de 2,5 pontos, quando comparado com o mês anterior e de 7,6 pontos em relação à média histórica do mês. “A melhora na confiança deve-se, sobretudo, ao maior do otimismo do empresário com relação aos próximos seis meses. Somada também a percepção de que a economia está se recuperando, em especial pela melhora na avaliação das condições atuais da própria empresa”, reforçou o economista.

Ele completa que é importante ressaltar que a avaliação da situação econômica atual voltou ao patamar positivo após cinco meses, sinalizando que, na percepção do empresário, está cada vez mais claro que o pior momento da crise causada pela pandemia ficou para trás. Em setembro, 37,5% dos respondentes consideraram que as condições atuais da economia brasileira pioraram, no caso da economia estadual, a piora foi apontada por 32,8% dos participantes e, com relação à própria empresa, as condições atuais estão piores para 23,5% dos respondentes.

Já para 28,1% dos empresários não houve alteração nas condições atuais da economia brasileira, sendo que em relação à economia sul-mato-grossense esse percentual foi de 42,2% e, a respeito da própria empresa, o número ficou em 37,5%. Para 32,9% dos empresários as condições atuais da economia brasileira melhoraram, enquanto em relação à economia estadual esse percentual ficou em 23,4% e, no caso da própria empresa, o resultado foi de 37,5%. “Os que não fizeram qualquer tipo de avaliação das condições atuais da economia brasileira, estadual e do desempenho da própria empresa responderam igualmente 1,6%”, ressaltou.

Expectativas

Sobre as expectativas para os próximos seis meses, o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems informa que em setembro 6,3% dos respondentes disseram que estão pessimistas em relação à economia brasileira. “Em relação à economia estadual, o resultado alcançou 3,1% e, quanto ao desempenho da própria empresa, o pessimismo também foi apontado por 3,1% dos empresários”, informou.

Os que acreditam que a economia brasileira deve permanecer na mesma situação ficou em 28,1%, sendo que em relação à economia do Estado esse percentual alcançou 34,4% e, a respeito da própria empresa, o número chegou a 29,7%. “Já 64% dos empresários se mostraram confiantes e acreditam que o desempenho da economia brasileira vai melhorar”, ressaltou.

Em relação à economia estadual, o resultado ficou em 60,9% e, no caso da própria empresa, 65,7% dos respondentes confiam numa melhora do desempenho apresentado. “Os que não fizeram qualquer tipo de avaliação das expectativas em relação à economia brasileira, estadual e do desempenho da própria empresa responderam igualmente por 1,6%”, finalizou Ezequiel Resende.

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Operação Ceuci
Extração de madeira e pecuária estão entre ilegalidades praticadas em área de reserva indígena em MS
Evento
Visita virtual a Feiras de Ciência e Tecnologia do IFMS segue até sexta-feira
Economia
Produção industrial de MS tem melhor resultado para o mês de setembro desde 2010
Atualização Covid-19
MS registra óbito de adolescente de apenas 15 anos na Capital por coronavírus
Infraestrutura
Mais uma obra é licitada para implantação do corredor rodoviário no Pantanal
Descumpriu medida protetiva
Homem é preso por violência doméstica e ameaça na zona sul
Geral
Donos de frigorífico admitiram ‘medo de cadeia’ no grupo da família
Variedades
As maiores loterias do mundo
Bolívia
“Eu não sou Evo”, afirma Luis Arce em resposta as críticas de que o ex-presidente terá cargo em seu governo
Dependência Química
Usuário tenta esfaquear a própria mãe para comprar drogas

Mais Lidas

Reflexão Crítica
Quem são os candidatos "invisíveis" no horário político de Corumbá
Região Central
Homem é preso em cumprimento a dois mandados de prisão
Tecnologia nas Eleições
E-Título passa a ter foto do eleitor e pode ser usado como documento oficial para votar
Atualização Covid-19
Corumbá registra 12 positivos nas últimas 24 horas