Menu
sábado, 15 de maio de 2021
Andorinha - Maio
Andorinha - Maio
Geral

Importação de gás natural em MS regride ao nível de 13 anos atrás

07 julho 2017 - 08h48Campo Grande News
O volume de gás natural boliviano que entra no Brasil por Mato Grosso do Sul atualmente está nos meses patamares de 13 anos atrás. De acordo com o Alice Web (Sistema de Análise das Informações de Comércio), do MDIC (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior), a importação do produto recuou 27% no primeiro semestre deste ano em relação ao mesmo período de 2016. Queda na compra do gás significa, na contabilidade do Estado, retração de receita.
 
No acumulado de janeiro a junho, foram importados 2,94 milhões de toneladas (unidade de grandeza usada pelo MDIC) de gás natural da Bolívia. Em iguais meses do ano passado, a compra totalizou 4,08 milhões de toneladas. O valor correspondente a essa movimentação diminuiu de US$ 690,06 milhões para US$ 515,88 milhões, vairação de -25,24%. A retração só não foi maior, devido à valorização cambial.
 
Recuando na série histórica do levantamento, é possível mensurar o esfriamento da compra do gás: o volume de 2017, na comparação com os resultados do primeiro semestre de cada ano, é o menor desde 2005 (3,37 milhões de toneladas). Em 2004, a importação somou, de janeiro a junho, 2,51 milhões de toneladas.
 
A trajetória dos montantes comercializados acompanha a queda do volume importado. O valor de US$ 515,88 mihões contabilizados no primeiro semestre deste ano é o menor para o período em 12 anos – apenas em 2005, com US$ 302,78 milhões, a cifra foi inferior à de 2017. De 2010 a 2015, todos os resultados, no acumulado dos seis primeiros meses, ficaram acima da casa de US$ 1 bilhão.
 
ICMS – A redução da entrada de gás natural em Mato Grosso do Sul impacta nos cofres do governo estadual. O peso do tributo incidente sobre o gás, mesmo em queda, representa parcela considerável do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestaçãod e Serviços).
 
Atualmente, a receita tributária com o gás corresponde a 10,73% (no acumulado de janeiro a maio) da arrecadação de ICMS. No entanto, essa participação era maior. No ano passado, no mesmo período, era de 14,45%. Em 2014 (ano todo), a parcela era de 18,18% e, em 2015 (também no total), de 16,6%.
 
A queda de participação tributária do gás resulta de retração de 27,5% (até maio) na receita do ICMS do produto. Nos cinco primeiros meses deste ano, foram arrecadados R$ 319.637.221 e, em igual período de 2016, foram R$ 441.219.543. Em valor absoluto, o recuo é de R$ 121.582.322.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRÂNSITO
Jovem de 19 anos morre após subir em capô de carro e namorado bater em poste na Capital
GERAL
Começa a valer hoje nova política de privacidade do Whatsapp
GERAL
Detran-MS continua mutirão de renovação de CNH com EAR neste sábado
GERAL
Cuidados com a pele devem ser redobrados como inverno
ESPORTE
Final do Cariocão 2021 começa neste sábado com o clássico Fla x Flu
SAÚDE
Saúde reforça a importância dos cuidados de biossegurança
GERAL
Sorteio da Mega-Sena deste sábado tem prêmio estimado em R$ 33 milhões
GERAL
Pesquisadores alertam para riscos de crianças expostas a telas
CORONAVÍRUS
Alerta Covid: Casos confirmados e internações continuam crescendo
CULTURA
Semana Nacional de Museus terá lançamento de livros sobre Patrimônio de Corumbá

Mais Lidas

POLICIAL
Polícia Federal apreende 280 Kg cocaína na parte alta de Corumbá
VACINAÇÃO
Poliesportivo está aberto para repescagem e aplicação de segunda dose da vacina da Covid-19
ACIDENTE DE TRÂNSITO
Bombeiros socorrem vítimas de colisão de carros no Centro
OPORTUNIDADE
IEL tem 91 vagas de estágio para Campo Grande, Camapuã e Corumbá