Menu
sexta, 14 de maio de 2021
Andorinha - Maio
Andorinha - Maio
Geral

Greve de caminhoneiros para 100% das indústrias de MS

25 maio 2018 - 07h29Kamilla Marques

Realizada há quatro dias consecutivos em todo o Brasil, a greve dos caminhoneiros contra os sucessivos aumentos no valor do óleo diesel deve provocar a paralisação total das 6.201 indústrias de Mato Grosso do Sul até esta sexta-feira (25/05), conforme estimativa do presidente da Fiems, Sérgio Longen, divulgada nesta quinta-feira (24/05) durante entrevista coletiva à imprensa.

O cálculo é feito com base no ritmo de produção dos estabelecimentos industriais do Estado, que vem caindo desde que a greve começou, na segunda-feira (21/05). Conforme levantamento realizado pela Fiems junto aos empresários, no terceiro dia de paralisação, 60% das indústrias já tinham parado ou reduzido a produção.

 “Nesta quinta-feira (24/05), cerca de 80% das indústrias já estão paradas em razão da falta de matéria-prima, que está represada nos caminhões. Se até esta sexta-feira essa matéria-prima não for liberada, 100% das indústrias vão parar. Vai parar total, postos de gasolinas, aeroportos”, afirmou Longen ao questionar a forma como os caminhoneiros prosseguem com a greve. 

Na avaliação do presidente da Fiems, a pauta é pertinente e se faz necessário que o Governo avalie a política de reajuste de preços dos combustíveis. “Não podemos ficar reféns da Petrobras e, por isso, entendo o intuito da manifestação. Mas interromper a produção de setores que abastecem a sociedade, da forma como está sendo feito, não é correto e com isso não podemos concordar. Temos compromissos a serem cumpridos, as empresas estão parando, os produtores rurais estão jogando leite fora, por exemplo, os animais estão morrendo por falta da chegada de ração, ou seja, é um modelo de greve que traz prejuízo para muita gente e não podemos permitir isso no Brasil”, defendeu.

Questionado, o governador Reinaldo Azambuja descartou reduzir a alíquota do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias) sobre o diesel, que hoje é de 17%, como fez no passado, quando baixou para 12%. “Já fizemos isso em acordo com o setor produtivo e de distribuição de petróleo. Baixamos de 17% para 12% para que tivesse aumento no consumo, mas na época não aumentou, tanto que a alíquota voltou. Mas estamos dialogando com o Sinpetro/MS (Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo e Lubrificantes), buscando alternativas, ainda que esta seja uma questão a ser resolvida pelo governo federal”, afirmou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

GERAL
Marinha do Brasil resgata jovem que caiu do cavalo na Fazenda São Francisco
CULTURA
Prefeitura abre edital para festeiros de São João registrarem suas trajetórias
MEIO AMBIENTE
IHP realiza plantio e manutenção de mudas na nascente do Rio Miranda
GERAL
Para prevenção aos focos de incêndio no Pantanal, IHP e Sindicato Rural alinham atuação
EDUCAÇÃO
Uniderp abre seleção para mestrado e doutorado em Odontologia
Candidatos podem escolher entre duas áreas de concentração
SEGURANÇA PÚBLICA
Vereadora reivindica aumento do efetivo de policiais civis e militares na região
ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA
Município reforça enfrentamentos às violações de direitos de crianças e adolescentes
GERAL
Consórcio Brasil Central autoriza assinatura de contrato para importação da vacina Sputnik V
VACINAÇÃO
Poliesportivo está aberto para repescagem e aplicação de segunda dose da vacina da Covid-19
ECONOMIA
Trabalhadores nascidos em novembro podem sacar o auxílio emergencial

Mais Lidas

POLICIAL
PF prende quatro pessoas e apreende 180 kg de cocaína em MS
POLICIAL
PM apreende droga, plantas de maconha e prende autor de tráfico
POLICIAL
PM evita suicídio de homem, e o prende após violência doméstica
POLÍTICA
Iunes aceita convite do Podemos