Menu
quinta, 04 de março de 2021
Governo do Estado - Campanha de Março
Geral

Gripe já matou quatro vezes mais que dengue em 2016

04 julho 2016 - 08h58Campo Grande News

Embora sejam doenças com formas de transmissão e combate completamente diferentes, as duas são causadas por vírus e muito temidas pela população. Em Mato Grosso do Sul, a dengue e a gripe já mataram 82 pessoas neste ano. Contudo, a influenza pode ser considerada “doença da vez”.

Até o dia 22 do mês passado, conforme o último boletim epidemiológico divulgado pela SES (Secretaria de Estado de Saúde), o vírus da dengue havia contaminado 57.288 pessoas, metade no número de pacientes que tiveram a doença em 2013, ano da maior epidemia já enfrentada no Estado, quando 102.026 foram diagnosticados com a patologia.

Contudo, a doença de 2016 é a gripe, que começou a fazer vítimas antes do período mais frio e seco do ano, quando a circulação dos vírus causadores – influenza A e B – é maior.

Apesar do número de notificações da doença – 1.166 até o dia 28 de junho – corresponder a somente 2% da quantidade de casos registrados de dengue, a gripe matou 67 pessoas neste ano, quatro vezes mais que a patologia transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, que causou a óbito de 15 pacientes.

Em 2016, a gripe já matou nove vezes mais pessoas que no ano passado, quando sete pacientes com a influenza morreram, e três vezes mais que em 2014, quando 21 óbitos foram registrados.

Das 67 mortes que ocorreram neste ano, 63 são provocados pela gripe A H1N1, uma pelo vírus A não subtipado e três pela gripe B, conforme as informações da SES.

Por quê? – O médico infectologista Rivaldo Venâncio Costa explica que o fato do vírus da gripe ter começado a circular mais cedo neste ano contribuiu para que a doença fosse mais letal. Em março, casos e mortes já começaram a ser registradas, enquanto que, em geral, as notificações começam a ser feitas em maio. Ninguém havia se vacinado ainda.

O infectologista alerta ainda para a subestimação da importância da vacina. “Isso tanto pela população, quanto pelas autoridades. Tanto é que todo ano tem o sufoco da secretaria atrás das grávidas e neste ano, teve a correria da população atrás de vacina, que está difícil de encontrar”, comentou.

Conforme o sistema SPNI (Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunização), em Mato Grosso do Sul, 95,76% da população-alvo foi vacinada – 557.681 do total de 582.399 que fazem parte dos grupos de risco. Contudo, apenas 79,36% das gestantes estão imunizadas, 26.219 das 33.039 existentes no Estado, conforme o cálculo do Ministério da Saúde. Ou seja, 6.820 grávidas ainda precisariam tomar a vacina.

Notificações – O médico ressalta que o número de casos de gripe registrados pela SES não pode ser tomado como base, uma vez que muitos pacientes sequer chegam a uma unida desaúde. “A diferença é que a gripe não é uma doença de notificação compulsória, mas a dengue é. Pela forma de transmissão, a gripe atinge uma quantidade de pessoa infinitamente maior que a dengue. Por baixo, no Estado, umas 200 mil pessoas já devem ter tido gripe neste ano”, concluiu.

Embora sejam doenças com formas de transmissão e combate completamente diferentes, as duas são causadas por vírus e muito temidas pela população. Em Mato Grosso do Sul, a dengue e a gripe já mataram 82 pessoas neste ano. Contudo, a influenza pode ser considerada “doença da vez”.

Até o dia 22 do mês passado, conforme o último boletim epidemiológico divulgado pela SES (Secretaria de Estado de Saúde), o vírus da dengue havia contaminado 57.288 pessoas, metade no número de pacientes que tiveram a doença em 2013, ano da maior epidemia já enfrentada no Estado, quando 102.026 foram diagnosticados com a patologia.

Contudo, a doença de 2016 é a gripe, que começou a fazer vítimas antes do período mais frio e seco do ano, quando a circulação dos vírus causadores – influenza A e B – é maior.

Apesar do número de notificações da doença – 1.166 até o dia 28 de junho – corresponder a somente 2% da quantidade de casos registrados de dengue, a gripe matou 67 pessoas neste ano, quatro vezes mais que a patologia transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, que causou a óbito de 15 pacientes.

Em 2016, a gripe já matou nove vezes mais pessoas que no ano passado, quando sete pacientes com a influenza morreram, e três vezes mais que em 2014, quando 21 óbitos foram registrados.
Das 67 mortes que ocorreram neste ano, 63 são provocados pela gripe A H1N1, uma pelo vírus A não subtipado e três pela gripe B, conforme as informações da SES.

Por quê? – O médico infectologista Rivaldo Venâncio Costa explica que o fato do vírus da gripe ter começado a circular mais cedo neste ano contribuiu para que a doença fosse mais letal. Em março, casos e mortes já começaram a ser registradas, enquanto que, em geral, as notificações começam a ser feitas em maio. Ninguém havia se vacinado ainda.

O infectologista alerta ainda para a subestimação da importância da vacina. “Isso tanto pela população, quanto pelas autoridades. Tanto é que todo ano tem o sufoco da secretaria atrás das grávidas e neste ano, teve a correria da população atrás de vacina, que está difícil de encontrar”, comentou.
Conforme o sistema SPNI (Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunização), em Mato Grosso do Sul, 95,76% da população-alvo foi vacinada – 557.681 do total de 582.399 que fazem parte dos grupos de risco. Contudo, apenas 79,36% das gestantes estão imunizadas, 26.219 das 33.039 existentes no Estado, conforme o cálculo do Ministério daSaúde. Ou seja, 6.820 grávidas ainda precisariam tomar a vacina.

Notificações: O médico ressalta que o número de casos de gripe registrados pela SES não pode ser tomado como base, uma vez que muitos pacientes sequer chegam a uma unida desaúde. “A diferença é que a gripe não é uma doença de notificação compulsória, mas a dengue é. Pela forma de transmissão, a gripe atinge uma quantidade de pessoa infinitamente maior que a dengue. Por baixo, no Estado, umas 200 mil pessoas já devem ter tido gripe neste ano”, concluiu.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BOLETIM COVID
O mês começa com média de 6 mortes por Covid a cada 24 horas
SAÚDE
MS é o estado que mais aplicou as duas doses da vacina contra a Covid-19
GERAL
Ministério Público denuncia servidores de Ladário por corrupção passiva
GERAL
Bombeiros continuam buscas por homem desaparecido na região do Paiaguás
CONSUMIDOR
Vereador pede relatório ao Procon sobre processos, multas e empresas penalizadas em 2020
ESPORTE
Fluminense estreia no Carioca de olho na final da Copa do Brasil
ECONOMIA
Governo adia para dia 31 reinício de bloqueio e suspensão de benefício
OPORTUNIDADE
Máscara + Renda já beneficiou mais de 1.900 costureiras em todas as regiões do país
RECONHECIMENTO
Câmara vai prestar homenagem às corumbaenses pelo Dia Internacional da Mulher
ACIDENTE DE TRÂNSITO
Colisão de carro e moto deixa mulher ferida no Maria Leite

Mais Lidas

GERAL
PMA realiza trabalhos de orientação sobre minhocas em casas de iscas no MS
ABANDONO
Ladário sofre com descaso e abandono das autoridades municipais
INFRAÇÃO ADMINISTRATIVA
PMA autua morador de Corumbá por transporte ilegal de pescado
GERAL
Reinaldo Azambuja autoriza concurso público com 250 vagas para Polícia Civil